Páginas

quarta-feira, 11 de abril de 2012

MÉDICO PINDENSE É PATRONO DA SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Na manhã desta quarta-feira (11/04) o governador Geraldo Alckmin assina, no auditório do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, decreto que torna o médico pindense patrono da saúde pública no Estado de São Paulo.

A homenagem é uma iniciativa de outro médico pindense, José Lélis Nogueira, que lança uma biografia completa sobre Emílio Ribas, nascido em Pindamonhangaba há 150 anos, exatamente no dia 11 de abril de 1862.

Emílio Ribas em sua foto
mais conhecida
Modesto, José Lélis Nogueira não quis saber de pompa e circunstância na festa programada pelo Palácio dos Bandeirantes. Não enviou convites para a imprensa e avisou apenas os amigos mais próximos sobre o evento desta manhã.

Quem conhece o médico José Lélis Nogueira sabe que ele não busca reconhecimento pela obra biográfica sobre seu conterrâneo.

Lélis pretende perpetuar a extensa obra científica de Emílio Ribas

No Google é possível encontrar uma tímida biografia sobre o médico pindamonhangabense.

Trabalhei na Estrada de Ferro Campos do Jordão e sabia que foi Emílio Ribas um dos idealizadores da ferrovia criada para facilitar o acesso de tuberculosos aos sanatórios de Campos do Jordão.

Não sabia, por exemplo, que o Instituto Butantã foi criação de Ribas, mas sabia que havia sido um brilhante médico sanitarista no primeiro quartel do século XX.

Ao lado de Oswaldo Cruz, Vital Brasil, Adolfo Lutz e Carlos Chagas, foi um dos médicos que lutaram contra as epidemias e as endemias que assolavam o Brasil recém-convertido a República.

No começo do século XX, Emílio Ribas combateu a febre amarela com êxito exterminando o mosquito Aedes aegyptii, causador da dengue, que os taubateanos conhecem bem e a Prefeitura não conhece nada.

Portanto, a partir de hoje, o médico sanitarista Emílio Marcondes Ribas é o patrono da Saúde no Estado de São Paulo merecidamente.