Páginas

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

ISOLADO, PEIXOTO DEIXA O PMDB
PARA ENFRENTAR INFERNO ASTRAL

O inferno astral do prefeito Roberto Peixoto está apenas começando. O repórter Rogério Veloso, da Rede Difusora, foi o primeiro a noticiar a desfiliação anunciada na manhã desta quarta-feira durante entrevista coletiva no colégio Fego Camargo.

O ex-deputado Ary Kara, coordenador regional do PMDB, acredita que nesta quinta-feira (30/08) Jacir Cunha deverá ser o portador da carta de desfiliação de Peixoto.

A quatro meses de desocupar o Palácio do Bom Conselho, Roberto Peixoto se prepara para enfrentar seu inferno astral, que não se cingirá apenas aos 30 dias que antecederão seu próximo aniversário.

Peixoto na madrugada de 25/06/2011 ao deixar o xilindró da PF em São Paulo
O inferno astral do (ainda) prefeito de Taubaté deve durar anos e tem final (im)previsível. Para os (ex)amigos mais próximos, o isolamento atual do alcaide é só um indício do que poderá ocorrer no futuro.

Ao anunciar que está deixando o PMDB, Peixoto afirmou, segundo o repórter Rogério Veloso, que seguirá os passos da (por enquanto) primeira-dama Lu Peixoto.

Ou seja, Peixoto admite que faz o que sua mulher manda. Parvo, o prefeito de Taubaté não conduz. É conduzido.

Ao seguir o destino político-partidário de Lu Peixoto, o (por enquanto) prefeito Roberto Peixoto assinou atestado de incompetência e de submissão.

QUEDA DE BRAÇO

A queda de braço envolvendo Lu e Roberto Peixoto de um lado e o ex-deputado Ary Kara do outro chega a um fim melancólico para o prefeito canastrão.

Tudo começou quando Lu quis impor o ex-secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura, Anthero Mendes Pereira Filho, como candidato a prefeito pelo PMDB.

Ary Kara preferia o secretário de Governo Adair Loredo.

Afirmei, em postagens anteriores, que Ary Kara deixava o barco correr, mas tinha o leme nas mãos e não perderia o rumo, ou seja, ele conduziria a escolha do candidato do PMDB.

Toda esta discussão antecedeu ao período eleitoral em que os pré candidatos tinham que se afastar de seus cargos.

Adair Loredo preferiu continuar no governo e Anthero renunciou ao cargo de secretário a tempo de ser candidato a vereador. Com o apoio de Lu Peixoto, lutou pela sua indicação como candidato a prefeito pelo PMDB.

Jogou mal politicamente e perdeu. Ary Kara é praticamente invencível nos bastidores. O ex-parlamentar costurou a aliança com o PT e tirou da cartola Rubens Fernandes, que acabou indicado como vice-prefeito na chapa de Isaac do Carmo.

Acabava o reinado da dupla Roberto e Lu Peixoto no PMDB.

A primeira se desfiliou há algum tempo. Nesta quinta-feira será a vez de Roberto Peixoto.

A partir de 1º de janeiro de 2013, com os bens bloqueados pela Justiça, sem dinheiro, sem amigos e, quiçá, sem a esposa por perto, Peixoto enfrentará muitas batalhas jurídicas e pessoais.

O ocaso de Roberto Peixoto abre as portas do inferno astral para o alcaide taubateano.