Páginas

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

BIG BOSTA BRASIL


O ex-jornalista Pedro Bial comanda a partir dessa terça-feira, na Rede Globo, um bando de cretinos dispostos a tudo para garantir seus quinze minutos de fama e, quem sabe, um dinheirinho se não for eliminado antes da final, após cerca de 45 dias de confinamento na “casa mais vigiada do Brasil”.

Quem vai chegar na final do Big Bosta Brasil, até a auxiliar da auxiliar de limpeza da “casa” sabe, menos os milhões de brasileiros incautos que pagarão cerca de R$ 0,30 por chamada de celular, mais impostos, para decidir quem fica na “casa”, quando estiver no paredão.

Os milhões de reais arrecadados pela Rede Globo com os telefonemas pagam os prêmios da equipe que trabalha para manter a “casa” em ordem, garantem o pagamento do vencedor do “jogo”, isso mesmo, os produtores do Big Bosta Brasil dizem que seus “meninos” estão disputando um jogo.

Não é um jogo. É um vale-tudo. Para a Rede Globo, ver aqueles cretinos se digladiando, formando grupinhos para prejudicar um ou outro candidato que julguem capaz de vencer, é apenas um jogo. Esta é a mensagem implícita no Big Bosta Brasil. Para alcançar seus objetivos, busque espaço. Derrube e passe por cima de quem está à sua frente. É a lei da vida que o “mundo civilizado” tomou do “mundo dos bárbaros”.

A produção do programa vai colocar um travesti para brigar pelo título de campeão (campeã?) do Big Bosta Brasil 11. Num dos últimos programas foi a vez de um homossexual. Quem sabe nos próximos programas eles colocam um casal homossexual namorando debaixo do edredon?

Já está tudo armado. O second man de Bial, Vinícius Valverde, decorou todas as perguntas que fará para os transeuntes que, com cara de espanto, vão “aparecer” na TV respondendo, com cara de idiota, as perguntas idiotas do second man. Andy Wharol tinha razão quando dizia, há cinqüenta anos, que no futuro todos teriam direito a quinze minutos de fama. Não é que ele tinha razão? O futuro é agora.

Ah!, antes que me esqueça: as torcidas já estão contratadas, as famílias preparadas para chorar quando o diretor do programa mandar e os figurantes passarão perto de Vinícius Valverde, em algum lugar do Rio, para serem pegos de “surpresa” pelo second man e falarem qualquer asneira para os “jogadores”.

Quando o brasileiro vai trocar o Big Bosta Brasil por outro programa ruim? Se bem que achar algo pior que o BBB é praticamente impossível em nossa programação televisiva. Em todo caso, não custa tentar.