Páginas

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

BELO MONTE LEVA PROFESSORA
DE TAUBATÉ À HIDRELÉTRICA

Hoje é um dia especial na vida da professora Elisângela da Rocha Silva. Ela embarcou às 6h45 no Aeroporto de Guarulhos. Destino: Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

Alunos de escola municipal do São Gonçalo e a professora Lisa
Lisa Rocha é professora da EMEF Professor Lafayette Rodrigues Pereira, no bairro São Gonçalo. Uma escola de periferia em Taubaté. viaja por conta da CCBM (Consórcio Construtivo Belo Monte) em companhia do diretor da escola, Luiz Ricardo Pereira Rocha, e ouros dois professores.

Taubaté e Altamira estão separadas por 2.950 quilômetros. Você deve se perguntar, o que uma professora da rede pública municipal de Taubaté está fazendo na hidrelétrica de Belo Monte?

A hidrelétrica do Pará será a terceira maior do mundo, perdendo em produção de energia somente para a usina de Três Gargantas (China) e Iaitpu (Brasil-Paraguai).

As pressões de ambientalistas de todo o mundo e de indígenas da região provocaram alterações no projeto original. Belo Monte ocupará uma área e 516 Km² e fornecerá 10% da energia consumida pelo país.

Foi a questão ambiental que chamou a atenção da professora Lisa Rocha, que teve a brilhante ideia de levar a discussão para a sala de aula a partir das apostilas usadas pelos professores para suas aulas.

A própria professora relata como se inspirou para elaborar o projeto de meio ambiente desenvolvido por  ela em conjunto com os alunos do São Gonçalo

Sou professora na rede municipal de ensino de Taubaté no Estado de São Paulo e leciono no 4º ano da E.M.E.F. Professor Lafayette Rodrigues Pereira. Na rede municipal, os alunos utilizam o sistema apostilado. Como havia recebido as apostilas correspondentes a todos os bimestres de uma vez só, comecei a analisar uma por uma e percebi que havia em minhas mãos um material muito rico e com muitas possibilidades de projetos. O que mais chamou minha atenção, no momento, foi a apostila de Ciências Naturais, na qual percebi que cada volume e cada bimestre completava o outro. Ou seja, havia uma janela de conhecimento de um volume para o outro. Assim, tive a ideia de montar um projeto que durasse todo o ano escolar. Inicialmente, começamos conhecendo o planeta Terra como parte de um todo no sistema solar e as camadas da crosta terrestre. Como uma coisa puxa a outra, logo estamos fazendo experiências.”
Os alunos assistiram vídeo sobre o sistema solar, fizeram maquetes com materiais reciclados, reproduziram a crosta terrestre em garrafas plásticas transparentes e plantaram mudas de plantas com raiz para reproduzir, em sala de aula, um modelo de nossa biodiversidade

O trabalho da professora Lisa Rocha não foi em vão. Hoje, pode-se afirmar com segurança, ela vive uma experiência inimaginável há poucos meses.

Lisa Rocha ganhou uma viagem a Altamira-PA com tudo pago. Seus alunos, com certeza, ganharam mais: os meninos do São Gonçalo aprenderam em sala de aula o que é o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável.

O projeto da professora Lisa Rocha deveria ser estudado por educadores e levado à sala de aula para as nossas crianças.