Páginas

sábado, 2 de julho de 2011

PARECER FOI ENCOMENDADO POR JEFERSON; CHICO SAAD COMPLETOU SABOTAGEM

Há mais coisas entre as sedes da Prefeitura e da Câmara Municipal de Taubaté do que sonha nossa vã filosofia, diria Shakespeare se morasse nesta urbe de Lobato. Hamlet começaria o primeiro ato de um hipotético drama teatral na terra que ama Renato Teixeira dizendo que “há algo de podre no Reino de Taubaté”. Alguém duvida?

BASTIDORES
A quinta-feira (30/06) foi um dia particularmente tenso na Câmara Municipal. O presidente da Casa, vereador Jeferson Campos (PV) encomendou à Conam – Consultoria em Administração Municipal parecer sobre o decreto legislativo elaborado pela vereadora Pollyana Gama (PPS), propondo o afastamento do (ex?) prefeito Roberto Peixoto até o término dos trabalhos da Comissão Processante, da qual é presidente.

IMISCUIU-SE
O presidente da Câmara de Taubaté imiscuiu-se em seara alheia. Jeferson sequer participará da sessão de cassação do prefeito Roberto Peixoto por ter apresentado o requerimento para a formação da Comissão Processante. Aliás, começo a pensar que não passou de jogada política do vereador verde a apresentação de tal requerimento.

NOVA YORQUE 
No dia 11 de maio, quando os membros da Comissão Processante foram escolhidos por sorteio público, durante sessão presidida pelo vereador Henrique Nunes (PV), o nobre edil dizia depois para quem quisesse ouvir que “Peixoto só não será cassado pela Câmara se transformar Taubaté em Nova Yorque em dois meses”. Naquele dia, Henrique Nunes dava mais uma valorizada em seu passe.

TENSÃO
A tensão aumentou quando a vereadora Pollyana Gama foi saber com Jeferson Campos porque ele tinha feito a solicitação a uma prestadora de serviço que mantém contrato com a Prefeitura e a Câmara Municipal. A desculpa foi que o parecer era para ser entregue a todos os vereadores antes da sessão extraordinária.

FARSA 
A descoberta da farsa se deu no momento da entrega da liminar à vereadora Pollyana Gama, no início da noite de sexta-feira-feira (1º e julho), quando oficiais de Justiça foram ao seu gabinete entregar a liminar dada pelo juiz Paulo Roberto da Silva.

FIRME
A vereadora Graça (PSB), presidente da Câmara para os trabalhos da Comissão Processante, foi firme e não aceitou o parecer da Conam. Graça insistiu que somente o parecer do procurador jurídico da Câmara Municipal, Fausto Araújo teria valor para a Comissão Processante. Mal sabia ela que o parecer da Conam iria embasar a inicial do mandado de segurança impetrado por Peixoto contra Pollyana.

TRAIDOR
O vereador Chico Saad (PMDB) entregou o parecer da Conam de “mão beijada” para os advogados de Peixoto, que o anexaram ao mandado de prisão na manhã de 1º de julho. O “amigo de verdade”, que deveria defender o povo, traiu o povo que o elegeu para o seu quarto ou quinto mandato.

SABOTAGEM
A sabotagem aos trabalhos da Comissão Processante não partiu apenas de Chico Saad. Sozinho ele não faria o que fez. Ele agiu às escondidas. Entregou as armas que a defesa precisava para articular com o juiz Paulo Roberto da Silva a liminar que derrubaria a sessão marcada para horas depois.

PIRRO
A vitória parcial do (ex?) prefeito Roberto Peixoto foi de pirro. O principal ele não conseguiu: encerrar os trabalhos da comissão processante. O diretor jurídico da Câmara, Fausto Araújo, testemunhou uma conversa de Jeferson Campos, que lançou sobre os ombros do “amigo de verdade” a responsabilidade pela inconfidência. 

BLINDAGEM 
Os amigos de Peixoto, que devem somar pelo menos seis ou sete votos na Câmara Municipal, farão o que estiver ao seu alcance para sabotar a comissão processante. Vão atrapalhar o máximo que puder. Vão blindar Peixoto para evitar sua cassação.

INTERE$$ES
Como boa parte dos vereadores que compõem a base de apoio de Peixoto é “ficha-suja” e não poderão disputar as eleições no ano que vem, segundo relação divulgada pelo jornal CONTATO, com certeza vão chutar o pau-da-barraca e tornar explicito o apoio ao (ex?) prefeito. Há muitos intere$$es em jogo.

PERGUNTA
Um amigo navegante me pergunta em que votar nas próximas eleições.Está difícil, muito difícil. Sobre a questão do  possível afastamento do prefeito sob investigação por comissão processante ainda não há nenhuma lei nesse sentido para entrar em votação. 

IMPARCIALIDADE 
Outro leitor solicita que informemos a população que o prédio ocupado pela Vara da Fazenda Pública é alugado pela Prefeitura. O ato pode ser considerado normal, visto que é uma prática antiga em nosso Judiciário. O que não é normal é a Prefeitura assumir os salários de parte dos servidores e dos estagiários que servem a Vara da Fazenda Pública. Alguma coisa está errada. Assim  fia difícil ser imparcial.

“ESTUDIOSO”
Matéria divulgada pelo Diário de Taubaté no dia 18 de abril deste ano aparece no sítio da Conam. Nela, ao negar que tenha elaborado projeto para aumentar o salário do (ex?) prefeito Roberto Peixoto, Saad afirma que recorreu aos serviços do Cepam e da Conam sobre o reajuste salarial em questão por estar “preocupado” com servidores aposentados que não podem ganhar mais que o prefeito. 

TREMEDEIRA

Deu pânico na vereança
Na tarde de quinta-feira
Quando foi anunciada
A notícia alvissareira
De que sessão extra haveria
Na noite de sexta-feira.

Após saber do fato
Brotou uma tremedeira
Em vereador peixotista
Que pensava ser brincadeira
Discutir o afastamento
Do chefe da bandalheira.

E a notícia provocou
Muito mais que tremedeira
Pois botou  medo e  arrepio
Na vereança inteira
Com alguns passando a noite
Sob intensa caganeira.

Veja o que o medo faz
Com político tranqueira
Na hora inventando viagem
Pra serra da Mantiqueira
Com desculpa de ajudar
Uma velha amiga parteira.

O mesmo medo que faz
Vereador ter tremedeira
E se trancar no banheiro
Por uma noite inteira
Também secou a garganta
Do mestre da Galopeira.

E com a viola de lado
E o corpo na tremedeira
Ele imaginava a desculpa
Pra não ir na sexta feira
Pois a sessão era à noite
E de noite não tem feira.

O acordo um dia feito
Com o tal da bandalheira
Pesou tanto quanto o medo
Da sessão da sexta-feira
E fez vereador se internar
Pra tratar até de coceira.

Por sorte, nossa justiça
Tão injusta e brasileira
Ao cancelar a sessão
Botou fim na tremedeira
Do bando de vereador
Gente nula e traiçoeira.

Silvio Prado, 02/07/11