Páginas

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

ORTIZ JR PAGA O PREÇO DA
HERANÇA DEIXADA PELO PAI

Os 1.747 funcionários municipais, entre professores e funcionários, que não receberam o pagamento das férias a que tem direito, é o retrato sem retoque do que significam os 30 anos que esta urbe vive sob o jugo de José Bernardo Ortiz.

O pagamento deveria ser depositado pelo ex-prefeito Roberto Peixoto, que deixou, gostosamente, diga-se, a conta para seu sucessor, José Bernardo Ortiz Monteiro Júnior.

Ortiz Júnior recebe parte da herança deixada por seu pai, Bernardo Ortiz, mentor intelectual da candidatura de Roberto Peixoto, em 2004, as qual apoiou, mesmo sabendo que se tratava de uma pessoa incompetente, conforme suas próprias palavras em um programa de televisão.

As artimanhas de Ortiz Júnior para chegar à prefeitura estão sob investigação judicial. O tucano é réu na Justiça Eleitoral de Taubaté e réu em processo por improbidade administrativa na 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

Detalhe: Ortiz Júnior conseguiu a façanha de ser réu mesmo sem ter, oficialmente, sido funcionário da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), presidida por seu pai, que pode reassumir o cargo brevemente, assim que a suspensão de seis meses, que lhe foi imposta pelo Poder Judiciário, seja cumprida.

A 4ª Promotoria do Patrimônio Público e Social da Capital e o Ministério Público Eleitoral de Taubaté apuraram que Ortiz Júnior ocupava uma sala na sede da FDE e atuava com a desenvoltura própria dos titulares de cargos executivos.

A dinheirama que tinha à disposição na FDE (orçamento de aproximadamente R$ 3 bilhões só o ano passado) Ortiz Júnior não terá em Taubaté, cujo orçamento aprovado pela Câmara Municipal é de meros R$ 968 milhões, menos de 1/3 do que dispunha na estatal.

Ortiz Júnior não tem o direito de reclamar. Ele mentiu descaradamente durante a campanha eleitoral e se apresentava como a solução para todos os problemas que Taubaté viesse a enfrentar, o que qualquer banco da Praça Santa Terezinha sabia que o (des)governo Peixoto deixaria para seu sucessor.

A herança que Ortiz Júnior está recebendo foi deixada por seu pai, mentor e articulador da candidatura e posterior eleição do ex-prefeito, que continua canastrão, Roberto Peixoto. A outra ponta desse triângulo foi o deputado Padre Afonso (PV).

Quem planta colhe, diz o adágio popular.

Ortiz Júnior plantou a desgraceira em Taubaté ao apostar no quanto pior melhor. Está colhendo, agora, os frutos de sua semeadura.

O empenho do tucano pela cassação de Peixoto se assemelha ao esforço do PT para mudar os rumos da política taubateana em 2011: nenhum.

A preocupação do tucano não é apenas saldar as dívidas deixadas pelo ex-prefeito Roberto Peixoto. Como fazer para garantir o emprego dos professores? Ortiz fará como seu pai Ortiz e demitir todo mundo, inclusive os concursados?

Ortiz Júnior ainda deve muita explicação à Justiça, especialmente à Eleitoral e à 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

2013 será um péssimo ano para os tucanos taubateanos.

Esta e outras informações podem ser lidas em nossa fã page.