Páginas

sábado, 30 de abril de 2011

MANDE MATAR SUA FILHA

Se você estiver, distraidamente, assistindo ao telejornal ou folheando um livro e se assustar quando o celular tocar, não se preocupe. Você é um sujeito normal.

Todo mundo se assusta com o celular tocando freneticamente, inda mais se você estiver, naquele momento, “desligado” do mundo.

Imagine que isso aconteça num sábado à noite. A patroa foi visitar a mãe, sua filha foi à casa da melhor amiga e seu filho saiu para putear, o que, por certo, o deixará orgulhoso. Mas, voltemos ao telefonema.

Você não prestou atenção que a ligação era de um número “desconhecido”. Ou seja, o telefonema não deve ser de pessoa conhecida.

Despreparado para aquele momento, você ouve uma voz feminina gritando nervosa.

- Pai, me ajuda pai! Eles me pegaram pai! Estou mal, pai!

Você fica aturdido por uns momentos. Sem saber o que fazer, balbucia um “alo” sem a menor convicção. O silêncio se faz.

Você está confuso. Nem se lembra mais do tom da voz da sua filha quando ela está nervosa por qualquer motivo.

Uma voz masculina fala ao celular.

- Meu amigo, calma. Vamos resolver tudo com calma. Fomos assaltar sua filha, ela reagiu e tivemos que sequestrá-la.

- O que, aonde foi isso? Você não está raciocinando direito. Confuso, nem se lembra de perguntar o nome da moça sequestrada para conferir a informação.

O homem insiste. Pede calma e a sua atenção. Você está embasbacado, tenta manter a calma, pergunta o que está acontecendo.

A voz masculina repete que sequestrou sua filha. Você corta a fala educada do interlocutor e quer saber onde ele pretende.

A conversa já dura mais de um minuto e você vai pagar a conta, pois aceitou uma ligação a cobrar. Enquanto trocava informações com a “voz masculina”, você pensa: “o que fazer agora?”

Como a conversa começa a se alongar, você percebe que está sendo vítima de um golpe. Este tipo de golpe está se tornando corriqueiro em nossa crônica policial.

Nesse caso, não tenha dúvida, MANDE MATAR SUA FILHA. Quem vai se assustar com a reação inesperada é o bandido.

Espere passar alguns minutos e ligue para a sua filha. Ela vai te atender.

Escrevi esta crônica porque nos últimos dias este tipo de golpe tem ocorrido às dezenas em nossa região. Tentaram aplicar o golpe em mim essa semana.

Quando disse ao bandido que podia matar minha filha, quem se assustou foi ele e desligou o telefon. Esperei alguns minutos, já era quase meia-noite de quarta-feira. Ela atendeu  me disse que estava na estrada, retornando de Belo Horizonte. Respirei aliviado.

Em um sequestro real, o sequestrador não fica mais de quinze segundos no telefone para pedir resgate.

As conversas são rápidas para que o telefone de origem não seja rastreado. Portanto, se ligarem a cobrar para anunciar um sequestro, pode ficar tranqüilo. NÃO ACONTECEU NADA.