Páginas

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

MÉDICA ACEITA CANDIDATURA
A VEREADORA E NOVO DESAFIO

Poucos hão de se lembrar do corajoso depoimento da médica Rita de Cássia Bittar na Comissão Processante instalada na Câmara Municipal para apurar denúncias de infração político-administrativa envolvendo o prefeito Roberto Peixoto.

A doutora Rita de Cássia Bittar, dotada de coragem ímpar, denunciou a falta de remédios que assolou Taubaté no final de 2008 e no começo de 2009, bem como o aumento no número de mortes no Pronto Socorro Municipal.

Abaixo, trechos da postagem neste blog em 31 de julho de 2011, após o depoimento da doutora Rita de Cássia Bittar à Comissão Processante da Câmara Municipal:

GENOCÍDIO
Vereadora Pollyana homenageia a médica Rita de Cássia em sessão
solene na Câmara Municipal pelo Dia da Mulher em 2011
O depoimento corajoso da médica (que merece título de cidadã taubateana pelos serviços prestados a esta urbe) parece não ter comovido alguns vereadores. O que houve em Taubaté no final de 2008 e nos primeiros meses de 2009 pode ser colocado na conta do prefeito canastrão como genocídio por omissão.

CORAGEM
A doutora Rita foi diretora de Saúde num momento de crise área da saúde pública municipal, com a falta de remédios e o número de mortes crescente no Pronto Socorro. Ela foi extremamente corajosa ao denunciar a falta de planejamento na área da saúde, a ponto de pedir socorro em outros municípios da região para suprir nosso pronto-socorro com medicamento.

COMPROMETIDOS
O caso, grave por si só, seria suficiente para punir o prefeito canastrão por parte da Câmara Municipal. Porém, o número de vereadores comprometidos com as maracutaias da atual “administração” é grande e está cada vez mais difícil conseguir os dez votos necessários para Peixoto ser cassado.

Funcionária de carreira da Prefeitura de Taubaté há 29 anos, a médica Rita de Cássia Bittar prestou serviços em vários postos médicos na periferia.

Por um curto período foi diretora de Saúde do município, época em que travou intensas discussões com o prefeito Roberto Peixoto alertando-o para a falta de remédios e as más condições de trabalho a que eram submetidos os funcionários da saúde pública.

A proposta da doutora Rita era reduzir o expansionismo inútil de postos médicos nos bairros para melhorar a qualidade do atendimento ao público e ampliar a oferta de remédios à população.

Não foi atendida pelo prefeito canastrão, que jamais se preocupou com a saúde pública.

Uma herança, aliás, recebida do ex-prefeito Bernardo Ortiz: expandir os postos médicos sem investir em qualidade de atendimento.

Resultado: serviço público de má qualidade.

Desafiada por amigos, a doutora Rita de Cássia, após 29 anos de dedicação à saúde pública municipal, como funcionária concursada, será candidata a vereadora.

Um novo desafio para essa valente e valorosa mulher.