Páginas

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O RATO ROEU A CORDA QUE SUSTENTA ROBERTO PEIXOTO NO PODER MUNICIPAL

A Comissão Processante e a população estão impacientes. Ambas esperam que o prefeito Roberto Peixoto compareça à audiência pública desta terça-feira (14/07) para explicar o que parece inexplicável. 

A corda que sustenta Peixoto está puída. Ele sabe disso desde que a CEI da ACERT concluiu seus trabalhos em 2010 e preferiu passar para o Ministério Público a decisão de pedir ou não a sua cassação.

Erich Castilhos e Thiago de Bórgia Mendes Pereira, advogados de Peixoto
O rato que percorre desde sempre o gabinete municipal não se contentou em roer apenas a corda da ACERT.

E roeu a corda das LOUSAS, dos OVOS DE OURO, da MERENDA ESCOLAR, da GASOLINA. O rato, sempre esfomeado, passou a roer em outros departamentos.

Dizem que a fome é tanta que ele depena (se bem que carro não tem pena) carros oficiais que, inexplicavelmente, perdem peças novas e até motores.

Sem contar que é um beberrão de gasolina e de óleo diesel, que ele consome aos milhares de litros em tempo recorde.

O estrago feito pelo rato foi tanto que até os amigos mais fiéis, alguns instalados na Câmara Municipal, estão deixando o prefeito sozinho pendurado na corda cada vez mais esgarçada.

Em resumo, Peixoto está por um fio no cargo. Ele se sustenta no cargo por influência de assessores que estão preocupados em manter-se empregados.

Ele estará verdadeiramente só quando não puder mais usar a caneta de prefeito. Peixoto cairá no ostracismo.

Só não será abandonado pelos seus filhos e pelos seus irmãos. Os amigos lhe virarão as costas, poucos o acompanharão nos ares da vida.

Roberto Peixoto, você terá nesta terça-feira uma oportunidade de ouro para redimir-se de seus pecados e salvar o pouco patrimônio moral que lhe resta.

Mate o rato que o persegue e que vai te alucinar. Renuncie em nome do bom nome da tradicional família Peixoto. Você só tem esse caminho porque na sessão desta terça-feira você vai provar que não tem como provar inocência.

MIRASSOL 
Ex-prefeito de Mirassol atrás das grades
O ex-prefeito de Mirassol, Edilson Garcia Coelho, está preso na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) em Rio Preto. Coelho foi condenado a dois anos e oito meses de reclusão, em regime semi-aberto, com base no decreto-lei 201/67. O ex-prefeito foi acusado pelo Ministério Público de usar servidores da Prefeitura de Mirassol em serviços particular em sua residência, o que caracteriza crime de responsabilidade que se “assemelha a peculato.”

PRIMEIRA-DAMA 
A ex-primeira-dama Vilce Josefina Marson Garcia, também foi condenada à mesma pena, mas em regime aberto. Ao avistar os investigadores que foram cumprir o mandado de prisão expedido pelo juiz da 1ª Vara de Mirassol, Marcelo Haggi Andreotti, se entregou sem resistência.

PEIXOTO 
Peixoto está sendo investigado pela Comissão Processante da Câmara Municipal de Taubaté pela lei 201/67. O caso taubateano é bem mais grave, pois se trata de corrupção e peculato. O Ministério Público investiga os mesmos crimes que teriam sido cometidos pela atual administração.

GOLEADA 
O vereador Henrique Nunes (PV) afirmou, após a frustrante sessão de terça-feira (07/06), à qual Peixoto não compareceu, que “hoje é 14 a zero”, aludindo à votação pró-cassação que ocorreria se a sessão fosse para decidir o destino do prefeito taubateano. Taubaté tem quatorze vereadores.

TEMPO 
O pedido de adiamento da audiência foi a forma encontrada pelos advogados de Peixoto para ganhar tempo. Eles apostam do esvaziamento da comoção popular para Peixoto se livrar da possível cassação pela Câmara Municipal.

ATENTOS 
A rede social Facebook é a que mais tem sido utilisada pelos manifestantes a favor de cassação de Peixoto. Diariamente, minha caixa de email fica lotada de mensagens do grupo social “Taubaté de Peixoto”, todas com críticas ao prefeito e mensagens pedindo sua cassação.

AUDIÊNCIA 
Com esse barulho todo, a audiência das emissoras de rádio da cidade tem aumentado muito. Entre 10 e 13 horas, fica todo mundo ligado nas entrevistas feitas nas rádios Cacique e Difusora.

INFORMAÇÕES 
Os internautas avisam uns aos outros quem está sendo entrevistado, o tema abordado. Tem gente que até comprou sintonizador AM para acompanhar diariamente os debates e entrevistas que se sucedem.

LOUSAS 
Além da Comissão Processante que apura possíveis irregularidades na contratação da ACERT para a compra e distribuição de remédios para a Prefeitura, Peixoto enfrenta, agora, a CEI das Lousas.

RECUO 
A “licitação”, vencida pela Clasus Informática, foi denunciada por fraude licitatória por uma vereadora em Araraquara. Peixoto chegou a empenhar R$ 891 mil para pagar um lote de 27 lousas, do total de 100 comprada da Clasus.

APURAÇÃO 
A CEI instalada na Câmara Municipal para apurar possível fraude na licitação na compra das lousas vai querer saber, com certeza, como foi feita a licitação e com que prioridade a Prefeitura decidiu investir R$ 3,3 milhões para comprar lousas sendo que havia outras necessidades nas escolas municipais para serem atendidas.

DEMISSÃO 
Um professor da rede municipal de Taubaté, que ocupava cargo de direção na Diretoria de Ensino da Prefeitura, foi exonerado porque não assinou a documentação que lhe fora enviada para a licitação.

PINDAMONHANGABA 
O relatório da vereadora de Araraquara, que denuncia possível fraude na licitação da compra de lousas interativas por aquele município, suspeita de fraude e mostrou que um trecho do edital de licitação continha o nome de Pindamonhangaba, que teria comprado 15 lousas interativas da mesma empresa.

SUGESTÃO 
Não custa nada algum vereador perguntar à Secretaria de Educação de Pindamonhangaba se houve compra de lousas interativas pela Clasus e em que condições elas foram compradas. Se a compra foi por licitação ou compra direta. Cabe à Câmara investigar.

QUIETO 
O ex-deputado Ary Kara José, coordenador regional do PMDB anda quieto com relação à possível troca do comando peemedebista em Pindamonhangaba. A única certeza é que o vereador Isael Domingues troca o PSDB pelo PMDB para viabilizar sua candidatura a prefeito o ano que vem.