Páginas

sábado, 19 de janeiro de 2013

PREFEITO TUCANO PERDE PRAZO DE
RECURSO CONTRA DECISÃO JUDICIAL

As contas de campanha Ortiz Júnior (PSDB) foram rejeitadas pela Justiça Eleitoral de Taubaté o ano passado. O juiz Flávio de Oliveira César reprovou as contas do tucano, mas o diplomou assim mesmo permitindo-lhe tomar posse dia 1º de janeiro.

O escritório de advocacia contratado para a defesa do prefeito desta urbe quase quatrocentona perdeu o prazo para apresentar recurso ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) contra a decisão de primeira instância.

Incrível imaginar que um escritório famoso por sua competência, com serviços prestados para mensaleiros no STF (Superior Tribunal Federal) tenha perdido prazo para apresentar recurso contra a rejeição da conta da campanha tucana.

O prefeito de Taubaté não está quite com a Justiça Eleitoral. A reprovação da conta de Ortiz Júnior pode significar sua inelegibilidade em 2016, mas o eleitor taubateano talvez nem precise esperar tanto tempo para defenestrá-lo do cargo.

Há um recurso do Ministério Público Eleitoral de Taubaté contra a rejeição das contas do tucano, não pela rejeição em si, mas pelas brechas deixadas pela Justiça Eleitoral que facilitariam um recurso contra sua reprovação.

Recurso este que não foi apresentado no prazo legal, o que torna possível a confirmação, pelo TRE, da sentença da JE de Taubaté, com as reformas pedidas pelo MPE, que recorreu contra a sentença do magistrado taubateano.

MÃO PESADA

A Justiça Eleitoral de Taubaté é presidida desde 1º de janeiro deste ano pela juíza Sueli Zeraik, tida nos meios forenses como mão pesada, isto é, rigorosa e meticulosa em suas decisões.

Ela deve receber nos próximos dias pedido do Ministério Público Eleitoral para dar continuidade ao processo de julgamento do prefeito Ortiz Júnior (PSDB), acusado de abuso de poder econômico na eleição municipal do ano passado.

Foi a juíza Sueli Zeraik quem sugeriu à Corregedoria Geral da Justiça a interdição parcial do CDP de Taubaté por excesso de lotação: o local tem quase dois mil presos quando deveria ter apenas 768 detentos.

A nova juíza eleitoral de Taubaté não teme cara feia. Sueli Zeraik de Oliveira Armani mandou apurar o possível envolvimento do PCC com o tráfico de drogas nos presídios da região sob sua jurisdição – Pemano, IRT, P-II, Casa de Custódia e Penitenciária Feminina de Tremembé.

Na condição de juíza da 1ª Vara Criminal de Taubaté ela negou, em fevereiro do ano passado, pedido de transferência de Suzane Von Richtofen de Tremembé para um centro de ressocialização mais próximo da Capital. Suzane foi condenada porque matou os pais, junto com os irmãos Cravinhos, num dos crimes mais famosos dos últimos vinte anos.

A vida do tucano Ortiz Júnior pode mudar radicalmente nos próximos meses

Esta e outras informações podem ser lidas em nossa fã page.