Páginas

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

CAJAZEIRA AFAGA "CHEFE"
DENUNCIADO POR FRAUDE

Regina Marcia Joffre Neto... o Irani Lima... está perdendo o tempo dele....escarafunchou...escarafunchou... e o que encontrou é o que é de conhecimento de todos nós... aquele contrato com a Câmara de Taubaté... que você trabalhou, gastou seu dinheiro com materiais etc... e não recebeu até hoje... É sempre assim... querem por que querem fazer de você a imagem e semelhança deles... ou seja...querem que você não seja limpinho... que seja sujinho assim como eles... Vamos deixar esses destemperos do Irani Lima... ele é um homem doente... precisa de descanso...de tratamento digno... se eu fosse filha dele... jamais permitiria que ele se expusesse dessa maneira... Não é por acaso...que eu e minha família...depositamos nossa total confiança em você..;chefia!!!

O texto acima foi publicado no grupo Blog do Irani Lima.

O desagravo de Regina Márcia, uma das cajazeiras do grupo Taubaté de Peixoto, mostra o grau de submissão dessa militante tresloucada ao catão da Vila São Geraldo.

Vamos aos fatos:

A novidade no processo 625.01.2011.020937-1/0000 é o despacho proferido pelo juiz titular da Vara da Fazenda Pública de Taubaté aceitando a denúncia de possível fraude em processo licitatório realizado pela Câmara Municipal para a contratação de Joffre Neto.

O despacho foi tornado público segunda-feira (19/11) por meio do Diário de Justiça Eletrônico (DJE). As alegações do Ministério Público podem ser lidas aqui.

O indiciamento de Joffre Netto como réu em ação civil pública por improbidade administrativa é a novidade.

O processo é antigo, mas Joffre Neto procurou escondê-lo o quanto pôde.

A divulgação do despacho judicial nesse blog é que deixa o catão da Vila São Geraldo irritado. É isso que deixa a cajazeira transtornada.

Ingratidão

Esmagamento da sensatez e da gratidão
As fiscais da moralidade na vida pública taubateana são, antes de tudo, ingratas.

Pedem a cabeça do vereador Carlos Peixoto (PMDB) na Justiça Eleitoral por uma condenação sofrida o ano passado e contra a qual está recorrendo.

Convenientemente esquecem que Carlos Peixoto, para ajudar Joffre Neto e dar-lhe emprego, pois o catão da Vila São Geraldo estava desempregado e precisava de dinheiro, burlou a lei das licitações orientado pelo ex-presidente da Câmara Municipal.

Peixoto acaba de ser indiciado pela Vara da Fazenda Pública de Taubaté. Não precisava ser réu na ação civil pública por improbidade administrativa que o Ministério Público move contra ele e Joffre Neto, autor intelectual da fraude denunciada pelo Ministério Público.