Páginas

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

VEJA PENSA QUE ELEITOR É CEGO

Sou jornalista e blogueiro. Meu blog nasceu para estimular as pessoas a discutirem política. Basicamente escrevo sobre a política da microrregião de Taubaté, que tem um prefeito (tucano, diga-se de passagem) em vias de ser cassado pelo TRE-SP.

Sou um observador da política nacional e me considero razoavelmente bem informado para dar pitacos sobre o tema. Como esta infâmia cometida pela Veja, uma revista em estado falimentar, que flerta com o golpe a fim de tirar do poder o governo trabalhista de Dilma Rousseff, que faz uma “denúncia” sem provas para oxigenar o tucano Aécio Neves

Dilma foi à luta contra a Veja. Pediu direito de resposta ao TSE, que já negou seu pedido. Uma mulher de 66 anos, de vida limpa, contra quem não será encontrada nenhuma nódoa a manchar sua biografia, diferentemente do tucano Aécio Neves, que dirige bêbado, que constrói com dinheiro público aeroporto em terras de familiares, que bate em mulher, que investe dinheiro público em suas emissoras de rádio quando era governador de Minas.

Este é o verdadeiro bandido, que a Veja esconde. É Aécio quem tem ligação com os Perrella, de cuja família a Polícia Federal apreendeu um helicóptero com 450 quilos de cocaína. É Aécio quem é acusado volta e meia, pela internet, de fazer uso de substâncias proibidas. Contra  crápula mineiro a Veja se cala, porque recebeu nos últimos anos, do governo do PSDB, cerca de R$ 52 milhões pela venda de livros e revistas para as escolas estaduais.

Abaixo, o vídeo corajoso da presidente Dilma Rousseff, extraído do sítio Muda Mais, criticando a Veja, afirmando que a revista, que está em estado pré-falimentar, comete crime eleitoral ao oferecer denúncia sem provas, com enorme irresponsabilidade, informação esta já desmentida pelo advogado do doleiro Alberto Youssef.



Aqui, as “capas” da Veja que não foram publicadas. A revista, golpista, virou motivo de chacota nacional.










ALGUMAS QUESTÕES SOBRE A VEJA
E SUAS "DENÚNCIAS" DE CORRUPÇÃO

Vinícius Cesca*

A Veja se especializou em criar factoides em período eleitoral. A última capa da Veja antes do segundo turno já é algo tão folclórico quanto o último debate na Globo. É o desfecho clichê que todos sabem que vai acontecer.

O estarrecedor é que há gente que, de forma absolutamente acrítica, compra como verídico o que o folhetim veicula, sem se perguntar se aquilo é verdade ou não, sem sequer analisar se é verossímil ou não. Suspeito que teriam acreditado também no "boimate".

Vejamos alguns motivos para questionar a penúltima tentativa da Veja de manipular o processo eleitoral a seu favor:

1) A Veja adiantou a publicação da revista, exatamente para ver se criava algum impacto no processo eleitoral. Primeiro ponto: que interesse específico a Veja tem de querer favorecer um determinado candidato? Faz isso por afinidade? Por interesse econômico? Por ambos?

2) Tem-se uma denúncia, sem provas, de fonte desconhecida, afinal se trata de processo sigiloso, de acesso restrito. Segundo ponto: quem está vazando informações de um processo sigiloso e por qual razão? Ninguém faz isso de forma desinteressada. Qual o interesse?

3) O juiz que conduz o processo é próximo dos tucanos do Paraná, incluindo aqueles que se especializaram em disseminar mentiras e baixarias nas redes sociais, o Álvaro Dias e o Fernando Francischini. Terceiro ponto: estaria aí a pista de onde está partindo o vazamento das informações?

4) O juiz que conduz o processo já foi indicado, em lista tríplice da Associação dos Juízes Federais, para ocupar uma vaga no STF. Sendo próximo dos tucanos do Paraná, é fácil concluir que suas chances de ser indicado ao tribunal aumentariam se o Aécio vencesse a eleição. Quarto ponto: o juiz age então em benefício próprio? Age por interesse pessoal, buscando criar condições que favoreçam o candidato que poderia vir a lhe retribuir o esforço depois?

5) Mais grave: tudo sugere que a denúncia sequer realmente existiu. A revista que veiculou a denúncia sem provas de fonte desconhecida informa que um advogado do denunciante estaria presente no momento do depoimento. Toda a equipe de advogados do suposto denunciante afirma que não ouviu nada com o teor da suposta denúncia veiculada. Quinto ponto: a denúncia realmente existiu ou a Veja fabricou deliberadamente mais uma mentira? Lembram do grampo sem áudio?

6) Há ainda o caráter seletivo das supostas denúncias. Ou a Veja deu capa pra denúncia de que o presidente do PSDB desviava dinheiro da Petrobras para financiar as campanhas tucanas? Se isso ajudou a financiar a campanha do Serra em 2010, teria o esquema sido interrompido ou a campanha do Aécio também tem dinheiro desviado da empresa? Sexto ponto: qual o interesse da Veja em divulgar denúncias apenas contra um determinado grupo político?

7) A relação da Veja com o PSDB não é apenas de afinidade ideológica, é econômica. A Editora Abril recebeu, nos últimos anos, R$52 milhões do governo tucano em SP, para fornecer revistas para as escolas paulistas. Sétimo ponto: então a Veja age em interesse próprio? Busca criar elementos para favorecer o candidato que poderia depois lhe retribuir financeiramente o esforço realizado?

8) Alguém se lembra que o mesmo doleiro que aparece nesse processo é aquele que foi pivô do escândalo do Banestado, no auge da privataria tucana, que teria resultado em um desvio de R$124 bilhões? Oitavo ponto: por que a Veja omite que o doleiro tem uma longa relação de cumplicidade com o PSDB? Será que é por que isso afetaria, de imediato, a credibilidade do que é dito?
E como é que se chama quando um veículo de comunicação pode ter inventado deliberadamente mais uma mentira, selecionado alvos específicos e meticulosamente escolhido alguns elementos e ocultado outros exatamente para atingir apenas os alvos desejados, quando todos os envolvidos, incluindo a própria revista, parecem ter interesses particulares (políticos, ideológicos, de status ou econômicos) em jogo?

*Extraído do Facebook

LOBO NÃO PODE PASTOREAR OVELHA

Rodrigo Viana de Lima*

Como dissemos no artigo anterior "Lições de Orwell: manipulação televisiva e conservadorismo" esse ano, em especial porque escolhermos quem será nosso(a) presidente para próximos quatro anos, tem favorecido a reflexão sobre como somos manipulados pelos veículos de comunicação.


Uma vez que esses veículos se utilizam da falácia a fim de alcançarem seus objetivos, devemos estar cada vez mais atentos para os belos discursos, que se utiliza de jargões para nos envolver e nos hipnotizar. Uma vez hipnotizados, estamos longe de agir com a razão, deixamos o lobo pastoreando as ovelhas. Para que não sejamos hipnotizados é preciso, segundo Kant, que levemos o discurso falacioso ao tribunal da razão pura.


Os principais veículos de comunicação apresentam sua força hipnotizadora a todo o momento. Quem tem mais de 15 anos de idade deve se lembrar do corte de cabelo que o jogador Ronaldo fenômeno apresentou na final da copa de 2002. Virou febre. Uma grande parte da população (entre crianças e adultos) seguiu o “ídolo” no corte de cabelo.


O simples fato de querer se parecer com o ídolo não é o problema. O problema está na criação do ídolo. Um ídolo forjado pelos veículos de comunicação. O Brasil, por ser considerado o pais do futebol (em minha opinião outra falácia) nada melhor do que criar um ídolo que venha do futebol. Não estou entrando no mérito da competência futebolística do citado. Estamos apresentando a ação manipuladora na forma como ela acontece. Já que o ídolo deve ser natural e não criado.


Voltando à disputa eleitoral desse ano, é possível identificar a máquina manipuladora em ação. Uma simples observação deixa claro que os manipuladores não medem esforços para alcançar seu objetivo (a última edição da revista semanal Veja é um exemplo – nota do blog). Quem acompanha os telejornais, quem se atualiza por jornais, revistas ou internet (sites como UOL, globo.com) já deve ter observado que esses veículos não apoiam o atual governo.


Aqui entra a falácia seguida da manipulação. Se julgarmos o atual governo pelo tribunal da razão pura, observaremos que estamos sendo manipulados. Uma vez que não são noticiadas os benefícios promovidos pelo atual governo. Aos s olhos dos cidadãos elas não existem. É transmitido ao povo (sobre o atual governo) só o que é de interesse dos falaciosos.

 

Quando o candidato da oposição aparece em seu programa dizendo: que o Brasil cresceu só X por cento. Ele comete dois erros. Primeiro: ele parte do principio que a população não vai entender o que significa esse índice de crescimento (faz uso do discurso bonito para enganar), já que a população brasileira não é formada por economistas e mesmo que o fosse seria necessário ter acesso a todas as negociações para saber se o crescimento foi bom ou ruim. Segundo: ele omite da população que o crescimento X do país é maior que de muitos países importantes da Europa e o dos Estados Unidos. Portanto seu discurso é falacioso.

 

Quando o candidato diz que vai pedir o fim da reeleição, ele não diz à população que foi seu partido enquanto governo que criou a reeleição (a que custo não sabemos, já que a imprensa não nos explica), ele não diz que não se governa sozinho que é fundamental que se forme alianças.

 

Quando o candidato da oposição cobra da candidata da situação que explique sobre a corrupção em sua gestão, ele engana a população por não esclarecer que as investigações ainda não foram finalizadas, portanto não é possível um posicionamento, mas o candidato utiliza dessa falácia para atribuir culpa a quem não tem culpa.

 

Em uma família onde os pais são de reputação ilibada, seus filhos formam alianças (casamento) com outros, o que os tornam parte da família. Em algum momento da vida as pessoas que vieram a fazer parte da família se corrompem. Os pais que tem reputação ilibada não têm a obrigação de saber dos desvios de seus filhos e conjugues. Esses são os últimos, a saber. A declinação dos filhos não mancha a reputação dos pais que por sua vez continuam sendo ilibados.

 

A corrupção é o câncer do mundo. O homem (gênero de espécie) não nasce corrupto, segundo Kant. Durante sua vida ele declina para a corrupção, essa seduz o homem, seja pela ganância ou pela simples vontade de poder. O homem mostra seu caráter ao resistir a essa sedução.

 

Essa é a diferença principal entre os candidatos.

 

Enquanto a candidata da situação tem membros do seu partido investigados por declinarem ao câncer do mundo (o que não mancha sua reputação), o candidato da oposição é o principal investigado por atos de corrupção praticados em seu estado durante sua gestão.

 

Isso é o que a nossa teletela (referencia ao artigo anterior aqui publicado) não mostra.

 

Uma boa eleição a todos!

*Licenciado em Filosofia pela Universidade Federal do Espírito Santo.

BLOG DO CATALDI*

O DIA NA HISTÓRIA

Sexta-feira, 24 de outubro. Faltam 69 dias para o fim do ano. 122 para o fim do horário brasileiro de verão. Começa a Semana Mundial do Desarmamento e da Paz. É dia Mundial do Desenvolvimento e aniversário da ONU (1945). Data da criação do Estado Maior do Exército (1896). É aniversário de meu companheiro de TVE Ziraldo Alves Pinto (1932). Parabéns! Morte de Júlio de Castilhos, primeiro governador do Rio Grande do Sul no período republicano (1903); do estilista francês Christian Dior (1957); da cantora e compositora Dolores Duran (1959); do monetarista Eugenio Gudin (1986); do ator Raul Julia (1994). 
Sábado, 25 de outubro. Dia da Democracia, da saúde dentária, do Dentista e do Sapateiro. É aniversário de um dos Pais da Bossa Nova, Roberto Menescal (1937). Morte do psiquiatra Phillippe Pinel (1826); do jornalista Vladimir Herzog, assassinado pela ditadura (1975); de Alexandre Von Baumgarten, encontrado na praia (1982); do ator e diretor Flávio Rangel (1988); do ator Vincent Price (1993) e da imperatriz estéril do Irã, Soraya Esfandiary Bajtiary (2001).
Domingo, 26 de outubro. Data da criação do futebol moderno pelos ingleses (1863). A França reconhecia a independência do Brasil (1825). Nascimento de Leiba Bronstein, nome real de Leon Trotsky, um dos líderes da revolução Russa (1879). O Clube Militar suplicava à coroa que não utilizasse mais o Exército Brasileiro na caça aos escravos fugidos (1887). Seria aniversário do antropólogo, educador, escritor e político do PDT Darcy Ribeiro (1922). É aniversário do cantor e compositor Milton Nascimento (1942). A Coroa britânica concedia a Ordem do Império aos Beatles (1965). Morte do pintor Di Cavalcanti (1976) e do comediante Tião Macalé (1993).

PRO VALE

2º TURNO, NOVA CHANCE – Neste Domingo Cívico o eleitor volta às urnas para escolher entre Aécio Neves e Dilma Rousseff. Volta para decidir o tipo de governo que vai querer... Houve chance de perceber que esta eleição é também plebiscitária. O Cidadão vai dizer se quer um modelo assistencialista ou uma política mais dura de combate à inflação e estabilidade econômica. Corrupção, Amigos, os dois modelos têm para dar e vender. É pensar, ponderar e apertar as teclas que indiquem o nome do menos ruim. Aliás, este deve ser o procedimento em todo e qualquer tipo de eleição. O Brasil está vivendo o apocalipse da moralidade. Pouca gente sabe a diferença entre o público e o privado. As casas de leis se resumem num mosaico em que todos estão representados. Ali estão os escolhidos pelas pessoas de bem e pelas más. Representantes dos espertos e dos bobos... Portanto, torçamos que Deus se apiede de nós!     

CONTRADIÇÕES – Desde que cheguei aqui em Pinda, observo incríveis contradições. Um político assina apoio a um projeto. Depois vota contra e diz que assinou, mas, não empenhou a palavra... Outro transfere ações da falecida com assinatura posterior ao óbito. Depois quer remendar o contrato. Ainda outro, faz distribuição gratuita do jornal chapa branca que custa 1 real, depois apresenta um recibo de que pagou pelos exemplares, documento desmentido pela editoria ante a CEI. E tá todo mundo ai, circulando com a maior cara dura... Será que o MP vai deixar passar essa?

SERIA CENSURA? – O vereador Martim César não gosta de ver este Colunista na Câmara de Pinda. Martim César deu ordem ao diretor da Câmara de Pinda para barrar este eleitor em dia com a moralidade. Martim César fica irritado ao ler neste blog o acompanhamento cidadão da ação civil pública 1000340-62.2014.8.26.0445, em que ele responde pelo uso confesso e indevido da viatura oficial da Edilidade. Acho que Martim César pensa que a Câmara de Pindamonhangaba é propriedade dele (continua confundindo o público com o privado). Pensa que para ter acesso a informações sobre malfeitos que se passam ali é preciso ir lá dentro. Confiro tudo de casa pela internet, nobre vereador.

ESCLARECIMENTO – Devo esclarecer que só ingresso em gabinetes de vereadores de Pinda quando convidado. Mesmo assim, como Advogado. Tempos atrás entrei, a pedido do vereador Cao, para resolver problema dos moradores do PASIM. Fui a Brasília e a São Paulo para conseguir, através de meu amigo Senador Marcello Crivella, a interferência do presidente da Caixa junto à Construtora Transcontinental – devedora hipotecária; que, a seguir, começou a regularizar lotes, depois de mais de 30 anos de luta até então inglória. Fui ao gabinete do Vereador Piorino para apresentá-lo a meu amigo e então deputado estadual, hoje federal eleito, Major Olimpio; em busca de conquistas e segurança para a Cidade. Ingressei a convite do vereador professor Oswaldo para trazer subsídios que permitissem exigir esclarecimentos do prefeito Vito Ardito e do diretor do DNIT quanto ao projeto de ‘rebaixamento da linha férrea’, aprovado e pronto para executar, porém, inerte na gaveta do Alcaide. Vou ao gabinete do humaníssimo vereador Marco Aurélio resolver problemas voltados à saúde. Fui ao gabinete do vereador Felipe César, entre outras coisas, para encaminhar denúncia quanto ao desrespeito aos direitos humanos, praticado pela agência central da Caixa Econômica Federal no município, sem elevador há 3 anos e sem plano de escape para deficientes e portadores de marca passo. Fui ao gabinete do vereador Tuninho da Farmácia, igualmente a convite, para orientar a eleitora dele, Sra. Sânia, sobre procedimento para obrigar a municipalidade a comprar medicação caríssima, sob prescrição médica. E o Sr. vereador Martim César? O quê faz na Câmara, quando não está tomando conta de quem circula nas galerias para ir ao banheiro, dando nome de plantas às ruas da Cidade Jardim, fazendo perguntas repetitivas e desatentas na CEI ou viajando de carro oficial? Abro espaço para que esclareça a seus eleitores... Por favor, não fique sem GRAXA, ou melhor dizendo, sem graça.

ESCLARECIMENTO COMPLEMENTAR – Vereador Martim César, todas as vezes que ingresso na Câmara, e, a convite, mesmo defendendo o múnus público de advogado em prol da cidadania, vou em meu carro e com minha gasolina... Não posso ser barrado, vereador... Pergunte ao presidente da Casa! Sendo Advogado, o vereador Ricardo Piorino conhece ou devia conhecer o art 7º, inciso VI, letra ‘C’ da lei nº 8906, de 04 de julho de 1994 que, aliás, enquanto Conselheiro Federal da OAB ajudei a elaborar e que está em vigor até aqui, verbis: “Art 7º - São direitos do Advogado - VI - ingressar livremente: a) nas salas de sessões dos tribunais, mesmo além dos cancelos que separam a parte reservada aos magistrados; b) nas salas e dependências de audiências, secretarias, cartórios, ofícios de justiça, serviços notariais e de registro, e, no caso de delegacias e prisões, mesmo fora da hora de expediente e independentemente da presença de seus titulares; c) em qualquer edifício ou recinto em que funcione repartição judicial ou outro serviço público onde o advogado deva praticar ato ou colher prova ou informação útil ao exercício da atividade profissional, dentro do expediente ou fora dele, e ser atendido, desde que se ache presente qualquer servidor ou empregado”.

CONCLUSÃO – Vereador Martim César, por mais que respeite sua autoridade, o senhor não tem o direito de impedir minha entrada na Câmara Municipal de Pindamonhangaba, município maravilhoso que escolhi para viver o final dos meus dias, ainda que ao seu desagrado... A propósito, o processo 1000340-62.2014.8.26.0445 que V.Sª. responde pelo uso irregular confesso de veículo oficial para fins particulares foi devolvido pelo MP ao juiz Hélio Aparecido Ferreira de Sena que, serenamente, reflete sobre todas as considerações depositadas nele, garantindo-lhe ampla defesa. Não corre em segredo de justiça. Portanto, as informações contidas nele são públicas, e, com a devida vênia, ingressando ou não na Câmara, continuarão sendo por mim publicadas. Há interesse cidadão do eleitor saber como agem seus representantes. Desculpe!

*José Carlos Cataldi é jornalista, radialista e advogado. Foi fundador da CBN e consultor jurídico da Rádio Justiça do Supremo Tribunal Federal. É detentor da Ordem do Mérito Judiciário – grau de comendador; Atuou nas Empresas Globo, Radiobrás (Presidência da República); TV Rio/Record; Redes Manchete e Brasil de Televisão; foi 4 vezes Conselheiro Federal e Presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB. e-mail: josecarloscataldi@hotmail.coBlog:http://pensandovoce.blogspot.com.

SÓ O “PÓ” DO AÉCIO. DILMA DISPARA

A divulgação de duas pesquisas eleitorais nesta quinta-feira (23) praticamente sepultam qualquer possibilidade de reversão da vitória de Dilma ante os números apresentados.

No Datafolha Dilma tem 53% dos votos válidos, segundo a pesquisa, contra 47% para o presidenciável tucano Aécio Neves.

Torcedoras respondem aos coxinhas que mandaram a
presidenta Dilma "tomar no cu" na abertura da Copa com
um simples "Dilma, vou votar em tu"
O Ibope não pôde esperar o Jornal Nacional para apresentar os resultados de sua pesquisa: 54 a 46% para a presidenciável petista Dilma Rousseff.

A Veja, por sua vez, vem com outra manchete marota, numa tentativa inútil de reverter o resultado eleitoral que se avizinha, com a esperada “repercussão” na falsa notícia pelo JN.

Ambos, a cada dia que passa, mais credibilidade perdem. A audiência do JN despenca e o jornalão global não tem mais a força política de antes.

Mas, como já descrevemos neste blog, "O JOGO SÓ ACABA QUANDO TERMINA", ou seja, Dilma está na frente mais ainda não ganhou o jogo. Não é hora de relaxar.

Ao contrário, o momento é de concentração total nos minutos finais da partida e não dar a menor chance de o adversário crescer.

Política guarda muita semelhança com futebol, mas tenho para mim que o futebol é a representação perfeita do tecido social: a contenda entre dois adversários e as torcidas se digladiando em apoio ao seu time.

Nesta sexta-feira (24) haverá o último debate entre os candidatos Dilma e Aécio, na Rede Globo, às 10 da noite.

Não devo assistir ao embate. Meu voto está definido desde 2010, quando votei Dilma. Não será diferente agora.

O ódio desmedido da direita brasileira contra o PT recebeu outra resposta de torcedores durante os jogos da Copa