Páginas

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

FELIZ 2011 (Habemus Dilma)

Foi a mais sórdida campanha política de quem se tem notícia na história republicana do Brasil. A Opus Dei, seguimento religioso de extrema direita abrigado pela igreja católica, a mídia e os políticos comprometidos com o Grande Irmão do norte da América, viraram seus canhões para torpedear covardemente uma mulher.

Até o papa Bento XVI, que deveria zelar pela igreja católica, obrigou os bispos do nordeste brasileiro a mentir aos católicos, numa tentativa inútil de influir no resultado do segundo turno da eleição presidencial desse ano, orientando-os a conclamar os fiéis a não votarem em Dilma Rousseff.

O Sumo Sacerdote deve um pedido de desculpas à nação brasileira e, como penitência, rezar cinco mil Ave Maria e pelo menos mil Salve Rainha, em latim e em português. Em alemão não vale porque é a língua dele.

A direita e os entreguistas brasileiros, que tiram os sapatos quando pisam em solo americano a mando de um oficialzinho qualquer do aeroporto, estavam bem ensaiado.


A revista Veja publicava uma “denúncia”, que era imediatamente repercutida pela Rede Globo de Televisão, pelos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo, sem contar emissoras de rádio como a Jovem Pan, CBN e outras menos ouvidas.


O desespero foi tanto, que uma inocente bolinha de papel, dessas que os meninos jogam uns contra os outro quando a professora deixa a sala de aula, num momento de algazarra tão comum nas escolas.


A Rede Globo contratou a peso de ouro Ricardo Molina, que se diz perito em análise de imagens. Molina, com toda a pompa que a reportagem requeria, disse ao Jornal Nacional que a bolinha de papel não era uma bolinha de papel. O objeto arremessado na careca de Serra era um rolo de fita crepe.


Deu o maior crepe porque o SBT mostrou as mesmas imagens, e afirmou que a bolinha de papel era uma inocente bolinha de papel, incapaz de ferir alguém. Para piorar, entre a “bolada” que Serra levou com a bolinha de papel e sua ida ao hospital, passaram-se vinte minutos.


A “decisão” foi tomada só depois que um marqueteiro ligou para o celular de Serra. Menos de um minuto depois de atender ao celular, Serra leva a mão à cabeça, digo, careca. Nenhuma gota de sangue. Nenhum galo sobrou para contar história. E agora? O que fazer?


Serra foi para o hospital. Pensa que ele bobo? Ele foi num hospital particular. Fez até tomografia. Constrangidos pela cena criada pelos marqueteiros de Serra, os médicos não constataram nenhuma lesão no candidato às presidência. Se fossem um teste para trabalhar em Malhação, Serra seria reprovado. É um péssimo ator e um político medíocre.


Dilma soube enfrentar a farsa serrista, que usou até sua mulher, Mônica Serra, para acusá-la de defensora do aborto. Ambos foram desmascarados por uma ex-aluna de dona Mônica, que relatou uma conversa na qual dona Mônica disse ter praticado aborto quando era jovem. Deve fazer muito tempo.

Denúncia pra lá, denúncia pra cá, e nenhuma prova para provar o que a mídia “denunciava”. Os mesmos falastrões de sempre cumpriam, na tribuna do Congresso Nacional, a pauta que a mídia lhes dava para garantir a própria sobrevivência

Na semana do segundo turno da eleição, a Folha “denunciou” maracutaias na licitação para as obras do metrô em São Paulo. O assunto foi repercutido pelos telejornais da Rede Globo. Era uma terça-feira. O segundo turno seria realizado em cinco dias. A mídia havia jogado a toalha. A eleição estava perdida, para eles.

Dilma assume neste sábado, 1º de janeiro de 2011. Será a primeira mulher presidente do Brasil. Uma mulher que ofereceu sua própria vida ao lutar contra o regime militar, que frequentou as masmorras da ditadura e enfrentou torturadores impiedosos para defender seus ideais.


Essa é a mulher que vai nos presidir. Uma mulher que enfrentou a pior das torturas: uma mídia velhaca e um clero comprometido com as elites


Não precisaremos tirar os sapatos para pisar em solo americano, porque Dilma Rousseff não vai se vergar diante dos poderosos. Antes, vai se ombrear a eles.


Feliz 2011!