Páginas

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

POSTOS DECAÍDOS DO SUS TERÃO DE
PREVENIR O CÂNCER DE PRÓSTATA

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

A partir de agora as unidades de saúde do SUS estão obrigadas por lei a realizar exames de detecção do câncer de próstata...

A lei diz que além de assegurar o exame, sempre que o médico considerar necessário, hospitais e postos de saúde devem promover a sensibilização de profissionais de saúde por meio da capacitação e reciclagem.

Acho que estamos no céu, ou pelo menos o governo quer que acreditemos que estamos. E assim, por lei ou decreto fica decidido que os médicos farão o milagre de encontrar meios nessas unidades decaídas  para  atender precocemente os pacientes dessa terrível doença, segundo lugar em óbitos no Brasil e sexto no mundo.

Parece até que já superamos o cenário de gente atendida no chão, em hospitais em que falta até esparadrapo.

Tudo isso deve ser por causa do novembro azul. Depois do outubro rosa... E, de cor em cor vamos acabar colorindo o arco-íris da incompetência, curando e prevenindo por decreto.

Falei e disse! 

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

PROFESSORES DE TAUBATÉ
SENDO CAÇADOS

Fábio Casagrande, professor

Expressões como sumiço do professor, farra das licenças, professores ausentes, excessos de direitos, falta de profissionalismo, IDEB baixo e má formação são a tônica da cobertura da imprensa conservadora e de governos autoritários.

O “absenteísmo” tornou-se mais um entre outros bodes expiatórios de nossas mazelas educacionais. Se a educação vai mal – e essa é a impressão geral que se tem presente na sociedade – corre-se a procurar os “culpados” e, ao encontrá-los, puni-los severamente pela falta cometida. Essa é a abordagem que o tema tem recebido nos inúmeros artigos, editoriais e reportagens na imprensa conservadora, bem como no discurso da Secretaria de Educação. O professor faltoso é réu acusado de boicote ou sabotagem às melhorias da educação.

A preocupação da mídia conservadora e da Secretaria de Educação, simplesmente, concentra-se na ausência do profissional docente em sala de aula e também com relação às perdas financeiras que essas faltas, possivelmente, acarretam aos cofres públicos. Contudo, a simples apresen­tação de tal problemática sem a constatação do que, de fato, ocorre no interior das escolas gera o discurso da CULPABILIZAÇÃO DO PROFESSOR.

A Secretaria de Educação não respeita a jornada de trabalho dos professores prevista em Lei Federal. Não remunera o Descanso Semanal Remunerado, mas também não respeita a Lei Municipal 4638, de 10/05/2008, que estipula em no máximo 25 alunos por turma.

Assim, os Professores de Taubaté enfrentam jornadas de trabalho draconianas e precárias condições de trabalho.

Esses fatores levam o educador à exaustão mental e física em que muitos professores encontram-se imersos distanciando-os da motivação e propósito intrínsecos de educar.

A questão não é, portanto, porque o professorado falta, mas a falta que faz o professorado.

A DIREITA VAI PRA CIMA

Silvio Prado, professor

(Reflexões a partir da brilhante palestra proferida em Taubaté pelo blogueiro e jornalista Altamiro Borges, do Blog do Miro)

A direita está vindo para cima dos movimentos populares.

Os escrotos, nojentos e racistas, carregados de ódio, querem varrer daqui tudo que lembre os direitos fundamentais garantidos pela Revolução Francesa.

A coisa é tão primária que não se trata mais de combater o socialismo e suas ideias emancipadoras. A coisa é mais grosseira. Trata-se de combater a inclusão no próprio capitalismo. Por isso, os direitosos devem estar amaldiçoando a princesa Isabel por ter assinado a Lei Áurea e legalizar o que a população negra havia conquistado na luta pela libertação. Enfim, a princesa isabel virou também bolivariana.

Atento à palestra, Silvio Prado capta a essência do discurso de Miro
Devem amaldiçoar os militares por terem enfiado o rabo entre as pernas e deixado o poder no começo da década de oitenta. Devem amaldiçoar todos os torturadores que não conseguiram exterminar na totalidade os que se opuseram à ditadura durante 21 sangrentos anos.

Babando ódio, ela aparece em toda parte. Ela surge pelas bobagens do coxinha idiota que se acha inteligente porque toda semana se atira dentro do vaso sanitário junto com a Veja.

Ela não mede palavras e nem imagens na panfletagem do Jornal Nacional, que violenta a realidade e a história com trucagens e mentiras grosseiras. Nos jornalões como a Folha e o Estadão ela se traveste de opiniões supostamente sensatas. A Jovem Pan, com seus locutores de velório, faz o seu show/horror diário chegar a quase 20 milhões de vitimas da estupidez radiofônica.

Como um pitbull a quem foi negado comida por semanas, a direita traz os dentes afiados e o estômago faminto. Porém, seu poder de devorar é menor do que sua fome. O pitbull,ou seja, a direita, sabe que fora dos Jardins e condomínios seletos o osso é mais duro para ser roído. Bem mais duro.

Sobra vontade, mas ela não tem dentes para tanto, pois não basta o terror midiático para alcançar seus objetivos escrotos. É preciso que o povo diga sim, amém, aceite ter de volta pés e mãos sob correntes, voz calada e diversidade suprimida. Portanto, o ódio da direita vem exatamente da consciência que o povo adquiriu de que ela, há muito tempo não tem mais nada a oferecer, a não ser as correntes que antes aprisionavam.

A direita pode babar à vontade. Pode mostrar seus belos dentes brancos. E mesmo que não os mostre, eles serão devidamente quebrados.

20 DE NOVEMBRO, UMA GRANDE
VITÓRIA CONTRA O RACISMO

Silvio Prado, professor

Passado o dia 20 de Novembro, dia nacional da Consciência Negra e dia de lembrar a saga de zumbi e do Quilombo de Palmares, só posso dizer que a luta contra o preconceito e o racismo saíram imensamente fortalecidas desse dia de comemorações.

Há tempos eu não via, principalmente em Taubaté, tantos atos e fatos em torno da questão do 20 de novembro. Dificilmente uma escola pública não colocou o tema em pauta. Dificilmente um cidade brasileira não teve algum evento relativo a Zumbi, Palmares e as questões pertinentes aos afrodescendentes. Tenho noticias de atividades das mais diversas ocorridas em toda parte.

Na verdade, todo esse rol incrível de manifestações ocorridas na semana do 20 de novembro também deve ser analisado como resposta firme e decidida aos racistas de todo o país que, em torno da candidatura de Aécio Neves, passaram por cima da leis brasileiras e cometeram crimes de injuria racial e racismo contra os negros.

As praticas racistas vem crescendo em todo o país. No dia da votação do segundo turno, por exemplo,foram abertas nas redes sociais cerca de 300 páginas apenas com a finalidade de esculhambar pobres, negros e nordestinos. O ódio racial explodiu e deu sequência ao que sofreu o goleiro Aranha, do Santos, num jogo em Porto Alegre, contra o Grêmio. Ou pela humilhação sofrida por um casal (ele branco, ela negra), na Zona da Mata, em Minas Gerais.

Como todo ato irracional, suas justificativas provocariam risos se não fossem elementos de uma tragédia social que precisa, pela ação da policia e da justiça, ser severamente combatida. A vitalidade com que se comemorou o dia 20 de novembro foi um sinal claro de que pobres, negros e nordestinos estão alinhados pelos vínculos da história e pela simbologia inquestionável da riquíssima cultura popular brasileira.

Os bobões e idiotas das gangues neonazistas, com seus rituais de sangue e morte, que fiquem perambulando pelos Jardins e condomínios chiques e, quando muito, se atrevam a alguma manifestação relâmpago na riquíssima avenida Paulista. Porem se, por exemplo, a polícia de São Paulo se dispuser a cumprir a lei como gosta de fazer cumprir sobre negros e pobres, essas gangues, por serem objetivamente criminosas, em dois segundos deverão embarcadas em camburões e colocadas de imediato sob os focos da justiça.

NÃO COMPRE GATO POR
LEBRE NESTA “BLACK FRIDAY”

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

Nesta sexta-feira acontece mais um “Black Friday” no Brasil. Dia em que, teóricamente pelo menos, as pessoas podem fazer boas compras.

Muita gente relata que compra o “bom bonito e barato” nas “Black Fridays”. Outras reclamam das armadilhas. Por isso é preciso muita atenção para não ser lesado, principalmente diante dos mirabolantes descontos prometidos por lojas virtuais.

É preciso identificar de pronto se os sites têm boa reputação nas comunidades e redes sociais. Depois verificar se os produtos se encontram realmente em oferta. A véspera, por exemplo, é um bom dia para procurar preços nas páginas e verificar se na sexta-feira  vai haver maquiagem na oferta, o que a lei considera publicidade enganosa. Na própria sexta, antes de fechar negócio é bom consultar o mesmo produto em outros revendedores.

A lei garante que, mesmo em caso de “black Friday”, o consumidor pode cancelar a compra por arrependimento, no prazo de 7 dias, e, em caso de defeito, existe a possibilidade de escolha entre três opções: exigir a troca por outro produto em perfeitas condições de uso, a devolução integral da quantia paga, devidamente atualizada, ou o abatimento proporcional do preço.

Bom deixar claro que toda informação passada ao consumidor por meio de publicidade, embalagens ou mesmo declarações dos vendedores torna-se cláusula contratual a ser cumprida pelos lojistas e fabricantes. Com estas cautelas você pode fazer um bom negócio, realmente, nesta “black Friday”.

Falei e disse.