Páginas

segunda-feira, 4 de junho de 2012

CARTA ABERTA À MAJOR ELIANE NIKOLUK, COMANDANTE DO 5º BATALHÃO DA PM

Prezada Major Eliane Nikoluk, digníssima comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar do Interior, com sede em Taubaté:

O que assisti no final da noite de domingo no Facebook lembrou-me cenas vistas no início do ano quando a Polícia Militar invadiu o Pinheirinho, em São José dos Campos, e desalojou com grande violência cerca de 5 mil pessoas de suas moradias.

O que aconteceu em Taubaté na tarde de sábado, segundo relato de uma testemunha que estava no local, foi infinitamente menor, mas mostra bem o grau de despreparo dos homens que deveriam zelar pela segurança da população.

Acionados pela guarda municipal, dois soldados que estariam patrulhando a cidade, agiram com extrema violência contra cidadãos pacatos, trabalhadores, que passavam uma tarde com seus filhos após uma semana estafante de trabalho.

Se a senhora prestar atenção ao vídeo gravado por um aparelho de telefone celular, vai ouvir nitidamente quando um dos ameaçados pelos policiais dizia que o rapaz que acabara de ser agredido trabalha a noite inteira e estava cuidando do filho na praça.

Major Eliane Nikoluk, sei que a senhora não compactua com a violência policial, ainda mais gratuita. Veja como um dos policiais joga ao chão um dos frequentadores da praça. Ao policial cabe ser firme, mas jamais truculento.

No filme, a senhora verá o sangue escorrendo da cabeça do rapaz supostamente agredido pelo PM.

Preste atenção quando o policial, com arma de grosso calibre em punho, manda outro cidadão vazar. A palavra, usada no jargão policial, significa se manda, vai embora, some daqui.

Creio que a senhora tomará as providências cabíveis e punirá exemplarmente os policiais após assistir à gravação e ouvir as partes em sindicância.

Tenho certeza que a senhora não não permitirá que policiais despreparados, que se acham acima das leis, manchem o belo trabalho que a senhora vem fazendo em Taubaté nestes poucos meses de convivência entre nós.

A sociedade clama por justiça e gostaria de saber, nem que seja por nota oficial, o que será feito em relação a este ato de truculência praticado por quem não merece vestir o uniforme da Polícia Militar.

De antemão, quero dizer que só tomei conhecimento do fato pelo Facebook, onde a senhora poderá ler alguns depoimentos de quem estava no local e de outros que se revoltaram com a arrogância e a ameaça dos policiais.

Fiquei revoltado e chocado ao assistir às cenas de violência explícita.

Aqui, o primeiro depoimento sobre o caso acima narrado: (os demais a senhora vai encontrar no próprio Facebook)

O caso foi o seguinte: na tarde de ontem, alguns guardas municipais foram até o parque municipal do jardim das nações fazer uma ronda e estacionaram as motoquinhas no meio da pista de skate onde os meninos estavam andando; os skatistas pediram pros guardas tirarem a moto de lá pois estava atrapalhando; os guardinhas disseram que não iam tir.ar, pois o local era público e eles paravam a moto onde bem entendessem; então um dos guardas ligou de seu telefone particular pra um PM amigo dele, que se dirigiu até o parque junto com um parceiro. No momento, diversas famílias passeavam no parque, era cerca de 5 da tarde, tinha várias crianças brincando no parquinho; os soldados desceram da viatura empunhando armas de forte calibre na direção das crianças, inclusive um dos soldados estava sem identificação no colete. O rapaz agredido pediu ao PM que abaixasse a arma pois haviam crianças no parque no momento que estavam vendo a cena e ficaram com medo, além disso a arma estava apontada na direção delas. O PM Soldado Pereira se irritou com o pedido do rapaz e o agrediu, derrubando ele no chão e a seguir deu uma coronhada na sua cabeça, a qual sofreu um grande corte, onde foram necessários 10 pontos pra fechar o corte. Enquanto isso, o soldado sem identificação acionou reforços e tentou tirar o celular das mãos da pessoa que estava filmando, para evitar a divulgação do vídeo. Quando as outras viaturas chegaram, o Soldado Pereira foi advertido por um deles, de que não poderia ter agido dessa forma; o mesmo então se retirou correndo do local. Em nenhum momento foi prestado socorro ao rapaz agredido por parte dos PM's, e nem a ambulância foi até o local. E foi isso

Aqui, o vídeo da violência policial. Para assisti-lo, é necessário copiar o link e colar no navegador de seu computador porque ele não está no You Tube, só no Facebook.

http://www.facebook.com/video/video.php?v=370723466324590