Páginas

quarta-feira, 27 de junho de 2012

PV DEVE DISPUTAR PREFEITURA
DE TAUBATÉ COM CHAPA PURA

Diante da dificuldade de encontrar um nome para compor sua chapa para as eleições de outubro, o deputado estadual Padre Afonso deve convidar “alguém de dentro” para ser candidato a vice-prefeito. O resto é especulação.

A tentativa de Padre Afonso de convencer a vereadora Pollyana a ser vice em sua chapa malogrou. Mário Ortiz está reticente e reluta diante do convite do candidato a prefeito pelo PV.

Padre Afonso pode optar por chapa pura
Padre Afonso tem, digamos, 72 horas para solucionar o problema – de hoje (quarta-feira, 27/06) a sábado (30/06). A solução caseira, aparentemente, é a mais viável.

Até lá, a boataria se esparramará pela cidade dando acordos inexistentes como se tivessem realmente acontecido.

Sábado (30/06) tudo se resolve.

Pollyana calará os incrédulos e os machistas que veem na vereadora uma boa candidata a vice-prefeita.

Esquecem que este país é brilhantemente dirigido por uma mulher, que a presidente do CNJ é mulher, que o Gabinete Civil da Presidência da República é ocupado por uma mulher e outra mulher dirige uma das maiores petrolíferas do mundo.

Decidida como há muito não se vê na política taubateana, Pollyana será candidata a prefeita e não abre mão.

Não se trata de Clube da Luluzinha.

Trata-se de competência invulgar para tomar decisões que beneficiem a população e a desafiar o paradigma machista que domina nossa sociedade desde que D. João VI aqui aportou em 1808.

Mário Ortiz, detentor de decisão liminar favorável em processo contra si no STJ, deve se lançar candidato, mas continua conversando com Pollyana.

Com as máquinas azeitada$, PT/PMDB e PSDB+12 partidos apostam no longo tempo que terão de exposição na televisão para convencer os eleitores a votarem em seus candidatos. – Isaac do Carmo e Ortiz Jr, respectivamente.

As dificuldades momentâneasO que pode parecer dificuldade para uma candidatura a prefeito será minimizada quando o horário eleitoral gratuito começar.

A decisão do eleitor dependerá do carisma e das propostas de governo que os candidatos devem apresentar.

É aí que o bicho vai pegar. Quem tem garrafa vazia para vender?