Páginas

domingo, 15 de abril de 2012

FAMÍLIA TRATADA COMO LIXO EM TAUBATÉ

Este não é o único caso em Taubaté, com certeza, mas ilustra bem o desprezo da administração municipal com as populações mais carentes, justamente aquelas que mais precisam do apoio do poder municipal para sobreviver com um mínimo de dignidade.

Como todo o mundo está cansado de saber, o prefeito canastrão obriga as pessoas carentes ou que necessita de seus favores, a madrugar na Rua do Café, em frente à sua residência, para pedir.

Uns pedem emprego, outros pedem blocos, areia e cimento para construir seus barracos, há quem queira uma simples indicação que lhes facilite o acesso ao PS ou tratamento médico, outros cobram a cesta básica do mês que ainda não chegou e há os que querem um terreno para morar.

Este é o caso de dona Maria Aparecida Macena. Ela foi uma das milhares de pessoas que amanhecem o dia em frente à residência do prefeito canastrão, na esperança de serem atendidas pelo mecenas que faz caridade com dinheiro público.

Detalhe da barraco: o "banheiro" ao fundo do terreno
Esta senhora e sua filha, Rosana Madalena da Graça, estiveram recentemente no gabinete da vereadora Pollyana para reclamar que nem o aluguel social a que tem direito estão recebendo.

O problema foi solucionado pelo canastrão, que mandou as mulheres ocuparem um terreno público na Gurilândia em outubro do ano passado.

Postei  matéria neste blog  dizendo que Peixoto estava incentivando a criação de favelas em Taubaté.

A vereadora Pollyana esteve no barraco habitado pelas duas mulheres para conferir o drama real que esta e centenas de outras famílias vivem em Taubaté por falta de programa social.

Nunca é demais lembrar que pelo menos 60 funcionários municipais receberiam Bolsa Família segundo a Controladoria Geral da União – CGU.

Abaixo, reproduzo ipsis litteris email da lavra da Assessoria de Comunicação de Câmara Municipal relatando a visita da vereadora Pollyana e a iniciativa da parlamentar de instar a Defensoria Pública em busca de uma solução para o problema.

Pollyana vivencia drama de família
colocada em barraco na Gurilândia

Vereadora vai acionar a Defensoria Pública para buscar solução imediata para o caso

Sem previsão de receber uma moradia ou um aluguel social da Prefeitura de Taubaté, as donas-de-casa Maria Aparecida Macena e Rosana Madalena da Graça, continuam morando com os filhos em um barraco de madeira construído em outubro de 2011, em um terreno do Município, no conjunto Hércules Marçon, na região do bairro Gurilândia.

Elas acusam o Prefeito Roberto Peixoto (PMDB) de oferecer o local até que cumprisse a promessa de doar material para construir uma casa de alvenaria. “Fomos inúmeras vezes na porta da casa do Prefeito que nos prometeu entregar o material até março deste ano. Acordávamos sempre às 4 horas da manhã para ir até a casa dele. O prazo já passou e não conseguimos mais falar com ele”, afirmou Maria Aparecida Macena.

O drama das famílias foi vivenciado pela vereadora Pollyana Gama (PPS), que visitou o local na tarde desta sexta-feira, 13. A vulnerabilidade à saúde e a segurança dos moradores assustaram a parlamentar. “Encontramos muito lixo, bichos, insetos e poeira, sem contar a falta de ventilação e os perigos que eles correm colocando a própria vida em risco. Qualquer descuido pode haver um incêndio neste ambiente”, destacou a vereadora.

Pollyana vai acionar a Defensoria Pública para mover uma ação contra a Administração Municipal. “As famílias irão até os nossos defensores que com certeza darão o encaminhamento correto para resolver o problema. Isso é inadmissível. O Prefeito que tem obrigação de zelar pela cidade coloca essas pessoas em condição subhumana, indigna”, destacou.

A vereadora lembra que o dinheiro investido em aluguéis de imóveis privados para abrigar Centro de Cultura, conforme denunciado por Pollyana na última semana, daria para custear o aluguel social. “O Prefeito paga R$ 10 mil por um imóvel particular, enquanto isso temos inúmeros prédios públicos abandonados e essas famílias vivendo em barracos. Não tem planejamento social”, finalizou.