Páginas

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

TRANSPARÊNCIA TAUBATÉ DENUNCIA ESCÁRNIO NO PRONTO SOCORRO

O diretor executivo da ONG Transparência Taubaté, ex-vereador Joffre Neto, envia a este blog testemunho de com o a população é recebida e tratada no Pronto Socorro Municipal. Leiam o relato e tirem suas conclusões.

Neste domingo, dia 6 de novembro, estive no Pronto Socorro Municipal, na função de Conselheiro de Saúde e amigo da Conselheira Cecília Moreira.

Enquanto procurava solucionar um caso deixado por um vereador clientelista irresponsável,  Da. Cecília, sentiu-se mal e foi internada na iminência de um segundo enfarte, na quinta-feira à noite.

Como não há hospital de retaguarda em Taubaté, ficou internada no PSM, numa "enfermaria" de menos de 20m2, onde se apinham sete senhoras.

No sábado, dia 5, na troca do plantão das 19h00, a enfermeira do local faltou. O tempo foi passando, a situação das senhoras (médica, de administração de remédios e higiênica) foi se agravando.

Cinco horas depois, por volta de meia-noite, em estado de desespero, duas pacientes (Da. Cecília e outra) se levantaram do leito, com as roupas íntimas que dispunham, e foram até a sala de supervisão.

A supervisora de enfermagem, depois de mil desculpas, providenciou uma enfermeira ... do setor de sutura! "Eu entendo de suturas, de pontos, não estou preparada para administrar medicamentos deste setor", disse a substituta, aflita.

À 1h00 da manhã de domngo, os medicamentos das 16h00 de sábado foram ministrados.

Por volta das 3h00 da manhã, Da. Cecília, devido ao stress da situação e da falta de medicamento, começou a sentir fortes dores no peito. Sua companheira de luta volta a se levantar do leito e procura um médico. Descobre que havia apenas UM médico no PSM para todas as necessidades!

A mesma senhora volta à supervisão, encontra a supervisora dormindo, acorda-a e relata a situação. Conselho educadíssimo, respeitoso, profissional da enfermeira: "Diz para ela virar para o canto e dormir que passa."

Até quando esse escárnio criminoso com a população será tolerado?

Até quando a Justiça fará ouvidos moucos aos diversos processos tanta da Defensoria Pública quanto da Promotoria, que pedem o afastamento do prefeito ex-detento e seu cúmplice e sócio (segundo o Min. Público), Pedro Henrique da Silveira?

Até quando serão mantidos, lépidos, faceiros e zombeteiros, em seus cargos?  Quantos vidas ainda será necessário sacrificar no altar diabólico dessa incompetência criminosa?