Páginas

segunda-feira, 16 de maio de 2011

RENÚNCIA É SAÍDA HONROSA



Caro prefeito Roberto Peixoto, você não tem mais saída. Por puro orgulho você se sustenta no poder, à custa do sacrifício de sua família. Seus filhos não podem mais andar nas ruas de cabeça erguida, nem receber amigos em casa.

Os “amigos” que por acaso ainda frequentam sua residência, ou são bajuladores ou empregados nomeador por você na Prefeitura. O interesse dessa gente não é a sua manutenção no poder. É a garantia da “boquinha” que eles perderão se você renunciar.

Para você será uma saída honrosa, mas para seus “amigos” será uma decisão péssima.

Antes de pensar nos seus “amigos”, pense na herança política deixada por seu pai, Moacir Peixoto, que honrou esta terra quando foi vereador e presidente da Liga Municipal de Futebol de Taubaté.

A honra de um homem se mede pelos seus feitos. Um homem honrado é aquele que cumpre com os seus deveres, que age com honestidade e respeita as pessoas.

Você, Roberto Peixoto, não está cumprindo com seus deveres. A cidade está entregue às moscas, literalmente, a saúde pública foi abandonada. Você não está sendo honesto consigo mesmo nem com seus familiares. Você descuidou do patrimônio público.

Roberto, a população taubateana não o quer mais na Prefeitura. O descontentamento popular é manifestado nas ruas, nas passeatas, nas redes sociais.

Você sabe que a Câmara ficou lotada na quarta-feira (11/05) da semana passada quando os vereadores aprovaram por quatorze votos a zero o pedido de instalação de comissão processante para cassar seu mandato?

Claro que você sabe. Seus assessores mais próximos tentaram intimidar um ou outro manifestante. Vocês levaram para a Câmara pessoas simples, que mal sabiam onde estavam e o que faziam naquele lugar. Sua manobra não funcionou.

Vi pela televisão sua entrevista coletiva. Você passou o tempo todo falando em honestidade, que não há nada errado nas contas públicas municipais. Fiquei pensando: “Será que ele  acredita no que acabou de dizer?” Creio que não, Roberto.

Quero te lembrar que na matéria divulgada pelo Fantástico, um dos promotores disse na entrevista que há fortes indícios de corrupção em seu governo.

Para bom entendedor meia palavra basta, e você é bom entendedor. Se o promotor disse o que disse e a Rede Globo divulgou o que divulgou, é porque a investigação está concluída.

Antes de encerrar, quero te lembrar que neste ano já tivemos a renúncia do ditador tunisiano Zine Al Abidini Ben Ali, dia 14 de janeiro, e do presidente do Egito, Hosni Mubarak, dia 11 de fevereiro. Foi pelas redes sociais que a população se mobilizou e derrubou a ambos, mais ou menos como acontece hoje em Taubaté.

Se você der uma olhadela no Facebook, na página “Taubaté de Peixoto”, não se assuste. Lá todo o mundo pede sua cassação.

Antes que me esqueça: Fernando Collor renunciou no dia 2 de outubro de 1992, há quase vinte anos, portanto,  antes de ser cassado pelo Congresso. Naquela época não havia redes sociais como hoje. A pressão popular foi enorme e não duvido nada que você tenha sido um dos manifestantes contra Collor. Collor estava isolado, e renunciou.

Outro detalhe, Roseane Collor, mulher do então presidente, estava envolvida até a raiz dos cabelos nos casos de corrupção que partiam da Casa da Dinda. Qualquer semelhança com os fatos atuais taubateanos não é mera coincidência.

Note que há muita semelhança entre você e Fernando Collor: uma matéria forte na Rede Globo, a manifestação popular pela sua cassação e a renúncia do ex-presidente.

Pense na honra da família Peixoto. Não espere a Polícia Federal bater à sua porta. Vai ficar muito chato.

A renúncia, repito, é uma saída honrosa.