Páginas

sexta-feira, 25 de maio de 2012

PSOL REÚNE FILIADOS E MILITANTES SÁBADO E PODE DEFINIR CANDIDATO A PREFEITO

Neste sábado (26/05), o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) reúne filiados e militantes para, possivelmente, escolher o candidato do partido à sucessão do prefeito canastrão de Taubaté, Roberto Pereira Peixoto.

O encontro está marcado para as 16 horas no prédio da antiga escola Lopes Chaves, na rua Pedro Costa, 164, centro, esquina com a Rua Anísio Ortiz Monteiro.

Fernando Borges, candidato a prefeito pelo partido nas eleições de 2008, deve ser candidato a vereador nestas eleições.

Jenis Andrade poderá ser o candidato do PSOL a prefeito de Taubaté. O professor Silvio Prado disse que gostaria de ser candidato, mas saberá, com certeza, aguardar sua vez

Abaixo, reproduzo nota de convocação da direção do PSOL redigida por Tony Marmo.

Camaradas,

1. Lembramos que amanhã, sábado, dia 26 de maio, realizaremos nossa Plenária Municipal, todos convidados.

Rua Pedro Costa, 164 - Centro Antiga Escola Lopes Chaves, na esquina com a rua Anísio Ortiz Monteiro

Horário: 16 horas

2. A política francesa atual ainda vive as divisões instauradas na época da coluna de Paris. Antes da segunda guerra mundial, a elite francesa pedia o fim das 40 horas para que a indústria bélica equipasse mais as FFAAs numa guerra contra a Alemanha de Hitler. O operariado francês disse não, por uma razão muito simples: não acreditava que a elite enfrentasse mesmo os nazistas. A Guerra Civl Espanhola tinha acontecido do lado deles, Mussolini e Hitler mandaram armas e soldados para massacrar os espanhóis, e a França não tinha feito nada. Na época da Coluna de Paris, a própria capital francesa tinha sido entregue aos Prussianos. De fato, na década de 1940, quando Hitler veio para cima dos franceses, a elite recuou e fez o pacto de Vichy.

Sarkozy deveria representar o gaullismo, que resistiu à ocupação, mas no seu mandato foi muito mais um novo Marechal Pétain sem farda, cedendo tudo para os interesses dos grandes bancos alemães. Derrotado nas urnas, ainda assim não ficará sem emprego: como cláusula deixada por de Gaulle, os ex-Presidentes Franceses têm direito a assento nato e vitalício no Conselho Constitucional. Sim, pois a França não tem um Tribunal Constitucional, mas um Conselho do qual participam não apenas juristas. Como ex-Presidente, Sarkozy tem uma aposentadoria de 6.000 euros. Se aceitar ser Conselheiro, ganhará mais 11.500 euros. Enquanto isso, o Ministério Público Francês deverá abrir processos contra Sarkozy por casos de corrupção do seu período presidencial.

Ce que l'Etat versera à Sarkozy après son départ de l'Elysée


Sarkozy pode enfrentar inquéritos quando perder imunidade