Páginas

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

EMPRESÁRIO REAFIRMA DENÚNCIAS
CONTRA ORTIZ NA JUSTIÇA ELEITORAL

Se depender dos depoimentos do empresário Djalma Santos e da advogada Gladiwa Ribeiro, ex-chefe-de-gabinete de José Bernardo Ortiz na FDE, o juiz eleitoral de Taubaté, Flávio de Oliveira César pode preparar sua sentença em desfavor do tucano Ortiz Júnior.

Arrolados como testemunhas do Ministério Público Eleitoral, Djalma Santos e Gladiwa Ribeiro reafirmaram o que haviam dito ao MP em Taubaté e na 4ª Promotoria do Patrimônio Público e Social da Capital.

Gladiwa confirmou que recebeu a denúncia do empresário e de seu advogado, Eduardo Bello Visentin, sobre a formação de cartel entre fornecedores para participar do leilão para a venda de mochilas escolares à FDE.

Aqui o documento recebido por Gladiwa Ribeiro e engavetado a mando de José Bernardo Ortiz.





Djalma Santos reafirma denúncias contra Ortizes - pai e filho
O empresário Djalma Santos conversou com os jornalistas na porta do Fórum, após seu depoimento, e reafirmou tudo o que havia dito em depoimentos e entrevistas sobre o envolvimento de Ortiz Júnior com o cartel paulistano.

Disse que suas denúncias ocorreram porque houve um desacordo comercial entre ele e Ortiz Júnior, ou seja, as empresas envolvidas no cartel não lhe pagaram a parte devida no acordo.

Sobre suas relações com Ortiz Júnior explicou que a resposta a este blog que postou no Facebook atendeu a um pedido do próprio tucano, autor do texto redigido em seu nome. Leia o documento aqui.

O advogado Eduardo Bello Visentin, testemunha do MPE deve ser ouvido nesta tarde.

As testemunhas de defesa Vera Dátola Iqueda e Nilton Ferreira Santos também deverão ser ouvidos esta tarde.

Ortiz Júnior esteve no Fórum pela manhã. Foi dispensado sem prestar depoimento. Demonstrava abatimento. Em público finge estar voando em céu de brigadeiro.

O vice-prefeito eleito Edson Oliveira, em outra manobra jurídica protelatória, pediu vistas do processo, concedido pelo juiz Flávio Cesar de Oliveira.
Isto pode significar a diplomação do tucano e ua eventual posse em 1º de janeiro.