Páginas

segunda-feira, 18 de abril de 2011

NASCIMENTO, O DISCIPULO DE SALLES

O professor João Salles, de quem tive a honra de ser aluno na Faculdade de Direito de Taubaté, sempre foi considerado por seu aluno Antonio Benedito Nascimento, dono de uma inteligência brilhante.

O destino me fez alunos dos dois, João Salles e Nascimento, na mesma Faculdade de Direito, que não concluí por razões particulares.

João Salles foi meu professor de Medicina Legal, no primeiro ano de faculdade, embora não fosse médico. Tive boas notas com ele.

Tenho boas lembranças das aulas do professor Nascimento, aos sábados. Éramos mais de sessenta alunos numa sala de dependentes na matéria de Introdução ao Estudo de Direito.

Fui aluno aplicado do professor Nascimento, irmão caçula da professora Cidinha Nascimento, do Chicolão e do Zé Epifânio. Gente da Vila Aparecida.

Lembro-me de ter visto o professor Nascimento, dezenas de vezes, estudando no ônibus da Pássaro Marron na curta viagem de São José dos Campos a Taubaté.

Enquanto os passageiros preferiam conversar entre si ou cochilar durante a viagem, Nascimento acendia a luz do passageiro e avidamente se entregava à leitura.

Quando o tive como professor, Nascimento convidou-me à sua casa, perto do Estadão. Queria me apresentar à sua biblioteca particular. Havia cerca de cinco mil livros catalogados, todos lidos pelo mestre.

Foi no começo dos anos noventa que Nascimento me disse que estudava alemão e pretendia fazer Direito Internacional.

Tantos anos se passaram e hoje, com certeza, Nascimento estuda Immanuel Kant, Fustel de Coulanges e outros filósofos na língua original, como se estivesse lendo uma obra de Lobato, que por sinal estaria aniversariando nesta segunda-feira (18/04), se vivo fosse.

Quero me juntar ao vereador Carlos Peixoto (PMDB), que faz uma justa homenagem ao agora desembargador Antonio Benedito Nascimento, um homem simples, oriundo de uma família humilde, de um bairro humilde de Taubaté e que agora é desembargador, por merecimento.

A Câmara Municipal de Taubaté deveria prestar uma homenagem mais contundente ao jurista taubateano.

Antonio Benedito Nascimento não é só desembargador. É um gênio!