Páginas

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

TERRORISMO NÃO COLA: SABESP NÃO DEIXARÁ TAUBATÉ SEM ÁGUA EM 2012

Não creia o cidadão taubateano na falácia dos terroristas Chico Saad, Luizinho da Farmácia, Monteclaro César e Adair Loredo que a Sabesp vai deixar a cidade às moscas, sem abastecimento de água, se a Câmara Municipal não aprovar a renovação do contrato com a estatal até o final deste ano.

A vereadora Pollyana Gama, que manteve uma reunião tensa com os asseclas do prefeito canastrão para tratar da votação do projeto de lei que poderá entrar na pauta da Câmara Municipal ainda este ano, esteve reunida nesta quarta-feira (16/11) com a assessoria jurídica da Sabesp em São José dos Campos para tratar do assunto.

Os vereadores Digão e Vanone não puderam ir à reunião, mas mandaram seus assessores jurídicos participar da discussão. Pollyana foi acompanhada de sua assessoria jurídica e legislativa.

Agora são quatro os vereadores que assinam a emenda que cria o Conselho Municipal e o Fundo Municipal de Saneamento. Além de Pollyana e Digão, os vereadores Vanone e Graça aderiram à proposta. O vereador Mário Ortiz (PSD), convidado, ainda não desceu do muro.

REUNIÃO POSITIVA

Taubateanos, podem se tranquilizar. O projeto de lei não precisa ser aprovado com a celeridade desejada pelo prefeito canastrão e seus sequazes, agora capitaneados pelo advogado de Ferraz de Vasconcelos, Adair Loredo.

A assessoria jurídica da Sabesp, com a lisura de quem leva a sério seu trabalho, informou a comitiva taubateana que o contrato será automaticamente renovado por mais seis meses caso o projeto de lei do Executivo não seja votado até o final deste ano.

Um parágrafo necessário: é de bom augúrio ficarmos atentos às manobras maquiavélicas da tropa de choque do prefeito canastrão e do presidente da Câmara, vereador Jeferson Campos (PV), que pode colocar em votação o projeto do Executivo nas proximidades do Natal para garantir sua aprovação com o plenário vazio de público.

Não há pressa, portanto, para a Câmara aprovar de afogadilho um acordo que pode ter duração de trinta anos.

Os assessores da Sabesp explicaram que a renovação do contrato com São José dos Campos foi exaustivamente discutida. Enquanto não se chegava a um acordo, o contrato era renovado automaticamente e o serviço prestado normalmente durante dois anos, até o fechamento do acordo.

A subserviência das nossas tacanhas “autoridades” explicam, em parte, o atraso de Taubaté em relação a São José dos Campos em muitas questões.

Nos últimos trinta anos Taubaté viveu quatorze sob o jugo de um governante despótico e outro, incompetente, do ex-inquilino do xilindró da PF, que está completando sete anos de "governo".

Dois hiatos de quatro anos cada um foram insuficientes para afastar o ranço da demagogia e do populismo dos homens públicos taubateanos. Ainda vivemos sob o signo do atraso e da mediocridade política.

CONSÓRCIO

Ao invés da assinatura pura e simples da renovação do contrato com a Sabesp, o que está em pauta, além da criação do Fundo Municipal e do Conselho Municipal de Saneamento, é a elaboração de um consórcio público integrando município e Sabesp, em benefício da população.

A lei 11.445/05 regula a realização de consórcios entre os entes federativos que tenham objetivos comuns, como é o caso da prestação de serviço em Taubaté pela Sabesp.

A criação de um consórcio significa a abertura de uma empresa pública, sujeita a fiscalização do Tribunal de Contas e da sociedade, de forma geral. É aí que o bicho pega. Quem não quer ser fiscalizado não pode ter boas intenções.

É aqui que entra a vontade da sociedade, que deve exercer seu legítimo direito de pressionar os vereadores que querem a renovação pura e simples do contrato com a Sabesp para que mudem de idéia.

A tropa de choque do prefeito canastrão na Câmara Municipal, sob  o comando do advogado de Ferraz de Vasconcelos, quer aprovar rapidamente a renovação com a Sabesp.

Esta cambada pretende gastar os $$$ milhões que a estatal deve pagar pela renovação do contrato com cestas básicas, pintura de guias e caiação em prédios públicos sem o menor planejamento.

Não me venham falar em dinheiro para o Pronto Socorro que vocês sucatearam, pois há verba prevista para a Saúde no orçamento municipal que este governo enfiou no embornal.

Não há planejamento. Não há critério para a gastança. Não há competência nem disposição para empregar o dinheiro corretamente.

Chega de corrupção, canastrão!