Páginas

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

NÃO SOU BELIGERANTE, MAS
ADORO UM DEBATE POLÍTICO

Reproduzo comentário enviado por leitor anônimo sobre o artigo “Da Rua do Café ao Bonfim, histórias de corrupção”, publicado terça-feira (21/08) neste blog. O que me chamou a atenção foi a ameaça velada contida no texto. Se o recado foi para mim, saiba o anônimo, desde já, que o desafio está aceito.

Agora, o comentário anônimo:


O SENHOR SABE QUEM É RODRIGO ROLHA?SABE O QUE ESSE CARA FEZ OU FAZ?SERÁ QUE A REVISTA QUE ACOLHEU ESSAS DENÚNCIAS SABE QUEM É ESSE CIDADÃO. VERDADE OU NÃO A GUERRA TEVE SEU INÍCIO.
NÃO SEREI DEFENSOR DE QQR CANDIDATO,MAS CREIO QUE A BAIXARIA SÓ COMEÇOU.IMAGINO QUE O TELHADO DE VIDRO DE UM OU DE OUTRO SOFRERÁ AFETADO OU ATÉ DESTRUÍDO.PEDRADAS SERÃO LANÇADAS AQUI ,ALI E ACOLÁ.
E, ATÉ MESMO AS RELAÇÕES PESSOAIS E INTERPESSOAIS DE POLÍTICOS E JORNALISTAS SERÃO REVIRADAS E EXPOSTAS A CERTOS CONSTRANGIMENTOS.LAMENTÁVEL.
OBSERVADOR DA HISTÓRIA.

Aqui, a resposta:

Conheço o Rodrigo ao qual se refere o missivista como conheço o Ortiz Júnior, o Isaac do Carmo, o Mário Ortiz, o Joffre Neto, o Chico Saad, o Digão, o Padre Afonso e dezenas de outros políticos sem, contudo, gozar de intimidade com nenhum deles.

É um relacionamento profissional do jornalista com possíveis fontes. Se a fonte do jornalista seca, ou ele procura novas fontes ou morre à míngua, sem informações para contentar seus leitores ou ouvintes.

Sei que o Rodrigo, em 2004, trabalhou ao lado de Ortiz Júnior pra eleger prefeito Roberto Peixoto.

Sei também que a dupla esteve em São Paulo para conversar com o PTC de Ciro Moura. Após a conver$a, o partido nanico deixou a coligação de apoio a Mário Ortiz, que ficou a ver navios.

Para o bem da verdade, é importante dizer que as informações repassadas à IstoÉ são de Djalma Silva Santos. O Rodrigo não tem nada a ver com isso.

Infelizmente, em todo o mundo, eleição se ganha com baixaria. Leia as acusações feitas por Barak Obama a Mitt Rooney e vice e versa, nas eleições presidenciais americanas.

O mundo ainda não aprendeu a construir uma candidatura em cima de programas de governo.

Por isso as denúncias contra os políticos pululam diariamente na mídia.