Páginas

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

TV VANGUARDA

Se você não tem a menor intenção de saber o que acontece bem debaixo do seu nariz, ou nas cidades vizinhas, continue assistindo os jornais locais produzidos pela TV Vanguarda. Eles são de uma futilidade a toda prova.


Neles, você fica sabendo as condições de trânsito na via Dutra, o tráfego de veículos na Tamoios, uma festinha aqui outra acolá, as condições do tempo no Vale do Paraíba e na região bragantina. Nenhuma denúncia. Nada que comprometa o “bom” jornalismo praticado pela Rede Globo, que tem por objetivo desinformar o público e uma programação pronta para alienar quem se arrisca a assistir a “novela das oito” (que, na verdade, começa as nove), o Big Brother e seus personagens sarados, com menos de dois neurônios no cérebro e mulheres com neurônios na bunda, pois é com a bunda que elas pensam.


O vazio do noticiário local da TV Vanguarda só tem paralelo no vazio do noticiário da própria Rede Globo, que encontrou a fórmula para “formar” a opinião pública, apresentando um jornalismo amorfo, que cria uma massa acrítica, incapaz de discernir quais notícias ajudam a formar cidadãos críticos, participativos. A Rede Globo, no entanto, prefere nos alienar, até em seus telejornais. A TV Vanguarda vai atrás. Ela não tem outro caminho.


Um dos exemplos mais recente foi o processo de cassação a que foi submetido o prefeito Roberto Peixoto (PMDB), de Taubaté. Se dependesse da TV Vanguarda, até hoje os moradores da cidade não saberiam o que ocorria nos bastidores da política taubateana. A emissora se limitou a divulgar notas “descobertas”, que são as notícias lidas pelo apresentador do telejornal sem a exibição de imagens referentes ao assunto.


Da mesma forma, a TV Vanguarda limitou-se às notas descobertas sobre a demissão de dois secretários da Prefeitura de Pindamonhangaba. Um, Silvio Serrano, havia sido demitido há pelo menos dois meses, Quem assistiu o Band Cidade, da TV Band Vale, ficou sabendo da demissão de Serrano, bem como das demissões de agora. Se depender da TV Vanguarda, o taubateano vai continuar ignorando fatos políticos importantes. Não vai saber que os casos de corrupção estão sendo apurados com rigor pelas autoridades competentes.


Aliás, para que o taubateano fique sabendo, a mesma empresa contratada pela Prefeitura de Taubaté para a compra de remédios, foi impedida de atuar em Pindamonhangaba graças a atuação do então vice-prefeito João Bosco Nogueira. Em Taubaté deu no que deu. Uma CEI que poderia terminar com a cassação do prefeito Roberto Peixoto (PMDB), mas que a Câmara protelou e não votou.

Deveria se chamar TV RETAGUARDA, pelo menos em jornalismo.