Páginas

domingo, 3 de outubro de 2010

TIRIRICA


Quem não é iniciado em política ignora que os deputados menos expressivos, com cadeira na Câmara Federal, pertencem ao que se convencionou chamar de “baixo clero”. São parlamentares sem luz própria, incapazes de pensar com a própria cabeça. São obedientes aos parlamentares do “alto clero”, aqueles que tem liderança e conduzem os votos das bancadas às quais pertencem.
Tiririca, candidato a deputado federal pelo PL, será o maior puxador de voto de seu partido. Ele deve eleger pelo menos mais dois ou três candidatos do PL, pois deverá obter algo em torno de um milhão de votos.
O fenômeno se repetirá com Tiririca, que tem um slogan curioso: “Eleja Tiririca, pior do que tá não fica”. Quem votar em Tiririca, seja por protesto, seja por convicção ou por simples gozação, estará contribuindo para a Câmara Federal piorar seu nível de parlamentares, que é um dos piores do mundo.
O próprio candidato diz que vai arrumar a vida de sua família caso seja eleito. Ele já está eleito e sabe disso. Os dirigentes do PL também. Só o eleitor não percebeu, ainda, que a eleição de Tiririca não é um protesto. É um retrocesso. Ele zomba da inteligência dos brasileiros. O que esse senhor está fazendo é um escárnio.
Não me venham os puristas dizer que ele tem o direito de se candidatar. Sei que tem, mas nós, eleitores, temos o dever de não ajudar a eleger quem está avisando, antes de ser eleito, que pretende avacalhar, mais do que já está avacalhada, a Câmara Federal.
Infelizmente, Tiririca está eleito e vai eleger outros incompetentes como ele, assim como ocorreu com Clodovil e Enéas. Democracia não é eleger um candidato que, diga-se, democraticamente tem o direito de se candidatar. Democracia é votar com responsabilidade, fazer seu voto valer alguma coisa, ajudar a transformar o Congresso Nacional em uma Casa séria, que trabalhe pelo bem comum dos brasileiros.