Páginas

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

CONFIRA


KALUME
Os taubateanos com idade superior a 45 anos devem se lembrar com alguma clareza do “caso Kalume”, que colocou Taubaté no noticiário nacional por conta da acusação feita pelo médico Roosevelt de Sá Kalume, segundo a qual seus colegas Mariano Fiore Junior, Aurélio de Carvalho Monteiro, Pedro Henrique Torrecilas e Rui Noronha Sacramento foram responsáveis por retirar rins de quatro pacientes ainda vivos.

JULGAMENTO
O caso, de 1986, deve ser julgado no primeiro semestre do próximo ano, segundo informação do Tribunal de Justiça de São Paulo. O inquérito policial, comandado pelo delegado Roberto Martins de Barros (hoje trabalhando em São José dos Campos), levou mais de dez anos e teria comprovado pelo IML (Instituto Médico Legal) que os rins dos pacientes foram retirados quando eles ainda estavam vivos. Os médicos são acusados de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

G1
A notícia do julgamento foi divulgada pelo portal G1, da Globo. Os médicos se defendem das acusações e dizem que foram julgados inocentes pelo CRM (Conselho Regional de Medicina). As informações estão no

LOTADO
Teatro Metrópole lota para assistir espetáculo do Balé Cidade de Taubaté
O Teatro Metrópole ficou lotado na noite de quinta-feira (23) para a apresentação do Balé Cidade de Taubaté. Um espetáculo de alto nível que emocionou a platéia. Pena que a mídia dê pouca atenção aos nossos artistas. No dia seguinte foi a vez da Cisne Negro Cia de Dança se apresentar no mesmo espaço. Outro grande espetáculo.
 
INTERNET
Está circulando pela internet um vídeo com uma entrevista dada pelo deputado padre Afonso ao radialista Antonio Leite, na TV Band Vale. O intervalo da entrevista, que “vazou” recentemente, é comprometedora, pois mostra que as entrevistas feitas pelo radialistas, aquelas em que ele aparece em tom mais agressivo, são armadas.
 
“PALHAÇADA”
Segundo a assessoria do deputado, a entrevista é de 2008, após as eleições municipais. Esse fato é somenos diante do que se vê no vídeo. Recebi, até a manhã de segunda-feira (27), quatro postagens com o vídeo, que não está mais no You Tube, mas pode ser encontrado no site www.vimeo.com/15078211. Ingênuo ou não, padre Afonso aceitou a “brincadeira” no “Antonio Leite Livre”, quando o apresentador comenta com a equipe técnica, no intervalo do programa, que a “briga” foi boa e a cidade inteira comentaria o fato. Um dos emails encaminhado a mim tachava o episódio de “palhaçada”.
 
CREDIBILIDADE
Vai ser difícil ao padre Afonso explicar o que foi combinado, se é que alguma coisa foi combinada. A verdade é que ele pisou na bola e vai ter que se justificar perante o eleitorado. De minha parte, reprovo a atitude do padre no programa e recrimino o apresentador Antonio Leite, cuja característica vem desde os tempos da Rádio Piratininga, em São José dos Campos. Mais uma vez ele come o filé e deixa o osso para os incautos que aceitam ir ao seu programa.

Miguel Kater entrevista diretor da Ciretran de Taubaté, delegado de pollícia Acyr de Almeida, no Conexão Popular
TRÂNSITO
O delegado Acyr de Almeida, diretor da Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) em Taubaté deu entrevista na TV Câmara para falar sobre a obrigatoriedade do uso de cadeirinhas para crianças nos veículos, que considera eficaz para a segurança mas exagerada na punição. O policial disse que cerca de 1,4 mil carteiras de habilitação são suspensas anualmente em Taubaté. A entrevista foi conduzida por Miguel Kater.
 
REMÉDIOS
A Igreja Nossa Senhora dos Remédios, no bairro dos Remédios, recebe nesta terça-feira (28), às 19h30, moradores da região e vereadores para circutirem o projeto de expansão urbana do município, que está em tramitação na Câmara Municipal desde agosto. O vereador Jeferson Campos (PV) garante que a proposta de urbanização feita pela Prefeitura só será votada em plenário depois que as discussões com a população forem esgotadas.

COMUM
Pela segunda vez sou pego no contrapé. Desta vez, ao falar da Revista Comum, lançada recentemente pela Diocese de Taubaté, cunhei a palavra “Comus”. Não vou me desculpar pela falha grosseira que cometi porque sei que Deus há de me perdoar. Obrigado pela correção, Lulu.