Páginas

sexta-feira, 20 de julho de 2012

ORTIZ CONTRATA ADVOGADO PELA FDE
PARA DEFENDER INTERESSE PRÓPRIO

José Bernardo Ortiz, presidente da FDE, órgão vinculado à Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, responde a vários processos na Justiça e foi condenado em pelo menos um deles por improbidade administrativa quando foi prefeito desta urbe quase quatrocentona.

A máscara de Bernardo Ortiz caiu quando vieram à lume as denúncias de formação de cartel para a venda de quatro milhões de mochilas para a FDE denunciadas pelo advogado José Eduardo Bello Visentin. Custo: R$ 40 milhões.

Bernardo Ortiz contrata advogado pela FDE para
defendê-lo na Justiça: imoralidade e ilegalidade
Ortiz acusou o golpe. O velho lobo passou duas segundas-feiras em Taubaté se explicando e atribuindo as denúncias ao PT.

O Goebbels taubateano mentiu na Difusora e na Metropolitana. Depois mentiu na carta enviada aos vereadores na qual distorce os fatos e tenta desqualificar a denúncia como uma mentira gobeliana.

Feita a introdução, vamos aos fatos:

O advogado Leandro da Rocha Bueno era o responsável pela defesa de José Bernardo Ortiz nos inúmeros processos que o ex-prefeito taubateano responde na Justiça.

Era!

Bernardo Ortiz, conhecido por sua sovinice, nomeou o advogado Leandro da Rocha Bueno para assessorá-lo na presidência da FDE, conforme demonstra a portaria abaixo.

Antes, uma explicação fundamental.

Leandro da Rocha Bueno era agregado ao escritório da advogada Flávia Palaveri, contratada para defender Ortiz junto ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.

Os processos judiciais sofridos por Bernardo Ortiz eram acompanhados pelo advogado Leandro, que tinha procuração para tanto.

A proposta de Bernardo Ortiz, de nomear Leandro da Rocha Bueno seu assessor de confiança atendia a dois objetivos:

1)    Ortiz não precisaria mais pagar o escritório da advogada Flávia Palaveri pela rescisão contratual que adviria.

2)    Ortiz teria a seu lado, pago com dinheiro público, o advogado que conhecia todos os processos contra si.

Para completar o quadro, o filho Bernardo Ortiz Junior recebeu procuração para defender o pai em todas as instâncias judiciais.

Agora, a portaria nº 73, de 13 de abril de 2011, pela qual Bernardo Ortiz nomeia o advogado Leandro da Rocha Bueno como seu assessor de confiança.



FDE paga viagem a Brasília para advogado defender Ortiz.

Menos de quarenta dias depois (pela portaria 83, de 23 de maio de 2011), Bernardo Ortiz designa o advogado Leandro da Rocha Bueno para Supervisor de Auditoria, Normatização e Qualidade da FDE.

A nova função não prevê a ida de Leandro à Brasília ou qualquer outro lugar. Tecnicamente, o advogado não tem competência para responder pela FDE em qualquer instância judicial simplesmente porque não tem procuração para tal.

Além do mais, por exercer cargo de chefia em órgão público, Leandro é impedido de  advogar, como acontece com delegados de polícia, juízes e promotores, por exemplo.

Isto explica porque Ortiz Junior tem procuração para defender o pai em qualquer foro judicial.

Quem faz tudo é Leandro da Rocha Bueno, mas quem assina a papelada é Ortiz Junior, que atua como procurador do pai.

Cronologia da viagem à Brasília paga com dinheiro público.

No dia 8 de fevereiro deste ano a TAM emitiu um bilhete de passagem em nome do advogado Leandro da Rocha Bueno para Brasília, com retorno previsto para o dia seguinte.

A compra teria sido paga pelo próprio Leandro, que pediu o reembolso de R$ 1.109,32, conforme autorização de pagamento autorizada por José Bernardo Ortiz em 13 de fevereiro de 2012, ou seja, há menos de cinco meses.

Cabe outra explicação:

A viagem de Leandro a Brasília, paga com dinheiro público, tinha um objetivo: acelerar os julgamentos dos processos contra Bernardo Ortiz que correm nos tribunais superiores para possibilitar sua candidatura a prefeito de Taubaté.

Aqui, o bilhete de viagem e o pedido de reembolso autorizado por Bernardo Ortiz.











A outra devolução assinada por Bernardo Ortiz data de 5 de março deste ano, há quatro meses, portanto. O valor é de R$ 1.026,92. A viagem estava programada para o dia 14 de fevereiro.

No espaço de uma semana, o advogado contratado pela FDE viajou duas vezes à Brasília para cuidar de interesses particulares de Bernardo Ortiz.