Páginas

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A MISTERIOSA RENÚNCIA DO PAPA

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

Corrupção, pedofilia e profecias de Nostradamus são assuntos antigos na Igreja. Volta-e-meia ressurgem. O papa Bento XVI não resistiu à pressão vinda desses temas. Repetiu o gesto de Gregório XII, em 1415, para não abrir novas cisões entre os que queriam um pontificado duro e os que propunham maleabilidade para seguir as modernidades da vida. Inclusive na questão dos gays.

Outras renúncias ao pontificado marcaram a Igreja de Pedro: Ponciano e Celestino V, assim como Gregório XII também foram vítimas de intrigas entre o clero.

Não coloco em duvida a debilidade da saúde de Bento XVI. Apenas estou certo de que, no mínimo, teria sido agravada por tudo isso. Inclusive a profecia de que depois do Papa da Paz viriam 3 outros. E que este último seria expulso do Vaticano passando por sobre os cadáveres dos outros papas. Como Bento é o terceiro, depois de Paulo Sexto, o Grande Conciliador, e de João Paulo Primeiro e Segundo, provavelmente... meras conjecturas!

O certo é que toda vez que um papa morre ou renuncia, e, esta será a quarta renúncia na Igreja; todo o bastidor do clero se alvoroça em pretensões e expectativas. Bento XVI ainda não entregou o branco solidéu e a tiara de Pedro, nem voltou a ostentar o solidéu e barrete vermelhos, como bispo emérito de Roma. Só vai fazer isso em dia e hora acertados para 28 de fevereiro às 8 da noite, mas já tem brasileiro, argentino, africano e italianos de plantão para serem ungidos com a fumaça branca.

Bento disse em comunicado que está plenamente consciente da dimensão do seu gesto e que renuncia ao cargo por livre e espontânea vontade: “cheguei à certeza de que, pela idade avançada, já não tenho forças para exercer adequadamente o ministério petrino”.

Eu disse e repito: não deve ser mole enfrentar problemas que sempre existiram, porém, foram tratados de forma diferente. Sempre foram lançados para debaixo do tapete.

Foi por isso que ele disse: “no mundo de hoje, sujeito a rápidas transformações e sacudido por questões de grande relevo para a vida da fé, para conduzir a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor tanto do corpo como do espírito”.

Agora vem a hora da “turma do já sabia”. O Irmão diz que o Papa está realmente doente. No Rio o futuro cardeal dom Orani João Tempesta afirma que Bento XVI teria dito que ele ou seu sucessor iriam ao encontro com a juventude católica, na capital carioca. E Nostradamus, sempre lembrado nesses momentos, o que deixou gravado, perguntará o caríssimo leitor?
“Próximo à “loing” a falta de dois grandes luminares que sobrevirá entre abril e março. Ó que penúria! Mas dois grandes "de bons ares". Por terra e mar socorrerão todas as partes.”

A quadra, segundo dizem os intérpretes do premonitivo misterioso, tem ligação com a centúria 2, quadra 28, que também fala de loin ou loing. Ali o termo loing não deve ser traduzido como “longa falta”, pois logo em seguida é dito que “sobreviverá”, ou seja, não faria sentido uma longa falta sobreviver, pois não possuiria vida.

Nostradamus também deixa claro que esses luminares possuem “bons ares” ou seja, bons espíritos, já que o termo hebraico “ruach” e grego “pneuma” que designa espírito na Bíblia, também quer dizer ar, fôlego da vida. E também a referência a “luminares” outra clara referência a luz do espírito. Basta ler Tiago 1, quando se refere a Deus como o “Pai das luzes”.

Loing” pode ser uma referência a Bento XVI. Os dois papas próximos a ele foram João Paulo Primeiro e Segundo, tidos como dois grandes luminares, únicos com nomes compostos que já subiram ao pontificado, unindo os nomes dos apóstolos João e Paulo.

Noutra menção tida como clara a Bento XVI, Nostradamus diz que ele “sobreviverá”, ou seja, terá sobrevida, clara referência a sua idade avançada, pois ao ser eleito papa contava com 78 anos, ou ainda, pela sobrevivência ao papado, já que não sai dele morto, mas por renúncia.

Nostradamus também deixa, de forma velada, que teremos “dois grandes” ajudando o mundo, socorrendo terra e mar em todas as partes, na época futura de penúria. A dualidade, João e Paulo num só, mostra ainda a aliança entre catolicismo ocidental e oriental. Os dois grandes representando João e Paulo num só, podem significar dois grandes países, onde em cada um existe a maioria católica, ocidental e oriental. No ocidente esse pais seria o Brasil. No oriente seria a Rússia. Neles estão os maiores contingentes católicos do planeta. Dois grandes territórios, dois grandes centros do catolicismo, unidos no propósito de ajudar o planeta na época futura de penúria.

O irmão mais velho do papa, Georg Ratzinger afirmou que pontífice tem cada vez mais dificuldades para andar e que o médico o teria aconselhado a não fazer mais viagens transatlânticas. Será?

De minha parte, comungo do mesmo pensamento do jurista carioca Jorge Béja, também estudioso canônico, para quem a renúncia ao papado é descabida: “
O mandato que um papa recebe é divino, transcendental, metafísico, irrenunciável, portanto. Não lhe pertence. Tanto é verdade que a cada sessão do conclave os cardeais entoam o “Veni Creator Spiritus, Mentos Tuorum Visita” (Venha Espírito Criador, Venha Visitar Nossas Mentes). Logo, a pedido, o Divino Espírito Santo desce e penetra na mente dos cardeais no momento de preencher aquela cédula em que está escrito apenas isso: "ELIGO SUMMUS PONTIFICI CARDENALI". Depois, as cédulas são queimadas. É um ritual sério, divino.
Com a decisão de Bento XVI, cinco brasileiros estariam entre os papáveis. E, dessa vez pode acontecer: primeiro, diante do peso do Brasil como Nação Católica sem muitos escândalos; segundo, pelo momento frágil da Igreja no mundo.

Dom Odilo Scherer, cardeal arcebispo de São Paulo, é um dos nomes brasileiros mais frequentes nas listas de possíveis sucessores do Papa. Dom João Braz de Aviz, ex-arcebispo de Brasília é considerado jovem, tem 65 anos. É o brasileiro que ocupa o mais alto cargo na hierarquia vaticana. Já Dom Cláudio Hummes, que inclusive esteve cotado pela ser papa em lugar do próprio Bento XVI, hoje aos 78 anos, é prejudicado pela idade, apesar de ser considerado o brasileiro com maior trânsito na burocracia da Igreja de Roma. Dom Raymundo Damasceno Assis, Cardeal arcebispo de Aparecida, também é cotado, ocupando hoje a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Na lista de papáveis brasileiros também aparece Dom Geraldo Majella Agnelo, Arcebispo aposentado de Salvador. Tem 79 anos, mas ainda terá direito de votar e ser votado na eleição.

Escolha de previsão difícil. Definição? Somente quando o Protodiácono decano da Igreja for à janela da Capela Cistina proclamar “habemus Papam”
Falei e disse!

APRESENTAÇÃO:

 O jornalista e advogado José Carlos Cataldi casou-se com uma filha de Pindamonhangaba e veio morar no Vale do Paraíba entre 2004 e 2005. Comandou um programa sobre direito do consumidor na antiga TVE (TV Educativa), no Rio de Janeiro.

Estudioso de Direito Canônico, foi aluno da primeira turma do Instituto de Direito Canônico fundado pela Arquidiocese do Rio de Janeiro, sob supervisão da Universidade Gregoriana, de Roma.

O texto acima é resultado da troca de reflexões que manteve com seu colega Jorge Beja.

Esta e outras informações podem ser lidas em nossa fã page.