Páginas

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

ORTIZ JÚNIOR FUGIU DA JUSTIÇA?

O prefeito-réu, eleito mas ainda não empossado, que quase cem mil taubateanos sufragaram nas urnas no segundo turno da eleição municipal deste ano, a primeira em Taubaté, não passa de um foragido da Justiça.

O tucano, aprendiz de mafioso, não é localizado pelos oficiais de Justiça para ser notificado do processo eleitoral que corre contra si.

A continuar foragido da Justiça, Ortiz Júnior pode ser notificado por edital. É assim que são notificados os fujões da justiça.

No linguajar jurídico e policial, o réu (Ortiz Júnior) encontra-se em local incerto e não sabido.

Procurados, seus lacaios dizem que o chefe está viajando.

Há contradição.

Informações seguras dão conta que o tucano estaria recôndito no bairro do Bonfim, onde reside à custa do pai Bernardo, o verdadeiro dono do dinheiro da famiglia.

A fuga do tucano é desnecessária.

Ortiz Júnior terá que comparecer para ser diplomado no dia 19 de dezembro.

Poderá receber o diploma de prefeito eleito mas não haverá como fugir da solenidade sem ser notificado.

Se a tática é atrapalhar o andamento do processo eleitoral que corre contra si, o tucano de bico quebrado estará dando um tiro no pé.

Veja o que diz o artigo 26-B da lei complementar 64/1990, alterado pela lei complementar 135/2010, a conhecidíssima Lei d Ficha Limpa.

Art. 26-B. O Ministério Público e a Justiça Eleitoral darão prioridade, sobre quaisquer outros, aos processos de desvio ou abuso do poder econômico ou do poder de autoridade até que sejam julgados, ressalvados os de habeas corpus e mandado de segurança. (Incluído pela Lei Complementar nº 135, de 2010)

A Lei da Ficha Limpa determina que os processos eleitorais tenham preferência sobre os demais, exceção aos julgamentos de mandado de segurança e habeas corpus.

Ou seja, o tucano pode tomar posse dia 1º de janeiro de 2013, mas não governará Taubaté mais que um ano porque será afastado pela Justiça.

O julgamento do tucano, portanto, tem prioridade na Justiça Eleitoral.

As provas coligidas contra o aprendiz de mafioso são insofismáveis.

Não fosse isso, por que Ortiz Júnior foge da Justiça como o diabo foge da cruz?

Cadê aquele moço que aprendeu tudo com o pai?

Ortiz Júnior, explique na Justiça que nunca se reuniu com empresários no gabinete de seu pai na FDE como se fosse seu próprio escritório.

Diga que Djalma Santos delirou e que você nunca esteve com ele no restaurante 14 Bis, no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para combinar propina com fornecedores da FDE.

Aproveita sua ida perante o juiz e afirme, com todas as letras, que o motorista de Djalma Santos nunca trouxe você para Taubaté, que vocês nunca pararam para um café no Frango Assado e que você nunca carregou um mochila contendo cerca de R$ 1,7 milhão.

Para os oficiais de justiça que não conseguem notificá-lo, você está em local incerto e não sabido.

É assim que são chamados os fujões da justiça ou da polícia.

Apareça e se defenda.

Você deve tomar posse dia 1º de janeiro, mas não governará esta urbe quase quatrocentona.

Seu mandato será curtíssimo.

A decisão de 1ª instância caberá ao juiz Flávio de Oliveira César, da Vara Criminal de Taubaté.