Páginas

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

NO ÚLTIMO ARTIGO DA SÉRIE “DECISÃO FINAL”, KARNAS FAZ RETRATO PERFEITO DE PEIXOTO: TRUCULENTO, COVARDE E CORRUPTO

Este último texto da série “Decisão Final”, do jornalista e escritor gaúcho Carlos Karnas, que reside em município vizinho a Taubaté,  desanca de vez o prefeito canastrão, boquirroto, covarde e corrupto que atende pelo nome de Roberto Pereira Peixoto. O trabalho investigatório do promotor de Justiça José Carlos Sampaio e a investigação da Polícia Federal hão de pôr o (ainda) prefeito de Taubaté na cadeia. Não vou me alongar. Fiquem com a contundência do jornalista e escritor Carlos Karnas.

DECISÃO FINAL – 3

Jamais se viu na história de Taubaté prefeito tão ridicularizado, xingado e enxovalhado como Roberto Peixoto (PMDB). Por quê? Porque é corrupto. Prevarica, não cumpre suas obrigações na Prefeitura, faz malversação de verbas públicas, é quadrilheiro, mente, é arrogante e truculento, desrespeita o Poder Legislativo, obstrui e manipula a Justiça, escamoteia documentos que o incriminam e é covarde. Roberto Peixoto, junto com a mulher e assecla, foi preso pela Polícia Federal. O Ministério Público e entidades representativas têm protocolado na Justiça dezenas de ações com graves acusações de crimes praticados pelo prefeito Roberto Peixoto (PMDB). Político de histórico pobre, na prepotência do poder sabe cooptar e subjugar servidores e manipular lideranças comunitárias inexpressivas. Especialmente vereadores taubateanos igualmente empobrecidos, que se locupletam com os interesses comuns, deles e do prefeito. Reina o favoritismo, a barganha, porque a boa ética, a moral, a séria e competente administração pública, como manda a boa regra, nada valem para essa classe política.

Será isso pouco para a sociedade e para Taubaté? Pelo contrário, é escândalo e vergonha nacional. O noticiário imparcial sobre fatos documentados, provados e comprovados, percorre o Brasil de norte a sul. O réu criminoso é o prefeito Roberto Peixoto (PMDB). A vergonha e a desonra ficam para a cidade e toda a sua população. Até quando o cidadão de bem irá aguentar tal calamidade?

O parcimonioso processo democrático de se investigar algumas, apenas algumas irregularidades notórias do atual prefeito, teve ritual inquestionável. Quem tumultuou sempre tal processo foi o próprio acusado, que deveria ser o primeiro a honrar a sua defesa e apresentar provas irrefutáveis que arruinassem toda e qualquer acusação. Apesar de todas as prerrogativas, Roberto Peixoto (PMDB) não convenceu, fugiu e deixou nas mãos de subordinados diretos e de penca de advogados estranhos à cidade, a defesa insustentável, falha e falsa em todos os aspectos.

Administrativamente, a Prefeitura está paralisada, entorpecida e sem a menor eficiência por falta de comando. O prefeito, desde o início se mostrou desqualificado na gestão pública e esse problema se agravou com as irregularidades. A cidade está abandonada e a hegemonia de Taubaté prevalece às custas da população ordeira, que trabalha, paga impostos e pacientemente contribui com produtividade para o desenvolvimento municipal. Os mais indignados levantaram seus protestos públicos, seus cartazes, suas faixas e manifestaram suas críticas contra o prefeito. Os vereadores servilistas, e que compactuam politicamente com Roberto Peixoto (PMDB), continuam a criar anteparas artimanhosas para respaldar o prefeito corrupto. Na sanha do poder, prefeito e vereadores servilistas desprezam a integridade para ridicularizar a população e eleitores. Nessa condição baixa e inconsequente é que eles se sustentam no mandato e vão empurrando Roberto Peixoto (PMDB) no seu trono. É totalmente imoral.

Taubaté corre perigo. A população está desprotegida e boa parte do legislativo não está dando ouvidos e considerando os protestos do cidadão que está nas ruas. Está estabelecida uma batalha política de menor envergadura e que não permite a reoxigenação da cidade. Há improdutividade. Todos estão perdendo tempo em momento que se exige trabalho, união, harmonia, seriedade e competência para se sustentar o desenvolvimento da cidade e o bem estar da população. A questão maior da cidadania não é levada em conta. Portanto, não há mais o que ser discutido ou avaliado. É hora da decisão e será na próxima sexta-feira, dia 12.

A Câmara Municipal vai se reunir e os vereadores, com apenas 10 adesões, poderão cassar o prefeito Roberto Peixoto (PMDB). Inacreditavelmente poderão faltar votos para a cassação, por conta dos vereadores que envenenam a seiva digna, honrada e histórica da cidade. Eles querem se locupletar e sorver até a última gota possível desse manjar. Mal sabem avaliar o grau de destruição moral do ato que praticam. Mais cedo ou mais tarde a cidade vai ter que curar as suas feridas, se recuperar e varrer todo o lixo acumulado e que está fedendo. O único remédio louvável e recomendável é a cassação do prefeito Roberto Peixoto (PMDB). Não há como ele não ser cassado. Não há qualquer justificativa para que os vereadores votem na permanência do prefeito. Quem votar contra a cassação estará se condenando. Alguns irão fazer justamente isso por já estarem condenados. São esses que sustentarão a corrupção em Taubaté até as últimas consequências. A transparência e a dignidade exigem o voto aberto, às claras, para a dignidade dos próprios vereadores em nome do cidadão honrado de Taubaté.

Carlos Karnas, jornalista e escritor