Páginas

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

CONFIRA

TEIMOSIA O prefeito Roberto Peixoto (PMDB) insiste em cutucar a onça com vara curta. A onça, no caso, é o Ministério Público, que exigiu a demissão de Luciana Peixoto, primeira-dama de Taubaté, e do genro Anderson da Silva Ferreira. Ambos em 2009. No finalzinho de 2010, a Câmara aprovou a criação de secretarias, em vez de diretorias, na estrutura administrativa da cidade. Foi a senha para Peixoto nomear a mulher e o genro secretários.


“BANANA”
O prefeito de Taubaté está se fingindo de morto. Ao nomear Luciana Peixoto e Anderson da Silva Ferreira como secretários de Desenvolvimento Social e de Turismo e Cultura, respectivamente, Peixoto dá uma “banana” para o Ministério Público. Ele sabe muito bem que não pode nomear parentes em cargos de confiança. Se bem que a lei é falha e não veda nomeação de parentes para cargos de primeiro escalão.


NEPOTISMO
Assim como Peixoto encontrou uma brecha na lei que possibilitou as nomeações de Luciana Peixoto e de Anderson da Silva Ferreira, suas mulher e genro, respectivamente, com salário de R$ 8,6 mil cada um, a saúde continua precária, o PSF não funciona e o atendimento no pronto socorro é precaríssimo, sem contar a falta de remédios que é assustadora. É nepotismo puro. Agora é a vez do Ministério Público se mexer.


“CAPACIDADE”
Peixoto disse que seguiu critérios técnicos para nomear sua mulher e seu genro. Será que Taubaté, com quase 300 mil habitante, que tem faculdade de Serviço Social, não tem ninguém para assumir a Secretaria de Desenvolvimento Social?, Ou a Pasta de Turismo? Diz o ditado que em terra de cego quem tem um olho é rei. Pelo jeito, são todos cegos em Taubaté. Alô, alô, Ministério Público! Vamos agir em nome da moralidade administrativa. O prefeito pensa que a Prefeitura e pode colocar sua família inteira lá.


CASSAÇÃO
A Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara de Pindamonhangaba recomenda a abertura de processo de cassação do prefeito João Ribeiro (PPS) por “omissão” diante das denúncias de corrupção em seu governo, que envolviam o secretário de Finanças Silvio Serrano, demitido em novembro do ano passado. O relator da CEI foi o vereador Ricardo Piorino (PPS).


PIPOQUEIROS
O prefeito João Ribeiro (PPS) atribui a Paulo Ribeiro, cunhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), a função de lobista para a Home Care, empresa que comprava remédios para a Prefeitura de Taubaté, que acabou gerando uma CEI na Câmara Municipal de Taubaté. Aqui como em Pinda, onde a Verdurama entrou por lobby de Paulo Ribeiro, os vereadores pipocaram e desconsideraram as apurações das respectivas CEI.


CONFIRMAÇÃO
Há quem afirme que Silvio Serrano confirmou, na Justiça, as denúncias feitas pelo ex-prefeito João Bosco Nogueira em 2006, na CEI aberta pela Câmara de Pinda naquele ano. A verdade é que o círculo de fogo está se fechando em torno e João Ribeiro. Os ratos, para variar, estão abandonando o navio.


RACHADURA
As galerias de águas pluviais da rua Antonio Camilher Filho, no bairro da Independência, pode ser a causa das trincas e rachaduras nos imóveis da rua. A Prefeitura prometeu averiguar. O pedido é do vereador Rodrigo Luís Silva, Digão (PSDB)


SILÊNCIO
O vereador Alexandre Villela (PMDB) quer acabar com o som alto, após as 22 horas, nos bares e igrejas da cidade. Villela afirma que um bar que um bar na rua Professor Moreira e uma igreja na rua Dr. Mário Paolucci, no Jardim Jaraguá Novo, são pontos onde há barulho excessivo.