Páginas

terça-feira, 15 de maio de 2012

ORTIZ MENTE: EDITAL DA FDE SÓ FOI APROVADO APÓS MODIFICAÇÃO IMPOSTA POR TCESP

O ex-prefeito José Bernardo Ortiz saiu da zona de conforto em que se encontrava, ignorando convocação e/ou convites para ser ouvido na Assembleia Legislativa, para passar a segunda-feira (14/05) em Taubaté se explicando nas rádios Metropolitana e Difusora.

A prestação de contas de Ortiz foi motivada pela publicação, primeiro neste blog e, depois, no jornal O Vale, de denúncia feita por um advogado paulista de formação de cartel de empresas que participariam de uma concorrência pública para a venda de mochilas escolares à FDE.

Sexta-feira (11/05), publicamos que o deputado Alencar Santana, líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa, deveria entrar nesta semana com representação no Ministério Público contra a FDE e seu presidente, o ex-prefeito taubateano José Bernardo Ortiz. A previsão é que a representação seja encaminhada hoje (15/05) ao MP.

Sábado (12/05) nossa postagem foi a respeito da previsão acertada do advogado José Eduardo Bello Visentin. Em sua declaração registrada em cartório no dia 3 de agosto de 2011. Das três empresas apontadas como possíveis vencedoras do pregão, duas venceram.

Bernardo Ortiz preside o maior órgão de compras, reformas e construções escolares da Secretaria de Educação do governo de São Paulo, que detém orçamento de cerca de R$ 2,5 bilhões somente para este ano.

Ortiz tergiversa quando tenta fazer crer que denúncias contra a FDE visa atrapalhar a candidatura de seu filho, Ortiz Júnior, pré-candidato a prefeito de Taubaté pelo PSDB.

Nesta segunda-feira (14/05), o velho lobo teve que se explicar. Ele participou do Radar Noticioso da Rádio Metropolitana, pela manhã, e do Taubaté Urgente! da Rádio Difusora, no horário do almoço.

Uma pessoa ligada ao ex-prefeito disse que Ortiz foi à rádio justificar o injustificável. Infelizmente não pude ouvir os programas.

Não ouvi, mas acabei de ler a matéria de O Vale desta terça-feira (15/05).

Ortiz mente quando afirma que o seu edital para a compra das mochilas foi aprovada pelo Tribunal de Contas.

Ele não disse, no entanto, que o edital foi aprovado após as modificações impostas pelo próprio Tribunal de Contas em atendimento a demanda de empresas que participariam do certame licitatório.

Veja ao lado publicação no Diário Oficial do Estado de 4 de agosto de 2011, Poder Executivo, Seção I, pág. 106, comunicando a suspensão do pregão eletrônico objeto do edital 36/00499/11/05 para a aquisição de mochilas escolares.

Veja aqui ata da 23ª sessão ordinária do Tribunal Pleno do Tribunal de Contas, realizada no dia 3 de agosto de 2011, sob a presidência do conselheiro Cláudio Ferraz de Alvarenga, no Diário Oficial de 18 de agosto de 2011, na seção do Poder Legislativo, página 65.

Nela, as empresas NeF2 Suprimentos Industriais e Comércio, Simmar Comércio e Desenvolvimento Tecnológico Ltda, e Diana Paolucci S/A Indústria e Comércio Ltda têm acolhida representação apresentada ao Tribunal de Contas pedindo o cancelamento da licitação relativa ao edital 36/00499/11/05.



O Tribunal não só concedeu o adiamento do pregão como determinou a remessa do edital parta ser analisado.

Bernardo Ortiz, portanto, mente quando diz que seu edital foi aprovado pelo TCESP.

A aprovação só ocorreu após ser modificado por determinação do próprio Tribunal de Contas.

Como de costume, Ortiz não respondeu objetivamente e joga a culpa em outros.