Páginas

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O AMANHÃ, COMO SERÁ O AMANHÃ?

Celso Brum, sociólogo e professor
Artigo publicado originalmente pelo Diário de Taubaté

Foi a primeira eleição em Taubaté com 2º turno. Eleito o prefeito, o que era esperado?

Esperava-se uma entrevista coletiva, que o candidato eleito estivesse preparando a chamada transição, que estivessem sendo apresentados os novos nomes do futuro secretariado, que estivessem sendo discutidos os projetos reais da administração (eis que grande parte do que se prometeu na campanha é obra mais ficcional) enfim, estaria acontecendo um momento rico de reflexão e planejamento. Nada disso acontece.

O que se diz, nos bastidores, é que o candidato eleito estaria evitando ser citado pela Justiça, até o dia da diplomação que será, segundo informes, no dia 19 de dezembro.

O fato é que as “acusações eleitorais” não eram e não são nem um pouco “eleitoreiras”. São acusações sérias que já causaram bloqueio de bens e quebra do sigilo telefônico, a partir de 2011, do candidato eleito.

E o que se discute é se o candidato eleito será diplomado e se tomará posse no dia 1º de janeiro. Há quem diga que tudo “vai dar em nada” e há quem jure que Ortiz Jr. não toma posse e que será condenado. Como diria Luigi Pirandello, “assim é, se lhe parece”.]

Assim, resta-nos conjecturar.

Se Ortiz Jr. não for diplomado e não tomar posse, interinamente o Presidente da Câmara responderá pela chefia do Executivo, se é que eu estou bem interpretando a Lei Eleitoral. E continuará à frente do Executivo até a conclusão do julgamento. No caso de condenação do Ortiz Jr., haverá nova eleição e, nesse caso, o Presidente da Câmara continuará no Palácio Bom Conselho até a eleição e posse do novo Prefeito. É isso que pude levantar até o momento e, se estiver errado, me retratarei.

Isto torna muito importante a eleição do Presidente da Câmara e, pode-se imaginar que a disputa pela Presidência vá ganhar uma relevância extraordinária, com graves repercussões na vida da cidade.

Se Ortiz Jr. for condenado (o que é apenas uma hipótese, eis que a Lei permite e prevê alternativas e caminhos legais, que bons advogados sabem muito bem explorar e conduzir) haverá, como disse linhas acima, novas eleições: um novo 1º turno e, se for necessário, um novo 2º turno.

E aqui começam as minhas dúvidas. O que vou passar aos meus caros, raros, fieis e inteligentes leitores, são informações colhidas e ainda não confirmadas. Se houver algum erro ou alguns erros, peço antecipadamente perdão e, prometo apresentar as informações precisas numa outra oportunidade.

Segundo as informações que tenho no momento, se Ortiz Jr. for condenado, o PSDB poderá indicar um novo candidato a Prefeito e um novo candidato a vice. Não poderia ser José Bernardo Ortiz, já que ele tem três condenações, duas em 2ª instância e um em 3ª instância. Mas poderia ser um dos irmãos de Ortiz Jr. ou mesmo sua mãe, Jandira Ortiz. E, é claro, o candidato poderia ser qualquer filiado do PSDB.

O PSDB poderia também não ter candidato e apoiar informalmente (pois o tempo de estabelecer coligação já passou) o candidato Mario Ortiz, que é primo de José Bernardo Ortiz.

O interessante é que qualquer um dos atuais candidatos poderia ser substituído. Por exemplo, Mario Ortiz desistiria de sua candidatura em favor de Pollyana Gama. Ou seja, a nova eleição poderia estabelecer novas perspectivas e, certamente, haveria outro tempo de reflexão para o eleitorado.

Vejo, hoje, passado o calor da disputa, pessoas lamentando não ter pensado melhor o seu voto e, simplesmente, ter tomado uma decisão por birra e cegamente.

Quanto ao PT, certamente o partido teve um ótimo desempenho, saindo de 2% e chegando a mais de 30%. Para uma nova eleição, começaria com uma base eleitoral já conquistada e, portanto, com chances efetivas de disputar bem o chamado “3º turno”.

Mas, acreditem, tudo pode acontecer, inclusive nada. O dia “D” dessa história é 19 de Dezembro, o dia da diplomação dos eleitos. Aí, nós saberemos como será o amanhã e se teremos um melhor amanhã.