Páginas

quinta-feira, 31 de março de 2011

MERENDA ESCOLAR OU FOME DE CORRUPÇÃO?

(Saiba o que Fernando Gigli disse ao Ministério Público sobre Roberto e Luciana Peixoto e a turma do Bom Conselho)


O Ministério Público está investigando possíveis irregularidades no fornecimento de merenda escolar nas escolas públicas municipais de Taubaté, que estariam sendo superfaturadas para cobrir um esquema de propina pagas ao prefeito Roberto Peixoto, que teve o sigilo bancário quebrado por ordem judicial, à primeira-dama Luciana Peixoto e outros menos votados.

O inquérito corre sob sigilo, mas sabe-se que Peixoto está sendo investigado porque teria recebido propina da fornecedora de merenda escolar em Taubaté, a EB Alimentação. Outro inquérito investiga superfaturamento no fornecimento da merenda escolar porque a EB Alimentação teria patrocinado um jantar de gala para Luciana Peixoto e suas convidadas.

Depois de tirar comida da boca dos estudantes da rede pública municipal, a primeira-dama taubateana foi engenhosa. Durante um determinado período, a Secretaria de Educação teria sido obrigada a emitir documentos informando que a EB Alimentação fornecia um determinado número de merendas quando, na realidade, o número era menor.

O Ministério Público de Taubaté agiu na moita. Fez várias requisições sobre o fornecimento de merenda escolar, comparou os preços, fez contas, não fez alarde e pegou a turma da corrupção com a boca na botija. Não escapou ninguém. Os nomes dos envolvidos não foram revelados até agora, pois se trata de segredo de justiça.

Este blog, porém, enxerido que é, tem a declaração de Fernando Gigli dada ao Gaeco, em São Paulo, em maio de 2009. É leitura imprescindível para quem se interessa pelos porões da administração municipal e pretende dedetizar em 2012 o Palácio do Bom Conselho.

Gigli conta detalhes do esquema de corrupção que só quem tinha conhecimento e participava da trambicagem poderia saber. Ele confunde alguns nomes quando se refere a jornalistas que queriam fazer matéria sobre as denúncias que fez ao MP.

Isto, no entanto, não invalida a declaração do ex-chefe de Gabinete do prefeito Roberto Peixoto, Fernando Gigli, velho frequentador de sua residência na rua do Café e responsável pelo transporte de verbas não contabilizadas, digamos assim.

PINDAMONHANGABA

Aqui do nosso lado, na vizinha Pindamonhangaba, o esquema de corrupção derrubou um secretário (Silvio Serrano), envolveu o cunhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Ribeiro, cujo nome, mais cedo ou mais tarde poderá aparecer nas investigações que se desenrolam em Taubaté.

Para o amigo leitor não ficar curioso sobre o que ocorre com as investigações nas outras cidades, nas quais a merenda escolar é o prato principal no esquema de corrupção, clique aqui para saber sobre a prisão do ex-prefeito de Jandira, Paulo Bururu (PT).

Se preferir, ou se tiver um tempinho sobrando, clique aqui para saber como se deu a investigação em Alagoas e quem foi parar no xilindró.

Não se aborreça, amigo, a hora de Taubaté vai chegar. Tem muita gente que vai tomar café de canequinha. Por enquanto, aguardamos na fila.