Páginas

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

POLLYANA, OLHA AONDE VOCÊ SE METEU!

Pollyana, não precisa trazer verbas para Taubaté. Vote em favor do povo, contra a anistia para políticos corruptos. Vote em benefício dos os aposentados. Vote contra a "escola sem partido". Vote em mais verba para a a educação. Lembre-se da frase lapidar de Monteiro Lobato: "Um país se faz com homens e livros"

Pollyana, não pretendo criticá-la. Antes, quero chamar-lhe a atenção para o seu próprio bem e seu futuro político.

Você está começando nesta segunda-feira (28/11) sua segunda semana como deputada federal. Já pensou na sua responsabilidade?

Não espero de você verbas para esta ou aquela obra da Prefeitura. Sua função não é buscar dinheiro para prefeitos, embora dezenas de parlamentares faça deste expediente um meio de angariar aliados políticos.

O que interessa é saber como serão seus votos em questões polêmicas, como a alforria para políticos que fizeram “caixa 2” no passado.

Sua sorte é que o presidente golpista Michel Temer e o presidente do Senado, igualmente golpista, Renan Calheiros resolveram, neste domingo (27/11), que este assunto não será discutido na Câmara Federal, tamanha a pressão popular contra o projeto de anistia a políticos corruptos.

Quero lembrar-lhe que você se juntou a dois ou três mil taubateanos no dia 13 de março deste ano, em frente ao 5º BPMI, para pedir a derrubada de Dilma por corrupção.

Oito meses se passaram. Dilma foi, de fato, derrubada, mas não por corrupção, porque até agora ninguém provou qualquer ato ilícito que tenha sido praticado pela ex-presidenta.

Acesse este link para reler a carta aberta que lhe escrevi.

Você postou em sua página no Facebook um banner produzido por fascistas convidando a população taubateana para participar do ato anti-Dilma, talvez até acreditando que estava exercendo um ato patriótico.

O tempo provou que a razão me assistia. Você, como milhões de brasileiros, foi levada a acreditar que a corrupção foi inventada por Lula e prosseguiu no governo Dilma.

O atual governo é formado por uma malta de bandidos, a começar pelo golpista Michel Temer e seus principais asseclas; Geddel Vieira Lima, Eliseu Padilha, o senador Romero Jucá e Wellington Moreira Franco.

Pois é! A esta turma de ladrões juntou-se o deputado Roberto Freire, contra quem não pesa nenhuma acusação de corrupção, nomeado ministro da Cultura pelo presidente golpista corrupto.

A nomeação de Roberto Freire para o ministério de Teme antecipou sua chegada à Câmara dos Deputados, que deveria ocorrer somente em 1º de janeiro de 2017, com a renúncia de Bruno Covas (PSDB), eleito vice-prefeito da Capital paulista.

Deputada Pollyana, seu partido, o PPS, fundado e dirigido por Luiz Carlos Prestes, que teve em sua militância nomes como o escritor Jorge Amado e o arquiteto Oscar Niemayer, para ficarmos apenas nos dois, hoje é um partido de direita.

Desfigurou-se politicamente para atender os interesses pessoais de Roberto Freire, Raul Jungmann e outros menos importantes.

Espero que sua atuação na Câmara dos Deputados faça jus à origem comunista do PPS.

Não se contente em ser uma deputada do baixo clero, inexpressiva, daquelas que fazem apenas a vontade dos cardeais e líderes do partido.

Você começa na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. É a sua praia. Faça valer seu peso parlamentar.

A grande oportunidade política de sua vida é fazer o Senado acelerar o processo de votação do PLS 265/2008, do ex-senador Osmar Dias (PDT), que nasceu de uma proposta sua de melhoria salarial dos professores.

Sua responsabilidade não é trazer obras ou verbas para Taubaté. Sua responsabilidade e fiscalizar o governo federal, lutar para exterminar a corrupção.

Sei que não é fácil tomar decisões isoladas, que vão de encontro à determinação partidária de apoio ao governo golpista de Temer, cujos esbirros estão caindo, um a um, por serem corruptos.

Seu partido apoiou o golpe e tem se beneficiado dele.

Nos casos mais difíceis, não se avexe. Passe a mão no telefone e ligue para dois de seus ex-assessores na Câmara Municipal de Taubaté. Eles saberão como orientá-la.

Você tem 17 meses para provar que o apoio ao golpe foi um senão político que não mais se repetirá.

Os taubateanos acompanharão pari passu seu desempenho na Câmara Federal.



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A POSSE DE POLLYANA
NA CÂMARA FEDERAL

|Pollyana Gama, agora deputada federal, tomou posse nesta quarta-feira (23/11/)
Pollyana Gama (PPS) deixou de ser vereadora nesta quarta-feira (23/11) ao tomar posse como deputada federal suplente em lugar de Roberto Freire, também empossado ontem ministro da Cultura pelo governo golpista de Michel Temer (PMDB).

O deputado estadual Davi Zaia deve ocupar o lugar de Freire na presidência nacional do PPS.

Em lugar de Pollyana Gama, na Câmara Municipal, assume o suplente Leandro Patto, que substituiu a ex-vereadora na campanha para a Prefeitura de Taubaté.

Abaixo, o discurso de Pollyana na Câmara Federal após o juramento formal para a sua posse.


sexta-feira, 18 de novembro de 2016

SEMELHANÇAS ENTRE
CABRAL E ORTIZ JUNIOR

O ex-governador Sérgio Cabral foi submetido ao ritual de todo marginal ao chegar no sistema prisional: cabelos cortados, uniforme de presidiário, fotos de prisioneiro e um cubículo onde mofará com seus asseclas, sem contar o café de caneqquinha.
O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral está engaiolado desde ontem (17/11) por ter recebido propina de empreiteiras em várias obras públicas feitas sob sua gestão.

O que há de semelhante entre Cabral e Ortiz Junior?

Respondo: 5%

O que diferencia os dois?

1) O ex-governador é do PMDB, que precisa ser condenado rapidamente para justificar o golpe dentro do golpe, isto é, tirar Michel Temer e colocar, digamos, FHC em seu posto.

2) O outro é prefeito do PSDB, que também faz suas obras públicas e terceiriza tudo o que pode, garantindo o próprio futuro.

Como?

Respondo: 5%

1) Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, estaria recebendo “mesadas” entre R$ 200 mil e R$ 500 mil.

2) Ortiz Junior, segundo o empresário João Leandro Terra de Biagi, recebeu propina de R$ 1,5 milhão e receberia uma “mesada” de R$ 250 mil após a assinatura do contrato com o consórcio que “venceu” a licitação.

Houaiss define mesada como “salário, pensão ou renda que se paga a alguém a cada mês; mensalidade”.

3) A denúncia do empresário foi registrada em cartório em outubro de 2015

Portanto, qualquer semelhança entre Ortiz Junior e Sérgio Cabral não é mera coincidência. É uma prática.

Leia aqui a declaração de João Leandro Terra Biagi.


Para saber mais sobre a prisão de Sérgio Cabral, acesse este link.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

ESTOU TIRANDO O MEU DA RETA



Não quero causar um cu de boi (confusão) na tumultuada vida política desta urbe quase quatrocentona, nem ser responsabilizado por divulgar uma gravação comprometedora, que fere de morte a justiça brasileira como um todo.

Estou tirando o meu da reta, por enquanto, até ter segurança jurídica que possibilite a divulgação da gravação que possuo. A mesma que certamente está em poder de dezenas de outros taubateanos. Sozinho, jamais serei capaz de enfrentar a fúria que se abaterá sobre mim se eu divulgá-la.

Não é o medo que me move. É a prudência de quem já sofreu cinco processos judiciais, dos quais ganhei quatro, e não tem dinheiro para pagar os serviços de um advogado. Minha situação jurídica é estável graças ao advogado Norberto Ribeiro, que me defendeu.

De certa forma, a partir das cortes superiores, todo o judiciário está contaminado. O que estou tentando dizer é que a gravação a que me refiro compromete ministros da justiça e pelo menos um deles a recebeu em seu gabinete. Ele se abalou com a citação de seu nome? Não!

Para não comprometer o autor da detalhada previsão feita antes das eleições, pois se trata de funcionário municipal que conviveu com Ortiz Junior e sabe detalhes de como o tucano conseguiria reverter sua situação em Brasília para ser inocentado e voltar à Prefeitura, como voltou hoje. Alguns empresários taubateanos participaram do conluio, mas estão calados.

Esclarecimento importante para os puritanos:

Antes de criticar o uso da palavra “cu”, saiba que ela existe desde o século XIV e é utilizada em várias acepções. Veja uma delas, extraída do Houaiss...

cu de boi
Uso: informal, tabuísmo.
1     Regionalismo: Brasil.
confusão, briga, envolvendo pessoas

Portanto, se e quando a gravação for divulgada, teremos um cu de boi político em Taubaté.

OLÁ, ORTIZ JR! SATISFEITO COM
SEU RETORNO À PREFEITURA?

Ortiz Junior convenceu o ministro Napoleão Nunes Maia Filho (TSE)
de sua inocência. Quanto poder de convencimwento!
Sua volta ao Palácio do Bom Conselho não é para ser comemorada pelos taubateanos. O senhor sim tem que a explicar para nós, leigos, como conseguiu convencer o TSE a rejulgá-lo e absolvê-lo.

Este é um mistério que jamais será revelado, mas sei que tem gente que atuava ao seu lado que andou falando coisas que até  Deus duvida, sobre sua forma de “convencimento”.

Prefeito, o senhor cumpriu três meses de gancho imposto pelo Superior Tribunal Eleitoral, que confirmou a cassação de seu mandato em 1º de agosto deste ano, que acabou sendo revertida em uma das mais esdrúxulas sessões da corte eleitoral brasiliense.

Não sei como o senhor deve agradecer o voto do ministro Napoleão Nunes Maia Filho, se já não agradeceu, ou o empenho do ministro Gilmar Mendes em desqualificar as provas colhidas nos autos, para reverter sua cassação contra toda lógica jurídica baseada em súmulas dos tribunais superiores, que impedem o rejulgamento de coisas julgadas.

Mas estamos no Brasil, onde as cortes superiores pouco se lixam para as leis, desde que elas não sejam para punir petistas ou partidos insignificantes no cenário político atual. Leia aqui o que escrevemos sobre a sessão do TSE de 25 de outubro, que lhe devolveu a Prefeitura.

Sua volta não é triunfal! Pelo contrário, é drástica, na acepção farmacológica que lhe dá o Houaiss.

Os mais de 74 mil votos obtidos na eleição municipal deste ano não foi fruto de sua competência administrativa. Foi reflexo da alienação imposta aos eleitores taubateanos.
Mais de 51 mil deles não compareceram para votar. Sua votação foi de apenas 33,48% do grupo de eleitores taubateanos. O senhor não é unanimidade, como mostramos nesta tabela.

Na reta final sua campanha foi avassaladora e desonesta, principalmente associando a candidata Pollyana Gama (PPS), de forma pejorativa, à ex-presidente Dilma Rousseff, que a cada dia que passa mais fica comprovada sua honestidade e seriedade..

Cartas pessoais endereçadas a eleitores incautos, “musiquinhas” nas redes sociais, falsificação eletrônica de boletim do DivulgaCand. Um jogo sujo jamais visto em uma campanha eleitoral nesta urbe quase quatrocentona.

Vingativo como é o clã Ortiz, não duvido que agora tentem embaraçar o futuro político de Pollyana. Os Ortiz jamais admitirão concorrentes em Taubaté.

Ganharam nas urnas uma guerra suja.

Agora falta explicar como ganharam o jogo em Brasília e porque a justiça de 1º grau está segurando há mais de seis meses a sentença do emblemático caso das mochilas da FDE.

São mistérios misteriosos demais até mesmo para a compreensão de Agatha Christie