Páginas

quinta-feira, 28 de abril de 2011

JOFFRE E LOREDO DUELAM NA DIFUSORA NESTA QUINTA (28/04)

Os times estavam escalados. Porém, de última hora, o prefeito Roberto Peixoto (PMDB) teve que alterar sua equipe.

Ele teria sacado na tarde de ontem (27/04) o assessor de gabinete Jacir Cunha e escalado no time principal o secretário de Governo Adair Loredo.

A Transparência Taubaté mantém Joffre Neto no time titular para o debate que deverá ser apresentado nesta quinta-feira (28/04) pela Rádio Difusora AM, ao meio-dia, que pode ser sintonizada nos 570 KHz.

O programa será conduzido pelo radialista Pedro Luiz, com participação do repórter Tiago Martins.

Em pauta, a denúncia feita ao programa CQC, pela Transparência Taubaté, sobre compras esdrúxulas e superfaturadas feitas pela Prefeitura de Taubaté.

Os dois times prometem jogar no ataque. Joffre Neto, pela Transparência Taubaté, disse que vai munido de documentos para provar ao zagueiro da Prefeitura que houve superfaturamento nas compras municipais.

Adair Loredo, do time da Prefeitura, deve começar o jogo, digo, debate, na retranca. Vai sondar o terreno e tentar as jogadas de contra ataque.

Se o debate acontecer em termos civilizados, o jogo já tem um vencedor: os ouvintes da emissora e os eleitores taubateanos.

Quero aproveitar a infinita paciência do meu amigo de tantas jornadas esportivas Pedro Luiz e sugerir-lhe uma pergunta, uma só.

Pergunte onde fica a hípica da Prefeitura ou o curral onde são guardadas as novilhas que ela por certo deve criar. Afinal, são quinze toneladas de ração animal. O que estão fazendo com tanta ração?

Quero fazer uma ressalva aqui: um leitor comentou que a Prefeitura tem um Centro de Controle de Zoonose (CCZ) e seria perfeitamente razoável  o consumo de quinze toneladas de ração para cavalo.

Ainda assim tenho minhas dúvidas. Tem tanto cavalo apreendido assim em Taubaté?

Caro Pedro Luiz, aproveitando sua boa vontade, pergunte também porque foram adquiridos 28 fornos de microondas, tinta látex, bucho, isto mesmo, bucho, caneta, papel almaço, bolacha, lingüiça, chá e tantas outras coisas, tudo em um só lugar, que nem é supermercado.

Pede para explicarem, em nome da Prefeitura, essas anomalias. Este debate não perco por nada desse mundo. Aliás, vou gravá-lo.

Clique aqui para ver  a lista das compras feitas pela Prefeitura e Marcolino que, aliás, está proibido e vender para a Prefeitura da nossa vizinha Pindamonhangaba.