Páginas

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

ORTIZ JR ESTÁ EMPREGADO

EMPREGADOS
O ex-candidato a deputado estadual pelo PSDB, José Bernardo Ortiz Junior, está empregado. Vai trabalhar no gabinete do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Seu pai também se arrumou. Vai fiar na área da educação. Pode ser  que ainda haja tempo para colocar no currículo das escolas estaduais uma matéria sobre monarquia

CAMPANHA
Você já deve ter percebido que os 30 mil votos obtidos por Junior em sua campanha para a Assembléia Legislativa valeram-lhe um belo emprego, de onde poderá trabalhar por sua candidatura a prefeito de Taubaté, com o apoio explícito do governador Geraldo Alckmin, e implícito de seu pai, o ex-prefeito José Bernardo Ortiz.

HERDEIRO
Junior é o herdeiro natural do espólio político de Bernardo Ortiz. Perdeu a última eleição para prefeito de Taubaté, mas foi bem votado para deputado estadual, obtendo 21,1% dos votos taubateanos

DIFERENÇA
O apoio de 30,34% dos eleitores ao deputado reeleito Padre Afonso Lobato (PV), tem pouco significado quando o assunto for eleição municipal. A diferença de cerca de 50% dos votos a seu favor nas eleições gerais, não significa que ela se manterá na eleição municipal de 2012.

APOIO
Padre Afonso precisaria do apoio do governo do estado à sua possível candidatura a prefeito de Taubaté. Com a nomeação de Júnior Ortiz para trabalhar no gabinete do governador, padre Afonso pode esquecer o apoio de Alckmin à sua candidatura.

DESGASTE
Padre Afonso saiu muito desgastado da última campanha eleitoral. Fez muitos inimigos políticos e teve sua relação com o vereador Henrique Nunes (PV), ex-candidato a deputado federal, desgastada. Henrique Nunes, que poderia ser um reforço na campanha e padre Afonso, pode se transformar numa grande dor de cabeça para o PV taubateano, que sucumbiu ao governo tucano e hoje é um mero coadjuvante na Assembléia Legislativa.

PRETENSÃO
O PV pretende lançar candidaturas próprias em pelo menos vinte municípios do Vale do Paraíba. Como coordenador do PV regional, padre Afonso teria que assistir os candidatos do partido em outros municípios. Isto pode significar o afastamento voluntário de sua própria campanha a prefeito de Taubaté. É uma situação semelhante à do cobertor de pobre: se cobrir a cabeça descobre os pés. Se cobrir os pés, descobre a cabeça.