Páginas

segunda-feira, 18 de junho de 2012

MÁRIO ORTIZ E POLLYANA ESTÃO MAIS PRÓXIMOS QUE TAUBATÉ E TREMEMBÉ

Não há porque duvidar da palavra de Mário Ortiz que disse na manhã de sábado (16/06) no Centro Pólo Educacional, na Vila Nogueira, que estará ao lado da vereadora Pollyana nas próximas eleições municipais.

Mário Ortiz e Pollyana elaboram plano de governo
participativo com apoio da militância política
Pelo menos sessenta militantes das duas agremiações partidárias (PPS e PSD) participaram do evento para apresentar suas propostas de governo e interagir com os pré-candidatos. Mário Ortiz e Pollyana propõem um governo participativo.

No mesmo sábado, à noite, Mário Ortiz participou da festa do Conventinho, na Vila São Geraldo. Lá estavam o vereador Vanone e o pré-candidato a prefeito tucano Ortiz Júnior.

Não vejo nada demais no encontro de Mário Ortiz e Ortiz Júnior. O local - pátio do Conventinho - é público, havia centenas de testemunhas e outros políticos estavam no mesmo ambiente.

Estamos em ano eleitoral! Nada de anormal neste encontro.

É prática comum no Brasil políticos participarem de festas religiosas, casamentos, batizados, aniversários e velório, entre outros. Eles querem ser vistos.

Ortiz Júnior, por exemplo, exagera na dose. Para tornar-se conhecido, frequenta igreja evangélica, candomblé e se, for convidado, vai à igreja islâmica onde por certo declararia fidelidade à crença muçulmana.

Os sicofantas, por sua vez, tentam plantar acordos políticos inexistentes nos jornais apenas para bajular seus chefes e fazer jus ao salário que recebem religiosamente nos meses que antecedem a eleição.

Historicamente, Taubaté sempre foi dominada pelas oligarquias rurais, comerciais e industriais. Do final do século XIX até a metade do século XX estes vetustos senhores detinham o poder moderador.


Os governos populares se sucederam em Taubaté somente na segunda metade do século XX. Pouca coisa mudou daquela data a esta, mas os oligarcas continuam no poder.

O introito é necessário para entendermos o momento de transição que estamos vivendo.

Ao início do segundo decênio do século XXI, teremos a oportunidade de promover a mudança que queremos e precisamos.

Não podemos permitir que governos oligarcas ou seus paus mandados continuem no comando político local.

As coligações estão sendo feitas: PT/PMDB, PSDB e mais uma dezena de partidos, PV/PR, PPS/PSD, ambos praticamente sem tempo de televisão e sem dinheiro para fazer campanha.

O PMDB chegou ao governo municipal em 2004 apoiado pelo PSDB e pelo PV. Continuou em 2008 com apoio do PT

Formava-se, em 2004, uma conjugação de interesses que pretendia governar Taubaté em sistema de rodízio pelos vinte anos seguintes.

Bernardo Ortiz, Padre Afonso e Ortiz Júnior não esperavam que Peixoto, eleito com o apoio dos três, rompesse o elo da corrente para se candidatar à reeleição.

Peixoto deu uma rasteira e uma banana para seus apoiadores.

Recentemente, os jornais noticiaram a oferta de Ortiz Júnior em troca do apoio de Mário Ortiz: uma secretaria de sua livre escolha.

Estive com o vereador no sábado (16/06). Perguntei sobre o assunto. Mário afirmou que a matéria é mentirosa. Não há porque duvidar de sua palavra.

Mário Ortiz participava, com a vereadora Pollyana Gama, de um evento organizado em conjunto pelo PPS e PSD.

Logo na abertura do evento, que reuniu cerca de 60 pessoas interessadas em contribuir com o plano de governo da dupla, Mário Ortiz reafirmou que caminhará ao lado de Pollyana nestas eleições.

Militantes das campanhas de Pollyana e Mário Ortiz, prontos para fazer as mudanças que Taubaté precisa