Páginas

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

LOREDO ASSUME CANDIDATURA PELO PMDB, COM APOIO DE ARY KARA

Passava do meio-dia de Quarta-feira de Cinzas. Meu telefone toca. Na outra ponta da linha estava Adair Loredo, secretário de Governo de Taubaté. Contou-me que será candidato a prefeito pelo PMDB, indicado pelo ex-deputado Ary Kara.

Admitiu que o PMDB vai pagar caro nestas eleições, mas que está disposto a lutar pela Prefeitura de Taubaté “porque o PMDB é grande e não pode ficar fora da disputa”.

Falei o que penso da aproximação do PMDB com o PV e estendi o assunto para o PT, que tem uma parcela de filiados que vê com bons olhos uma aliança municipal de partidos coligados nacionalmente.

Alertei-o que o partido que se coligar ao PMDB terá que levar Peixoto junto. Se houver coligação com o PV, o fardo será carregado pelo pré-candidato deputado Padre Afonso.

O PT pagará também pela omissão mantida durante o processo de cassação de Peixoto. À exceção da vice-prefeita Vera Saba, o partido ficou atrás do biombo assistindo à luta encarniçada que se travou em Taubaté entre maio e agosto de 2011

O agora pré-candidato do PMDB perguntou-me sobre a possibilidade eleitoral do secretário de Negócios Jurídicos da Prefeitura, Anthero Mendes Pereira Junior.

Resposta: nenhuma. Não tem densidade eleitoral. Um nome para esquecer.

Adair Loredo reconhece que suas possibilidades eleitorais são baixíssimas, mas diz acreditar na liderança de Ary Kara e que sua escolha pelo ex-deputado peemedebista para disputar a sucessão municipal o deixou muito orgulhoso.

Perguntei sobre a saída de Peixoto do PMDB. Ele negou a possibilidade do alcaide ser expulso do partido. Quem falou em expulsão foi Adair Loredo.

Para mim ficou a impressão que essa possibilidade foi aventada nos intestinos do partido. Depois o Secretário emendou: a possível saída de Peixoto do PMDB será por decisão do próprio.

Disse a ele que Roberto Peixoto mal manda no próprio gabinete. Acrescentei que o prefeito de fato é o próprio Adair Loredo. Ele não me desmentiu nem tergiversou.

Ficamos de conversar em outra oportunidade. Jornalisticamente estou à disposição.

Adair Loredo vai carregar o fardo sozinho. Pelo menos por enquanto.