Páginas

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

PF NA CÂMARA MUNICIPAL FOI RECADO PARA OS VEREADORES “MURALISTAS” DE TAUBATÉ

O vereador Rodrigo Luís Silva – Digão, relator da Comissão Processante que avaliou a conduta criminosa do prefeito Roberto Peixoto, que vive as últimas 34 horas de seu desgoverno (já se passaram duas horas desde a postagem anterior), esteve nesta quinta-feira (11/08) na sede da Polícia Federal, em São José dos Campos, para depor como testemunha de acusação contra o prefeito canastrão.

RECADO
Agente da PF chega à Câmara e assusta vereadores
O recado para os vereadores “muralistas” foi explícito. Ninguém vai escapar das investigações em curso na Polícia Federal. Há muita verba federal mal aplicada (?) pelo (ainda) prefeito Roberto Peixoto.

COMENTÁRIO
Comenta-se que há vários vereadores envolvidos com as maracutaias armadas pelo chefe da quadrilha instalada no Palácio do Bom Conselho. O número varia de 6 a 8 vereadores, dependendo do analista/comentarista.

ESFÍNCTER
A chegada da Polícia Federal pouco antes da sessão de Câmara de quarta-feira (10/08) gerou apreensão entre alguns vereadores. Aqueles que têm o rabo-preso trancaram o esfíncter, ou seja, não passava nem agulha.

Pelos Bastidores

Pelo corredor da câmara
O Diabo outro dia
Perguntou a um vereador
Quanto seu voto valia
E se a coisa fosse urgente
Quanto ele cobraria.

O vereador acostumado
A tão estranha permuta
Entendeu de imediato
O que estava em disputa
E arrastou pro gabinete
Bicho tão filho da puta.

Gabinete esvaziado
Ficou ali só um assessor
Para ajudar a discutir
A dimensão do valor
Que o bicho enchifrado
Pagaria ao vereador.

Foi preciso pouco tempo
Pra discutir a questão
Batendo martelo em 200
Fechando assim posição
Despachando para o inferno
A proposta de cassação.

Nem duas horas depois
Dentro de outro gabinete
O Diabo então fecharia
Um negócio do cacete
Pondo mais dois vereadores
No bolso de seu colete.

Porém no dia seguinte
Pintou uma rebelião
Dos vereadores comprados
Para melar a cassação
Pois o preço combinado
Não batia a inflação.

Duzentinho é tão pouco
Disseram para o chifrudo.
Se arredondar pra trezentos
A gente vota com tudo
E se até for preciso
Nosso grupo fica mudo.

O Diabo ficou fulo
Com a mudança do roteiro
Pensou em peitar os caras
Mas considerou primeiro
Que pra vencer tal parada
Tinha que por mais dinheiro.

E dinheiro nunca falta
Nessas horas estressadas
Onde o voto é comprado
Ás vezes de baciada
E a decisão sempre sai
Como foi encomendada.

Por isso pela cidade
O dia prossegue escuro
Pois vereador negociante
Não sai de cima do muro
Esperando que o Diabo
Garanta de vez seu futuro.

Mesmo que se presencie
Situação assim medonha
Na câmara tem vereador
Que não vale uma fronha
Fazendo de seu mandato
O povo sentir vergonha.

O Diabo sabendo disso
Aproveita a ocasião
E defendendo interesses
Escusos de uma gestão
Ele bate em toda porta
Propondo negociação.

Ultimamente o chifrudo
Tem feito trabalho dobrado
Sabendo que sua missão
Feita com todo cuidado
Precisa envolver a todos
Garantindo o acertado.

Portanto, na sexta-feira
Se não houver cassação
Já está tudo explicado
Por mera antecipação:
Bem mais que a consciência
Falou mais alto o cifrão.

Silvio Prado, 10/08/11