Páginas

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

GRUPO 'É PRECISO MUDAR' DELIRA SOBRE SUCESSÃO E LANÇA CANDIDATO PRÓPRIO

Quando se vive uma crise de desgoverno como em Taubaté, que tem o prefeito sob a mira da Polícia Federal, aguardando decisão judicial sobre sua permanência à frente da Administração Municipal, é normal que grupos ou pessoas interessadas em ocupar o vácuo deixado pelo desgoverno apareçam com sua verborragia para iludir os incautos. Taubaté não foge à regra.

Antonio Jorge tem um título: o de homem mais bonito de
Taubaté no programa Cidade Contra Cidade apresentado por
Silvio Santos - ele venceu o concorrente de Sorocaba
O grupo “È preciso mudar Taubaté” nasceu com esta pretensão. Decidiram porque decidiram que um empresário deveria ser candidato a prefeito de Taubaté. Não consultaram nenhum partido político. Nossa legislação eleitoral não permite candidaturas autônomas. O candidato apresentado, Antonio Jorge, é candidato do grupo formado por três ou quatro vetustos senhores.

Primeiro, o grupo quase leva o deputado Padre Afonso (PV) a um sono profundo durante reunião com o parlamentar numa pizzaria da cidade. Depois fizeram reunião em um restaurante da cidade. Nada como decidir o destino de Taubaté de barriga cheia e um copo de uísque para bebericar.

Dias antes do encerramento do prazo de filiação partidária a tempo de disputar as eleições do ano que vem os líderes do “É preciso mudar” andaram procurando abrigo sob o guarda-chuva de um partido político

Delirantes, queriam um partido que lhes assegurasse a legenda de candidato a prefeito de Taubaté passando por cima de todas as instâncias partidárias. “Santa pretensão!”, diria o Robin do Batman.

PÁGINA 8
Para o amigo internauta entender a modéstia do grupo que se julga capaz de resolver todos os problemas de Taubaté, leia a nota divulgada pelo jornal Página 8:

ANTONIO JORGE É O PRÉ-CANDIDATO À PREFEITO DO GRUPO “É PRECISO MUDAR”

“Desde formação deste grupo, que tem como principal objetivo apresentar uma alternativa, um novo modelo de fazer política em Taubaté, com profissionalismo e com base na iniciativa privada, que prima pelo planejamento e gestão, surgiram três nomes para representar o movimento, como pré-candidatos à prefeito: Antonio Jorge, diretor do SESI; André Saiki, ex-presidente da ACIT; e o médico Wander Cunha que posteriormente, através de uma prévia, um deles seria o escolhido, como candidato à prefeito nas eleições de 2012.

No entanto, com o final do prazo eleitoral, para a filiação partidária, que ocorreu no ultimo dia 7 de outubro, Wander Cunha e André Saiki desistiram do grupo É Preciso Mudar, filiando-se no PSD, partido que não se coaduna com as propostas deste grupo, pois, apresenta em suas fileiras o ex-prefeito e Vereador Mario Ortiz, que atua na nossa política há vários anos.

Desta forma ANTONIO JORGE, mantendo-se coerente com os princípios e diretrizes do Grupo É Preciso Mudar, optou pela sigla partidária do DEM que, com a saída de Mario Ortiz, se apresenta dentro dos propósitos de mudança que o grupo tem pugnado.”

ENTENDERAM?

Vou tentar explicar:

Não há coerência na decisão de Antonio Jorge. Ele optou pelo DEM (partido de extrema direita) porque não teria espaço em outra sigla partidária para exercer seus arroubos políticos, ao lado de velhos udenistas. Ou seria de antigos militantes da TFP (Tradição Família e Propriedade)?

No fundo, desconfio que as propostas delirantes que Antonio Jorge andou postando no Facebook não eram de sua autoria. Creio que foi elaborada pelo novo cacique do DEM taubateano, um senhor aposentado que se apresenta como empresário e crê ter todas as soluções possíveis para todos os problemas de Taubaté.

Falta rodagem política ao DEM taubateano. O único nome conhecido no partido era o “velho” político Mário Ortiz (agora no PSD), que se elegeu vereador em 2008 com cerca de 5 mil votos. Antonio Jorge, em política, não tem luz própria. Viveu muitos anos sob a sombra de Ary Kara. Agora se apresenta como novo, “dentro dos propósitos de mudança que o grupo tem pugnado”.

Qual a proposta do DEM taubateano tomado por udenistas de pijama? Antonio Jorge é mais velho em política do que o “velho político” Mário Ortiz.

O “novo” Antonio Jorge não passa de estrela cadente na política taubateana. Foi candidato a vereador em 1976 pelo MDB. Se minha memória ainda funciona, apoiou a candidatura de Antonio Roberto Paollichi a prefeito.

Lá se vão 35 anos.

Na visão estrábica do DEM taubateano, Antonio Jorge é “novo”. Velho é Mário Ortiz que foi candidato pela primeira vez em 1996 (vinte anos depois da primeira candidatura da “nova” estrela do delirante DEM), quando se elegeu prefeito de Taubaté.

Querem mais?

O PSD não se coaduna com as propostas de seu grupo, diz Antonio Jorge. Claro, o PSD nasceu para ocupar a centro-direita brasileira. O DEM pertence à extrema direita agonizante.

Depois da tentativa frustrada de ser vereador em 1976, Antonio Jorge tentou novamente a Câmara Municipal em 1982, desta vez pelo PDS (filhote da UDN). Perdeu. Em 1988 e em 1992 foi candidato pelo PTB. Mais duas derrota em seu vasto currículo político.

Para completar o currículo de candidaturas de Antonio Jorge, basta dizer que ele foi candidato derrotado a vice-prefeito na chapa de Roberto Peixoto em 1996, pelo PTB. O prefeito eleito foi Mário Ortiz.

Com um currículo assim e com os oportunistas delirantes ao seu lado, Antonio Jorge caminha celeremente para ser o último colocado nas eleições municipais de 2012, pois não se trata de candidato de um partido político, mas de um grupelho que se julga acima da inteligência dos taubateanos.