Páginas

domingo, 9 de outubro de 2011

O FOLCLORE NO VALE NÃO MORRE PORQUE SÃO LUIZ DO PARAITINGA NÃO DEIXA

A desgraceira que se abateu sobre São Luiz do Paraitinga na madrugada de 1º de janeiro de 2010 ainda está viva na memória dos valeparaibanos, acredito. A matriz não resistiu e ruiu feito um castelo de areia – suas paredes, de taipa de pilão, facilitaram o desastre.

A chuvarada, que tanto estrago causou à cidade, não conseguiu dizimar a alma do povo luizense, que passou 2010 sem seu carnaval de marchinhas, sem a festa do Divino e sem homenagear o Saci.

Quase dois anos se passaram. O que foi uma tragédia no passado, hoje é a força motriz da gente de São Luiz do Paraitinga.

Enquanto velhos casarões são restaurados e a vida no pequeno município começa a voltar ao normal, São Luiz do Paraitinga se prepara pare receber centenas (por que não milhares?) de turistas a partir do dia 28 deste mês.

Testemunhei, em São Luiz  do Paraitinga, o nascimento de uma dupla de artistas: Ditão Virgílio e Patrícia Guimarães. Ouvi histórias de saci contadas por Odilon Ferreira com a graça do caipira que sabe das coisas.

Devo postar trechos do vídeo que gravei da dupla e do contador de história. Só não postei ainda por pura falta de conhecimento de edição de vídeo.

Fiquei pensando: “Por que a Prefeitura de São Luiz do Paraitinga não aproveita seus talentos, paga-lhes um salário e os deixa na praça, perto do coreto, cantando e contando histórias para turistas?”

Fica a sugestão.

Por ora, convido-os a participar da Festa do Saci, que começa com uma saciata na noite de sexta-feira (28/10). Sábado (29/10) tem Carnaval do Saci a partir das 23 horas no Clube de Campo – com ingresso pago.

O folclore no Vale do Paraíba ainda não morreu porque São Luiz do Paraitinga teima em mantê-lo vivo. Ainda bem!