Páginas

domingo, 19 de dezembro de 2010

BASTA SER HONESTO!

A honestidade não é um dom da natureza, que você recebe ao nascer. Ela é uma virtude/obrigação que você deve cultivar ao longo da vida. Todos nascem honestos e assim deveriam permanecer até a morte.


Porém, a vida é pródiga em nos oferecer oportunidades para que pratiquemos atos desonestos, graves ou leves. Praticá-los, portanto, é uma falha de caráter a que todos estamos sujeitos.


A religião explica, à sua maneira, que essa falha de caráter natural é um “pecado venial” (leve), que é perdoado pelo batismo do indivíduo. É um ato simbólico, que não muda o caráter de ninguém.


O caráter vai se formando no individuo com a educação domiciliar, escolar e social que recebe desde os primeiros anos de vida e as influências dos grupos sociais com os quais passa a conviver partir da idade escolar.


Estes grupos sociais se formam naturalmente, seja na escola, seja na igreja, seja no trabalho. Pode ser a turminha do bairro. Os indivíduos se aproximam por um processo de escolha e afinidade. Ela pode recair sobre grupos políticos, artísticos, religiosos, e de malfeitores. A escolha é individual. A família não encaminha o indivíduo para a marginalidade. É uma escolha pessoal, sobre a qual todos pagam o preço social imputado para cada delito.


A desonestidade campeia em todo o mundo, das mais diversas formas. A corrupção é a mais conhecida de todas. É a ferrugem do poder público. Torna os impolutos frágeis e sujeitos a fazer a vontade dos corruptores.


A fragilidade do caráter humano é que torna possível a existência de corruptos e corruptores. Ambos são desonestos e não cumprem a obrigação primeira do homem.


A desonestidade se manifesta das mais variadas formas. Desde “furar” fila para ser atendido rapidamente, como se a pressa fosse exclusividade do “furão”, à aceitação de propina para fazer ou deixar de fazer algo ou tomar uma atitude que deveria por obrigação de ofício.


A corrupção sempre habitou o mundo político, desde a Grécia antiga. Avançou pelos domínios romanos, atravessou a Idade Média e se espalhou como uma praga pelo mundo recém-descoberto por navegadores portugueses e espanhóis nos últimos anos do século XV.


Se me perguntassem se seria possível acabar com a desonestidade, responderia que não, mas não abrandaria a crença de que o homem é desonesto porque quer, porque não cuida de seu caráter e aceita a desonestidade como algo da natureza humana. Acabar com a desonestidade, portanto, é simples.


Basta ser honesto!