Páginas

quinta-feira, 28 de abril de 2011

DEBATE NA DIFUSORA TERMINA EM "BARRACO" DE PROTAGONISTAS

Uma pena que não se podia ouvir o que diziam os protagonistas do debate promovido pelo programa “Taubaté Urgente”, durante os intervalos.

Era justamente nos intervalos comerciais que o debate esquentava, com trocas de acusações entre as partes e desafios para que as questões suscitadas fossem repetidas no “ar”, isto é, com o microfone ligado, quando os ouvintes poderiam ouvir (desculpem o pleonasmo) o que os debatedores estavam dizendo um do outro.

Foi num desses intervalos, já no final do programa, que Eloi Barbosa, diretor de compras da Prefeitura de Taubaté, literalmente tomou das mãos de Joffre Neto a câmera com a qual ele filmara o próprio Elói momentos antes.

Eles não chegaram às vias de fato por interferência do apresentador Pedro Luiz Belisque, que apartou os brigões no momento da “desinteligência”, como seria chamado o entrevero se a PM fosse acionada para conter os ânimos que foram se exaltando ao longo do programa.

“Eles (representantes da Prefeitura) agora estão partindo para a agressão física”, bradava Joffre Neto ao microfone da Difusora, enquanto anunciava que iria à Polícia registrar boletim de ocorrência sobre o fato.

O epílogo do debate foi melhor do que o ex-vereador Joffre Neto poderia imaginar. O time mandado à Difusora pelo prefeito Roberto Peixoto (Jacir Cunha, Cabrito, Adair Loredo e outros) apelou. Era o que Joffre precisava para transformar em escândalo um debate que poderia ser esclarecedor.

O debate começou com o assessor de Gabinete Jacir Cunha respondendo as denúncias feitas pela ONG Transparência Taubaté. Num debate público, Jacir seria engolido pelo ex-vereador Joffre Neto, que não precisaria nem mastigar.

Adair Loredo tentou, educadamente, responder as denúncias feitas pela Transparência Taubaté. Enquanto ele falava, Joffre desdenhava das respostas do secretário de Governo da Prefeitura.

Entre um intervalo e outro, Cabrito e Joffre trocavam farpas. Cabrito prometia revelar como foi a administração de Joffre enquanto presidente da Câmara Municipal de Taubaté. Joffre respondia afirmando que falaria sobre a participação de Cabrito no Sindicato do Metalúrgicos de Pindamonhangaba.

De útil, Adair Loredo anunciou que o prefeito Roberto Peixoto está instalando uma sindicância interna para apurar como foram divulgados, “de forma equivocada”, os dados das compras feitas de Alexandre Carolino ME.

As explicações não foram convincentes. Se somarmos a isso o desdém de Joffre com as respostas de seus oponentes, o debate só podia mesmo terminar em barraco.

No mais, quero tornar público meu contentamento com o debate promovido pela Difusora e cumprimentar particularmente Pedro Luiz Belisque e Tiago Martins pelo bom trabalho jornalístico.