Páginas

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

TRATAMENTOS DIFERENTES PARA
CRIMES SEMELHANTES E CONEXOS

Uma pena que os cidadãos brasileiros pouco se interessem por política. Poderíamos apontar vários motivos. Um deles é a falta de interesse puro e simples pelo assunto. O outro é a falta de estímulo em nossas escolas para aulas de política e cidadania.

O resultado é o que se vê. Um povo alienado, que só vai se interessar pelos candidatos a prefeito de sua cidade quando faltarem poucos dias para votar.

A hegemonia da direita no Brasil remonta ao início de nossa colonização.

As castas nacionais se aproximaram da base da pirâmide social após o governo Lula.

A direita não desiste.

Para manter seus privilégios, que hoje são menores, contam com o apoio da imprensa golpista, sabiamente chamada de PIG (Partido da Imprensa Golpista).

O mensalão petista e o mensalão tucano são crimes iguais, cometidos pelas mesmas pessoas e julgados por vetustos juízes do STF em um mesmo lugar, sob os holofotes da mídia.

Há conexão entre os crimes cometidos por petistas e tucanos. Os operadores são os mesmos. Marcos Valério na liderança.

Então, por que são tratados diferentemente?

Em Taubaté, a situação é semelhante.

Os tucanos apontam seus dedos acusadores na corrupção do governo peemedebista de Roberto Peixoto.

Neste início de campanha, para enfraquecer Isaac do Carmo (PT), que não anda bem das pernas, acusam-no de ser aliado ao PMDB.

Ou seja, o petista é corrupto antes mesmo de ter cometido qualquer crime.

O que dizer de Ortiz Júnior, acusado de envolvimento em esquema de corrupção na FDE, com documentos exibidos neste blog. Ortiz Júnior vai depor no Ministério Público sobre o esquema denunciado pelo lobista Djalma Santos.

O silêncio sepulcral da mídia só é rompido quando é para defender o candidato tucano. O jornalista Barbosa Filho, à respeito, escreveu o artigo que reproduzo abaixo. Confira.

CANDIDATURA DOS ORTIZES FERIDA DE MORTE

Antonio Barbosa Filho

A publicação pelo blog do colega Irani Gomes de Lima de um dos vários diálogos telefônicos entre Bernardo Ortiz Júnior e o lobista Djalma Santos tem peso para demolir qualquer candidatura. Não se trata de uma crítica, de uma denúncia, de uma opinião: é a PROVA da ligação entre um não-funcionário do Estado e um representante de empresa fornecedora ao Estado, tratando de negócios escusos. Ficar calado sobre isto é cumplicidade com um crime, cujos indícios estão sendo investigados pelo Ministério Público.

A sorte dos Ortizes é que a imprensa de São Paulo está toda comprada pelos governos tucanos. A própria FDE - Fundação para o Desenvolvimento da Educação, presidida por Ortiz pai, comprou milhões em assinaturas da Folha de S. Paulo, da revista veja e outras publicações, uma forma segura de calar a boca desses órgãos que já eram tucanos por vocação. O falecido Otávio Frias, dono da Folha, chegou a dizer que não morreria sem antes ver o Serra presidente da República. Seu filho e herdeiro (ai, os herdeiros...), Otavinho Frias, publicou na primeira página de seu jornal uma ficha policial falsa de Dilma Roussef onde ela aparecia como "terrorista", em plena campanha eleitoral de 2010. Serra era articulista da página 2 do jornal.

Por essas e outras várias razões, não esperem os leitores ou telespectadores da Globo e outras emissoras qualquer notícia sobre escândalos do PSDB. Dias atrás circulou na internet um vídeo de Aécio Neves, outro possível candidato a presidente pelo PSDB, completamente bêbado na madrugada do Rio de Janeiro - nenhuma linha, nenhuma foto nos principais jornais ou TVs do Brasil! A única vez que a imprensa criticou Aécio foi no jornal O Estado de S. Paulo, que publicou artigo encomendado por Serra contra seu adversário mineiro. O título era "Pó pará, governador!", e insinuava que o então governador de Minas usa cocaína.

A revista veja publicava matérias feitas pelo gangster Carlinhos Cachoeira, finalmente preso, mas ainda mandando no Governo tucano de Goiás e com muita força em outros Estados. Ou seja: nossa imprensa é super "investigativa" contra os petistas, e até inventa escândalos que logo em seguida são abandonados por total ausência de fundamento; já os crimes cometidos por algum tucano ficam longe do conhecimento de leitores e telespectadores.

Acho ótimo que se publique qualquer irregularidade cometida por membros do PT e demais partidos ditos de esquerda, ou trabalhistas, ou socialistas. Mas devemos exigir que se dê o mesmo tratamento aos partidos da direitona-burra, como o PSDB. O cidadão tem o direito de saber dos podres da Política, para poder escolher entre os melhores - e existe muita gente honesta na Política. Mostrar os erros só de um lado é censurar, é eliminar o sagrado direito que o povo tem à Informação. Jornal é jornal; panfleto de propaganda é panfleto. Veja, Folha, O Globo e Estadão viraram panfletos.

O FIM

Em qualquer lugar civilizado, a publicação desse diálogo entre Juninho e o lobista bastaria para destruir qualquer pretensão político-eleitoral do candidato. Se o Juninho tiver vergonha na cara, abandona hoje sua candidatura, em respeito ao eleitor de Taubaté. Iria cuidar de sua defesa, porque mais cedo ou mais tarde será punido pelo que fez. Mesmo que fosse eleito, um dia poderia ser retirado da Prefeitura pela polícia, como já aconteceu com outros corruptos.

Taubaté não merece um prefeito que, antes mesmo de ser eleito está cercado de suspeitas gravíssimas, todas documentadas.

Vamos ver se os movimentos pela Ética, os jornais que se dizem independentes, as emissoras de rádio e TV do Vale, acordam para este escândalo e cumprem seu dever básico. Quem se calar, na minha opinião, está levando algum...