Páginas

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

JOFFRE NETO NÃO PRESIDE MAIS O COMUS

COMUS
O ex-vereador Joffre Neto não é mais presidente do Comus (Conselho Municipal e Saúde) Taubaté, pelo menos desde sexta-feira (28 de janeiro). Joffre está à procura de um advogado “corajoso” e “generoso” que assine um mandado de segurança que ele está preparando para impugnar o que chama de “chapa branca” que assumiu o Comus e teria entre seus membros um representante do gestor, no caso a Prefeitura, o que a lei proíbe.

BRINCADEIRA
A presidência do Comus, agora, é ocupada por Pai Alessandro, funcionário celetista da Prefeitura para exercer atividades culturais. Sua eleição para a presidência do Comus significa que a Prefeitura vai interferir diretamente no conselho. Ou Pai Alessandro entende muito de saúde ou desconhece a situação do pronto-socorro de Taubaté, motivo de dezenas de críticas de vereadores na Câmara Municipal.

INCONFIDÊNCIA
Uma pessoa ligada ao Comus me disse que houve compra de votos, mediante ajuda para uma possível candidatura a vereador nas próximas eleições. O mesmo personagem me disse que o secretário de Saúde, Pedro Henrique Silveira tentou cooptar Joffre Neto, prometendo-lhe a administração do Pronto Socorro. O conhecido Gatinho teria testemunhado o “convite”.

APOSENTADOS
Valter Espíndola, representante dos aposentados no Comus, queria que Joffre Neto, com uma manobra eleitoral, barrasse a participação do Sindicato dos Aposentados, ligado à Força Sindical, no Comus.

CARTA ABERTA
Joffre Neto divulgou, por email, uma carta aos conselheiros e cidadãos taubateanos sobre a eleição no Comus, ocorrida no último dia 28 de. O email enviado mim no sábado (29), está reproduzido abaixo, sem edição.

“Senhores Conselheiros e Cidadãos Taubateanos,
Ontem tivemos, como previsto, uma noite de circo e autoritarismo na posse dos novos Conselheiros da Saúde.
Começou pelo mandonismo e má-educação do dito “secretário” de Saúde, o médico Pedro Henrique da Silveira, que com voz exaltada pretendeu comandar a reunião -  sem mandato de quem quer que seja, pois não ocupa cargo eletivo (aliás nunca foi eleito para nenhum cargo político, embora tentasse, e muito).
Secretario só fala no Conselho depois de pedir licença.
Iniciou o “secretário” relatando crime de improbidade administrativa ao dizer que foram aprovados 792 cargos na Câmara para sua “secretaria” – sem ter sido ouvido o COMUS como determina a Lei 177/07.
Em seguida, quis “nomear”, como se tivesse poder para tanto, um outro apaniguado de Roberto Peixoto, o Honesto, para comandar a reunião. O escolhido foi Jacir Cunha. O Regimento Interno os impediu e desmoralizou a ambos.
Deu-se então o circo.
Dúzias de funcionários e cupinchas foram convocados pela Prefeitura para participar da reunião, em suposto reforço às supostas ameaças de demissão que o “secretário” teria feito (certamente isso é boato, não é mesmo?). O mais assanhado e agressivo dos serviçais era um tal de Álvaro Pereira, médico da Prefeitura, que se esforçava em mostrar serviço ao capo.
Os preparativos foram intensos. Ainda esta semana o “secretário” foi até ao Hospital Regional cabalar votos para Pai Alessandro, candidato oficial. A tônica seria: “qualquer um menos o Joffre Neto”.  Palavras idênticas foram atribuídas na internet ao Coronel da FUST, o Isnard.
Que honra! Minha dignidade cresce ao quilate inverso dos meus adversários. 
O que temem tanto em mim?
O máximo que faço é denunciar corruptos e fraudadores genocidas de compras de medicamentos, e claro, Peixoto, o Honesto,  e Pedro Henrique, o Exemplar, não estão entre eles, muito menos Coronel Isnard, o Eficiente.
Prosseguiu a farsa. Sob o olhar estupefato de cidadãos que esperavam um reunião de qualidade, dividiram-se, de um lado, apaniguados ansiosos em aparecer e, de outro, funcionários intimidados e envergonhados, que trocavam olhares e asseguravam: “se o voto for secreto, não votamos no candidato da Prefeitura”.
Claro que isso foi previsto e mais um prestador de serviços ao chefe, o destemido e independente dentista Gobbo, que não por acaso foi nomeado diretor na semana passada, comandou a claque para derrubar a proposta.
O desconforto dos funcionários, que já era imenso, pela imposição de um nome que não escolheram, aumentou exponencialmente quando o candidato do Prefeito, Alessandro Machado, proclamou que era “celetista” (de onde mesmo?) e prometeu praticar no Conselho o mais eficaz “assistencialismo” (em breve no youtube). Pasmo geral, comoção entre as assistentes sociais presentes e demais pessoas esclarecidas ante expressao tão cabeluda, exposta assim, despudoradamente, em horário impróprio.
Frente tal barbaridade, nos retiramos e vamos recorrer ao Judiciário.
Diga-se, por fim, que aos serventes do capo juntaram-se trânsfugas de última hora. Mas creio que são recuperáveis, pois demonstraram tal vergonha por trair um amigo que não conseguiam levantar os olhos.
Dormi eu leve, em paz, com a certeza de ter combatido o bom combate. Não preciso vencer, principalmente em jogos fraudados, mas combater com dignidade. Já aqueles (trânsfugas) ... certamente não conseguiram se fitar no espelho do banheiro antes de dormir. Ou não!, se o estado de deterioração de princípios já tiver ultrapassado o limite dos “amigos de verdade”.
Cordiais saudações republicanas!
Viva a democracia!
Viva a dignidade!
Cons. Joffre Neto

INTELIGÊNCIA
A nova Secretaria dos Transportes do governo paulista é comandada pelo ex-secretário de Segurança Pública do próprio Geraldo Alckmin (PSDB), quando este governou São Paulo no período 2003/2006. Trata-se do procurador de Justiça Saulo de Castro Abreu

ARAPONGA
Saulo de Castro Abreu terá as companhias do coronel da PM João Cláudio Valério na direção do DER, depois de trabalhar durante muito tempo no Batalhão de Choque da PM. Laurence Casagrande Lourenço, ex-araponga da Kroll, vai chefiar o Dersa. O objetivo?

OJETIVO
O ex-araponga terá a incumbência de analisar todos os contratos feitos pelo Dersa, que era gerido por Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, acusado de desviar dinheiro que seria da campanha para a presidência da República de José Serra, mas essa é outra história. O que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) quer, no fundo, é desconstruir a imagem de Serra junto à grande imprensa. Por isso os tucanos estão se engalfinhando.

DESTAQUE
Paulo Preto, nascido em Taubaté, acabou se destacando na campanha presidencial de 2010 por ter sido acusado de desviar dinheiro da campanha e Serra. Ele reagiu, magoado, às acusações e ao abandono a que foi submetido pelo então candidato tucano à presidência.