Páginas

terça-feira, 8 de novembro de 2011

NÚMEROS ESCAMOTEADOS DISFARÇAM CAOS NA SAÚDE PÚBLICA DE TAUBATÉ

Quantas pessoas mais terão que morrer para as nossas autoridades pararem de brincar com a vida alheia? Quando médicos e enfermeiros irresponsáveis deixarão de envergonhar uma categoria inteira de médicos e enfermeiros que se compadecem diante da enfermidade de pacientes que buscam o Pronto Socorro para amenizar seu sofrimento?

A irresponsabilidade começa com o secretário de Saúde de Taubaté, médico Pedro Henrique Silveira, que deveria responder por homicídio doloso junto com o prefeito canastrão Roberto Peixoto. Prefeito e secretário abandonaram criminosamente a Saúde de Taubaté e dos taubateanos que precisam dos serviços do Pronto Socorro Municipal.

Recebo de um “anônimo” a informação que sua mãe faleceu dia 3 de outubro deste ano por conta do mau atendimento no PSM. Segundo o missivista, a mulher, idosa, estaria com dengue. Ela fora levada ao PSM um dia antes. A falta de um exame clínico mais apurado e a dispensa da mulher que reclamava de fortes dores do corpo a teria levado a óbito no dia seguinte.

A família teria resolvido não brigar com as autoridades de saúde do município porque nada traria a falecida de volta. A missiva enviada a este blog foi só “um desabafo” de quem se sente impotente diante da morte e da indiferença com que são tratados por quem deveria cuidar decentemente dos pacientes que buscam o PSM para aliviar seus males.

PS: Confesso que fiquei chocado e me disponho a lutar ao lado de quem queira enfrentar o desafio de desmascarar a farsa da Saúde de Taubaté, sob o comando do incompetente médico Pedro Henrique Silveira, debaixo dos olhos do não menos incompetente prefeito Roberto Pereira Peixoto.


Meu email: irani.gomesdelima@gmail.com. Gostaria muito de manter contato com o anônimo que postou seu comentário hoje (08/11) às 13h10. A fonte não será revelada por mim.

Gostaria muito de saber da doutora Stella Zölnner, em números reais, quantos casos de dengue foram registrados este ano em Taubaté. Sabemos que os números são altíssimos e serão maiores ainda na próxima temporada de dengue. Quantas pessoas morreram por causa da dengue?

Os números divulgados foram escamoteados? Se não foram, por que a população não pode saber quantos casos foram registrados na cidade? Os números apresentados às autoridades sobre os atendimentos realizados pelo PSF são falseados para garantir o aporte de verba federal ao programa?

O que foi feito do concurso público para contratar “soldados” que combateriam o mosquito aedes Aegypti e evitar outro surto horripilante da dengue em nossa cidade?

Quem poderia me falar do menino que morreu num consultório do PSI por absoluta falta de atendimento. Segundo me disse uma médica que não trabalha no Pronto Socorro, a criança tinha que passar por diálise. Passou a noite com a mãe ao lado no tal consultório, mal acomodada.

Na manhã seguinte, quando a enfermeira foi atender o pequeno paciente, ele já estava morto. A mãe a tudo assistiu, inerme.

Enquanto escrevo estas linhas, dou uma zapeada no Facebook e encontro estas duas pérolas sobre a saúde pública em Taubaté:

Na primeira, uma moradora do Parque Três Marias reclama da falta de profissionais para aplicar vacina no Pamo da localidade:

“affiiii...o Pamo do 3 Marias II num tem uma pessoa pra aplicar as vacinas...a funcionária tira férias e não colocam outra no lugar e se quizer (sic) tomar a vacina, temos que procurar um posto mais longe da nossa casa...e administração de saúde aqui no municipio......e pra que foi feito o concurso da prefeitura pra saude?????Revolta!!!

Em outra postagem, internauta reproduz resposta da diretora do PS sobre a “mania” do povo de reclamar por esperar “15 ou 20 minutos na fila”.

A desfaçatez é tanta que ela insinua que dona Maria Cecília “ainda teve sorte” porque há quem espere doze dias para conseguir internação.

Não discuto a competência dos médicos que atuam no PSM. Trata-se de bons profissionais, entre os quais há os irresponsáveis que não cumprem devidamente seus plantões, pelo que são regiamente pagos e pouco se lixam com as dores humanas. Estes esqueceram o juramento de Hipócrates.

Um release da Câmara Municipal informa que o Estado atenderá os 620 pacientes de hematologia do Hospital Universitário, fechado para os pacientes desde que a médica responsável pelo setor entrou de licença.

Os casos mais graves serão transferidos para o Hospital Regional de Taubaté. Os menores de 18 anos serão tratados no GACC (Grupo de Apoio à Criança com Câncer) de São José dos Campos. Os demais pacientes serão assistidos pela Unicamp e pelo Hospital Regional de Taubaté.

Quem responderá criminalmente pelas mortes que ocorrem e já ocorreram no Pronto Socorro por falta de remédio ou por falta de atendimento? Os primeiros responsáveis são o prefeito canastrão e o incompetente secretário de Saúde assim nominado no rádio taubateano pelo ex-deputado Ary Kara José e pelo deputado Padre Afonso Lobato.

Não se trata de simples desleixo o caos na saúde taubateana. Trata-se de crime de responsabilidade cometido por quem tem a obrigação de zelar pela saúde pública.