Páginas

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

ELEITOR TAUBATEANO, ESTARRECIDO,
ACOMPANHA DENÚNCIA CONTRA ORTIZ

Evidente que  maioria da população desconhece as falcatruas cometidas por Bernardo Ortiz e seu filho Ortiz Júnior nos porões da FDE – Fundação para o Desenvolvimento da Educação (o Baneser dos tucanos).

Para desespero da máfia tucana, incrustada nesta urbe quase quatrocentona, centenas de cidadão que querem Taubaté definitivamente livre da corrupção, acompanham o desmantelamento da máfia tucana, com epicentro no bucólico bairro do Bonfim.

Até este momento (14h40 do dia 2 de novembro), a divulgação, por este blog, do pedido de anulação dos votos obtidos por Ortiz Júnior, chegou a 1.164 acessos. 

Um recorde para um blog interiorano, que praticamente aborda somente a política política local.

Não estou contabilizando as discussões de internautas no grupo Blog do Irani Lima no Facebook.

A manifestação que reproduzo abaixo é de um (e)leitor atento, que acompanha de longe a política taubateana, não tem filiação partidária mas se sente horrorizado pelos casos de corrupção que ocorrem nesta cidade.

Em tempo: o desabafo do (e)leitor Bruno de Almeida Silva foi recebido na tarde do dia 1º/11/12 e postado como comentário neste blog.

O texto pode não representar a média do pensamento do taubateano a respeito das denúncias que pesam sobre Ortiz Júnior, mas, com certeza, representa uma parcela significativa do pensamento da população sobre os fatos recentes da nossa política.

Desabafo:

Utilizo esse espaço público e democrático para expressar minha opinião sobre as denúncias feitas pelo Ministério Público contra o Prefeito eleito Ortiz Junior. Primeiramente, gostaria de dizer quem sou eu. Brasileiro, taubateano (com muito orgulho), casado, protestante, servidor público federal (aprovado regularmente em concurso público, conforme publicado no Diário Oficial da União nº 124, de 01/07/2010). Enfim, uma pessoa normal e principalmente comum, com problemas, contas para pagar, sonhos e aspirações.

Dito isso, confesso que fiquei estarrecido com todas as denúncias expostas pelo Ministério Público, pois elas afrontam toda noção de civilidade que eu, cidadão comum, trago em minha bagagem. Primeiramente, acho inadmissível todo tipo de corrupção, porém mais inadmissível ainda é aquela que atinge diretamente o sistema de saúde e a educação. Essa corrupção massacra principalmente os mais desfavorecidos e reforça a lógica capitalista implacável de que o pobre fica mais pobre e o rico mais rico, isso porque ao se elitizar a educação, oferecendo uma educação pública precária e monopolizarmos o acesso a bons tratamentos de saúde, fazemos do pobre, como disse Victor Hugo, um miserável.

Além disso, ao ler toda a denuncia (sugiro que todos a leiam, é só clicar no link acima), em diversos momentos senti-me diante de um roteiro hollywoodiano, sabe aquelas estórias de gângsteres mesmo? E é estória mesmo, pois parece ficção! Li ali, repito, estarrecido, a que ponto pode chegar um homem a fim de atingir seus objetivos. Se metade do que foi denunciado for verdade, Ortiz Junior é um rolo compressor, sem limites em sua ânsia de dirigir Taubaté. E o pior é que no decorrer da denuncia fica claro que toda a família ou famiglia nesse caso é conivente com toda essa falcatrua. Fico imaginando (já que a denúncia assim expõe) qual o sentimento da esposa do denunciado ao utilizar o veículo do empresário Djalma Santos e ficar hospedado em hotel pago pelo citado empresário. Será que ela não desconfiou que havia algo errado? que seu marido estava envolvido em algo espúrio? E seu pai, meu Deus, como pode aliciar o próprio filho para adentrar em uma senda dessas? E sua mãe, não percebeu que o marido e o filho estavam metidos com alguma coisa ilegal? Segundo o Ministério Público, seu irmão também sabia do esquema e até colaborou com ele. Que chaga é para a sociedade taubateana que existam pessoas assim em nosso meio!.

Não sou PSDB, nunca fui. Sou de esquerda, e acho que no estabelecimento da democracia sempre deve existir a oposição. Estou acompanhando o julgamento do mensalão e, pasmem, sou a favor da condenação de todos os que participaram desse esquema. Sinceramente não aguento mais tanta desonestidade, tanta denúncia, tanto mal-estar. Não aguento mais pesquisas que revelam que a renda per capita no Brasil seria muito maior sem o fator corrupção. Não aguento mais pessoas morrendo em hospitais públicos. Não aguento mais semianalfabetos que colam grau no ensino fundamental e médio. Não aguento mais!

Conheço a morosidade de nosso judiciário e também sua tendência por absolver políticos por “falta de provas” ou vícios processuais. Entendo que esses problemas são fruto de nossa recém traumática história com um governo tirano (ditadura militar), que gerou a Constituição Federal de 1988, redigida sob a égide do medo e do trauma, e por isso mesmo cheia de remédios processuais, direito de recorrer e “habbeas tudo” que hoje em dia patrocinam mais a impunidade que protege os perseguidos. No Brasil o conceito de justiça é empregado por amostragem. E por tudo isso, sei que dificilmente todas essas denúncias feitas pelo Ministério Público contra o Ortiz Junior serão averiguadas, julgadas e a sentença, se houver, será aplicada dentro de um tempo considerado ao menos razoável.

Mas não tem nada não! Faço parte daquela parcela da sociedade que mesmo abalada não muda seus padrões éticos, não se mistura com más companhias e que está sempre pronta para sacudir a poeira e continuar caminhando. Para finalizar, deixo aqui meu recado: “Vocês não vão nos derrotar, não desistiremos após mais essa derrota. Parafraseando o Chico: quando chegar o momento, esse meu sofrimento, vou cobrar juros, juro! No momento da crucificação, estaremos no time de Barrabás.”

Bruno de Almeida Silva – Cidadão taubateano.