Páginas

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

JACIR, O ASSESSOR DE PEIXOTO

INSIGNIFICANTE
Graças ao “acessor” político do prefeito Roberto Peixoto (PMDB), Jacir Cunha, que um dia foi gerente de Planejamento da Prefeitura de Taubaté, e mantinha em seu escritório, debaixo das frondosas árvores do pátio interno do Palácio Bom Conselho, seus contatos políticos, descobri que sou “insignificante”. Ele ficava o dia inteiro no pátio porque não tinha o que “planejar”.

BAJULADOR
Para defender seu chefe, Jacir Cunha é o homem do prefeito que dá a cara para bater quando a imprensa busca uma resposta oficial para os problemas que acontecem na cidade. Ele aparece como a tábua de salvação de Roberto Peixoto. Por isso foio gerente de Planejamento da Prefeitura. Gostaria muito de conhecer, para fotografar, uma obra apenas que tivesse sido planejada por Jacir Cunha. Se alguém souber, por favor, me ajude.

LOCOMOTIVA
Jacir, que não tem vocação para locomotiva, está perdendo a presidência do PMDB de Taubaté para o ex-deputado Ary Kara. A informação, dada por este blog há pelo menos dez dias, foi, digamos, parcialmente confirmada pelo próprio Ary Kara, quando perguntei ao ex-deputado quando ele assumiria a presidência do PMDB taubateano.

VAGÃO
Ary, como uma velha raposa política, desconversou. “O Jacir é um bom companheiro”, limitou-se a dizer. A morte de Quércia deixa o caminho aberto para Michel Temer, atual vice-presidente da República, e ex-presidente nacional do PMDB, organizar o partido à sua feição. Isto significa fortalecer o PMDB xcom nomes fortes. Ou seja, quem nasceu para ser vagão, jamais será locomotiva.

GRANVALE
Aliás, o “acessor” político do prefeito Roberto Peixoto pode se preparar para saciar a curiosidade da imprensa, pois ela vai querer saber quem autorizou a Prefeitura a movimentar homens e máquinas para asfaltar o pátio interno de uma empresa particular (Granvale), conforme denúncia feita pelo vereador Rodrigo Luís Silva, Digão (PSDB).

DESCULPA
Jacir, não vale desculpa esfarrapada, do tipo, “a empresa vai ressarcir a Prefeitura”. Não fosse a denúncia do vereador e a consequente divulgação por alguns órgãos de imprensa, a pavimentação ficaria de graça para a empresa, paga com dinheiro público. Taubaté tem uma infinidade de rua precisando de pavimentação. Explique para quem pede a melhoria por que a Prefeitura não faz, e quando faz, cobra.

DESAGRADECIDO
Sou um sujeito mal-agradecido, na concepção do presidente do PMDB local e “acessor” político do prefeito Roberto Peixoto Ele me acusa de fazer críticas ao prefeito. A miopia política de Jacir Cunha entende que a concessão de uma bolsa de estudo à filha deste jornalista, era, na verdade, um “cala a boca”.

ATENDIMENTO
Roberto Peixoto, ao conceder a bolsa para minha filha, deve ter levado em conta que nos conhecemos desde os tempos de quartel, pois servimos o Exército em 1970, em Pindamonhangaba. Eu, na 2ª Cia, ele, na CCS. Não conversamos sobre política. Minha filha, assim como os outros três mil ou quatro mil alunos da Unitau que moravam em Taubaté na época, tinha o direito de pedir uma bolsa de estudo. E pediu.

MEIAS-PALAVRAS
Não sou homem de meias-palavras nem mando recado nas entrelinhas. Vou direto ao assunto. Jacir sabe que as notinhas que publiquei no CONFIRA são reais. Por serem reais, ele deve ter gasto muitas horas para “planejar” uma resposta a este “insignificante colunista”. Só não sei se o texto é da lavra do “acessor” político da Prefeitura, pois está bem redigido.