Páginas

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A HIPOCRISIA DO CANDIDATO
QUE CAI POR CONTA PRÓPRIA


Por Carlos Karnas

Os fatos políticos, especialmente os que envolvem pessoas e autoridades em crime de improbidade administrativa e ladroagem não podem ser abafados. Devem compor o conjunto de informações, mesmo no calor de campanha eleitoral. Candidato envolvido na contravenção, especialmente quando acusado pelo Ministério Público e com denúncia entregue à Justiça, pode bradar inocência e reclamar do oportunismo ou perseguição política. Entretanto, a ação de promotores não deve ser desqualificada quando o procedimento segue o ritual sistemático do judiciário e está bem fundamentado.

Infelizmente, José Bernardo Ortiz, pai – presidente da Fundação para Desenvolvimento da Educação –, e José Bernardo Ortiz Monteiro Júnior, filho – candidato tucano a prefeitura de Taubaté –, estão denunciados por ladroagens. Os promotores de Justiça Sílvio Antônio Marques e Saad Mazloum pediram o afastamento cautelar e bloqueio de bens de José Bernardo Ortiz, da FDE, acusado de improbidade administrativa, favorecimento a cartel e superfaturamento na compra de 3,5 milhões de mochilas escolares ao preço global de R$ 34,9 milhões.

O filho, Ortiz Jr., é acusado pelos promotores de obter vantagem ilícita de, pelo menos R$ 1.746.009,90, correspondentes a 5% sobre o valor de R$ 34.920.198,00, recebido em razão do fornecimento de mochilas escolares à FDE. A denúncia que está na Justiça sustenta que Ortiz Jr. “aplicou parte ou todos recursos ilegais em sua campanha a Prefeito de Taubaté”. Pai e filho negam a fraude e sustentam que não existem provas.

A mídia nacional deu o destaque merecido a esse escândalo, enquanto que as mídias local e regional minguaram ou ignoraram espaço ao noticiário tão relevante para Taubaté e toda a região. Por que será? É de se pensar: impedimento comercial ou comprometimento editorial?

O que assusta e constrange, justamente, é o discurso hipócrita sustentado pelo candidato Ortiz Jr. como candidato a prefeito de Taubaté. Com a campanha mais rica e visível, perante todos os demais candidatos, o tucano foi moldado pela sua cara estrutura de marketing para enganar o eleitor e o povo taubateano. O candidato, cacifado com dinheiro de “ladroagem” – como consta na denúncia do Ministério Público –, pagou bem para alimentar com grandiosidade nunca vista a sua campanha eleitoral.

Valeu-se domidiático, daquilo que seduz pela imagem e despreza o conteúdo. Insistentemente tem aparecido em programas do horário político gratuito para dizer: Nos últimos anos, o taubateano perdeu a confiança nos políticos. Essa situação provoca um grande prejuízo para o futuro da cidade. É preciso que o Poder Público volte a apresentar soluções para a vida das pessoas. Mais do que isso, é fundamental que a política abra espaço para a participação ativa do cidadão. Pretendo seguir os bons exemplos dos meus pais, que me ensinaram que a política deve ser tratada com seriedade e compromisso com o povo". Essa é fala de Ortiz Jr., foi divulgada na campanha e está visível na internet. Ele é, portanto, razão provada para o taubateano perder confiança justamente nele como político. Nos programas de campanha, Ortiz Jr. usa apelo emotivo e alimenta esperança para o eleitor. Não se deve ter esperança nesse tipo de político, pelo menos enquanto a Justiça não decidir.

Todos os fatos que incriminam pai e filho são, neste momento, incontestáveis. O Ministério Público não poderá ser criticado, pois, caso não existissem provas robustas e não existissem o mínimo resquício de irregularidades praticadas pelos dois, certamente as denúncias morreriam no nascedouro, seriam desqualificadas pelos promotores e não chegariam ao ponto em que chegaram, nas bancas da Justiça. Onde há fumaça há fogo.

Portanto, Taubaté novamente é palco de escândalo político. A cidade e a população são alvos de descrédito e chacota nacionalmente. A campanha a prefeito, este ano, é pautada pelo discurso dos candidatos que pregam a ética, moralização e o fim da corrupção em Taubaté. Todos os candidatos pautaram compromissos nessa vertente, menos Ortiz Jr., o candidato tucano, de forma explícita. Ele insiste em se pautar por propostas e ações para Taubaté, muito mais contando com benefícios de compadrio do “amigo” governador Geraldo Alckmin.

E o governador – responsável por indicar e manter José Bernardo Ortiz na presidência da FDE das irregularidades – se prestou para fazer parte da campanha política e dar apoio aberto a Ortiz Jr., junto com o pai do candidato. Todos esquecem que a postura de governador não lhe dá direito – e é inconcebível – alardear os benefícios básicos que já deveriam ter sido dados ao município há anos. Tanto o Governo do Estado quanto o Governo Federal ainda não mostraram serviços exemplares e justos à população taubateana.

Ficam eternamente nas promessas eleitorais,para sedimentarem as candidaturas de determinados candidatos, como a do PSDB (Ortiz Jr.) e do PT (Isaac do Carmo) nas atuais eleições. Os compromissos do Estado e da União para com o município são constitucionais, de direito, sem regalias. É via de mão dupla, independente de quem seja prefeito ou candidato. A população jamais deve ser joguete, penalizada ou mistificada com falsas promessas pelos conluios políticos.

Querer-se desqualificar, menosprezar ou escamotear os escandalosos envolvimentos do candidato tucano na campanha eleitoral é repugnante, antidemocrático, perverso, por deixar margem ao coronelismo e ao caudilhismo dos caciques políticos conhecidos. Esse procedimento desqualifica a cidade e o taubateano. É desmoralizante em todos os sentidos. Não pode acontecer.

Os fatos que envolvem Ortiz Jr. e o pai são sérios e gravíssimos: os chancelam de criminosos. O candidato tucano pode ser taxado de propineiro e trambiqueiro. Nessa condição, deveria se retirar definitivamente da política e pedir desculpas totais à cidade, ao povo, ao eleitor e, especialmente, aos seus apoiadores e seguidores. Essa massa do “tudo de novo” está, justamente, a defender e a reivindicar tudo o que é mau, falso, improbo e corrupto em Taubaté.

Não há mais justificativas, bom tom e nem discurso que possam atenuar ou sustentar a candidatura de Ortiz Jr.. O candidato do PSDB é um vexame, quando o seu passado e o presente o condenam de forma enfática. É o candidato desacreditado na ética, na moral e na honestidade, mas lidera as pesquisas de intenção do voto.

Taubaté corre o risco de eleger o candidato que assume a condição de ficha suja, diferentemente de todos os demais. A prefeitura corre o risco de ser administrada por réu tão igual ao prefeito atual corrupto. Politicamente, Ortiz Jr. é acusado e está inserido em escândalo criminoso pela lei. Politicamente está com a honra e a dignidade comprometidas. Se ocupar qualquer cargo público, dele poderá sair com os punhos algemados, como aconteceu com Roberto Peixoto, ainda réu.

A decisão é da Justiça. Não faz mais sentido o discurso hipócrita de Ortiz Jr., de ser o inovador, honesto, ético e ter moral. As denúncias do Ministério Público não sustentam o que ele apregoa em campanha. O moço candidato do PSDB desqualificou-se por si só e pelos seus atos na contravenção. As denúncias dão o perfil do seu caráter. Ortiz Jr. é grandiosa e total mentira. A prefeitura de Taubaté poderá continuarabrigando sanguessuga do dinheiro público.

O candidato moço que aparece maquilado na campanha ficou nu. Caiu-lhe a máscara. Se é como ele apregoa, de pretender seguir os bons exemplos do pai que lhe ensinou que a política deve ser tratada com seriedade e compromisso com o povo, Taubaté e o taubateano estarão mal arranjados na miséria democrática e política. Pai e filho não são boas companhias e não devem servir de exemplo para ninguém. Esse tipo de gente deve ser banida do processo histórico-político brasileiro, de Taubaté e da região. Não há o que perdoar ou entender de outra forma o fato político do momento. Está na mídia nacional, está na Justiça. Infelizmente. O eleitor está definitivamente alertado. Muda Taubaté!