Páginas

segunda-feira, 27 de junho de 2011

O "POBREMA" É DONA "PEICHOTO"

Os últimos acontecimentos políticos em Taubaté são reveladores. Quem manda é dona Peichoto (com CH). Como menino obediente, o (ex?) prefeito Roberto Peixoto obedece sem pestanejar. 

POLÍTICA 
Política se faz com uma sucessão de reuniões, acordos (não necessariamente espúrios), apoios recíprocos, promessas de apoio, etc e tal. Isso explica em parte por que Padre Afonso e Ortiz Junior apoiaram Roberto Peixoto nas eleições de 2004, na sucessão do então prefeito Bernardo Ortiz. 

HEGEMONIA 
O ex-prefeito Bernardo Ortiz (PSDB) detém a hegemonia política de Taubaté desde a década de 1980. Ele não podia, por força de lei, apoiar a candidatura de seu filho, Ortiz Júnior, à sua sucessão.

NATURAL 
Nada mais natural, sob a ótica da política, que apoiasse alguém de seu grupo político. Roberto Peixoto, à época no PSDB e vice-prefeito de Bernardo Ortiz era uma opção natural. 

REFORÇO 
O apoio a Peixoto foi reforçado com a adesão do Padre Afonso Lobato. O acordo previa apoio a Peixoto em 2004 e de Peixoto a Padre Afonso nas eleições de 2008. Tudo esquematizado para derrotar a chapa Mário Ortiz/Salvador Khuryieh. 

ROMPIMENTO 
O rompimento com Padre Afonso e Ortiz Júnior se deu pouco tempo depois da posse de Peixoto, que já vislumbrava a possibilidade de se reeleger prefeito de Taubaté. A causa, segundo Rodrigo Duque Andrade, chefe de Gabinete deputado estadual Padre Afonso Lobato, seria dona Peichoto (com CH), que não gosta do padre. 

PALPITANTE 
Por se tratar de assunto palpitante, que envolve o momento político crucial que vivemos em Taubaté, voltaremos ao assunto nas próximas postagens. 

MOTORISTA 
Embora não exerça nenhum cargo na Prefeitura, de onde foi defenestrada por ordem judicial, dona Peichoto (com CH) usa veículo oficial com motorista e tudo, revelou o repórter Rogério Veloso às 7h40 desta segunda-feira (27/06), no jornal da Rádio Difusora. 

PLANTÃO 
Rogério Veloso cumpriu plantão em frente ao Palácio do Bom Conselho à espera de Peixoto. Antes havia passado na Rua do Café, mas constatou que o (ex?) prefeito não abriu as portas de sua residência, como faz costumeiramente, para atender a população. 

VISTORIA 
Taubaté deve ser um canteiro de obras. Basta o (ex?) prefeito Roberto Peixoto desaparecer para sua assessoria informar que ele está “vistoriando” obras. Onde estão estas obras que eu não vejo? 

DESCANSO 
A mesma desculpa não pôde ser usada na semana passada, quando Peixoto foi recolhido pela Polícia Federal para uns dias de descanso na rua Goiás, em São Paulo. 

DESRATIZAÇÃO
Enquanto esteve na carceragem da PF, o (ex?) prefeito de Taubaté pôde vistoriar o trabalho de descupinização no prédio do órgão federal. Desratização não foi feita por motivos óbvios.